Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Padre comenta aspectos fortes da Teologia de Bento XVI



Arquivo
Padre Paulo pertence ao clero da Arquidiocese de Cuiabá; é autor de diversos livros e apresenta semanalmente o programa “Oitavo Dia”, pela TV CN.
Bento XVI é um dos grandes teólogos que chegaram à Sé de Pedro; um dos mais importantes pensadores da Igreja e do mundo nos últimos dois séculos. Doutorou-se em Teologia com a tese "Povo e Casa de Deus na doutrina da Igreja de Santo Agostinho" e lecionou a mesma ciência na Universidade de Munique.
Em 1977, recebeu a sagração episcopal e escolheu como tema "Colaborador da Verdade". Em 1981, foi nomeado, pelo então Papa João Paulo II, como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Publicou diversos livros e artigos. Porém, a contribuição literária mais significativa que ofereceu à Igreja foi sua participação na elaboração do Novo Catecismo da Igreja Católica. Ele foi Presidente da Comissão encarregada da preparação do Catecismo apresentando ao Santo Padre a finalização do trabalho.
Padre Paulo Ricardo Azevedo Júnior, mestre em direito canônico pela Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma) e membro do Conselho Internacional de Catequese (Coincat) da Santa Sé, descreve alguns aspectos sobre o pensamento de Joseph Ratzinger acerca da fé, da razão e do mundo relativizado.
O padre também define o motivo que torna Bento XVI um dos personagens mais importantes na Teologia Católica e apresenta, segundo o pensamento do Papa, um caminho para lidar com o problema do relativismo.
noticias.cancaonova.com - O que faz Ratzinger ser considerado o grande teólogo dos tempos atuais?

Padre Paulo Ricardo - Por causa da sua fé extraordinária e da sua inteligência extraordinária. Ratzinger reúne as duas coisas. Isso o faz ser um grande homem: alguém de grande fé e fidelidade à fé da Igreja e um homem de grande inteligência espiritual. Por exemplo, as homilias que ele produz. Aquelas homilias são frutos de reflexões pessoais, ninguém as fez para ele, mas ele mesmo as escreveu. Lemos as páginas por ele escrita e vemos uma inteligência extraordinária que aquece o coração e faz você se deter diante de um parágrafo e dizer: eu nunca pensei isso, mas é nisso que eu creio. Isso o faz ser um grande teólogo.
noticias.cancaonova.com - Qual o discurso de Ratzinger acerca da fé e seu relacionamento com a ciência? 

Padre Paulo Ricardo - O convívio mútuo em que a fé e razão caminham juntas é algo que Joseph Ratzinger sempre chamou a atenção. Ele faz questão de lembrar que existe um compromisso fundamental do cristianismo com a racionalidade desde o seu início. Por quê? Assim como no Antigo Testamento, os profetas tiveram que desmitificar os deuses falsos através da pregação profética, também no mundo grego, os filósofos desmistificaram os deuses pagãos através da crítica filosófica. Então, Ratzinger sempre viu que existe um paralelo entre aquilo que os profetas fizeram no Antigo Testamento e aquilo que os filósofos fizeram na Grécia. É a mesma coisa, através de instrumentos diferentes. Ambas serviram para preparar o Evangelho.
Fé e razão caminharam juntas no início nos primeiros séculos do cristianismo. A ruptura se deu no final da Idade Média e início da Idade Moderna, com o protestantismo. Na verdade, foi Lutero quem dividiu fé e razão. Quando Lutero rejeitou a Teologia Católica ele, de alguma forma, decretou que a fé era algo irracional, era puro sentimento e que não havia nenhuma racionalidade nela mesma. E foi a partir da Revolução Protestante que se deu esse estranhamento entre fé e razão e que foi crescendo cada vez mais, ao ponto de chegar à situação que temos hoje. Mas, nós católicos tivemos uma longa experiência, de mais de mil anos, de convívio harmonioso entre fé e razão.
Ratzinger crê perfeitamente que este convívio pode continuar. Tanto que, no famoso discurso que fez em Regensburg, ele convidou as religiões a se sentarem à mesa para que pudessem discutir racionalmente uma forma de conviver pacífica, sem que um tivesse que destruir o outro. Ratzinger sempre insistiu muito no fato de que a fé sem a razão fica cega e a razão sem a fé enlouquece. Uma precisa da outra. São duas asas; tirando uma delas alguma coisa de muito ruim pode acontecer.
noticias.cancaonova.com - Como entender o mundo relativista sob a ótica de Joseph Ratzinger? 

Padre Paulo Ricardo - Quando falamos de relativismo, falamos de idolatria, ou seja, é o homem que tomou o lugar de Deus. Uma coisa é indiscutível: quem faz a verdade é Deus. Ele é o criador e faz aquilo que é verdade. Quando o homem diz: a verdade quem faz sou eu, ele está se colocando no lugar de Deus. Então, o que temos não é um mundo de incrédulos, mas um mundo de idólatras. Ou seja, pessoas que não acreditam em Deus por que elas se colocaram no lugar de Deus. Elas dizem: a verdade é aquilo que eu decreto. Deus é uma realidade que não deixa minha vida intacta. Não adianta dizer: creio em Deus, mas minha vida não muda. Não. Se Deus existe minha vida muda pelo avesso. Se Ele existe, Ele é o meu Senhor e existo para Ele. É a revolta do homem que diz: eu não posso suportar que exista um Deus.
Essa voz do homem moderno relativista foi expressa por um filósofo ateu que diz: “Meus irmãos, vou falar-vos com franqueza: se os deuses existissem como é que eu poderia suportar não ser um deus? Logo, os deuses não existem!” Homem quer ser deus, mas como ele não consegue ser deus, decreta: ninguém é deus. Com isso nós voltamos ao Politeísmo, onde existem vários deuses. Neste caso, cada homem quer ser deus no lugar de Deus. Neste sentido, precisamos mais uma vez daquela ação dos profetas e dos filósofos, precisamos desmascarar por meio da fé e da razão aqueles falsos deuses que querem estar no lugar do Deus Verdadeiro.
noticias.cancaonova.com - Qual o caminho proposto pelo Papa para lidar com o relativismo do homem?

Padre Paulo Ricardo - 
O problema, na verdade, não é de fé e nem de racionalidade, é um problema de moral, de conversão. É o homem que deve retomar ao seu lugar de criatura e deve servir ao seu Senhor, deve descer do trono. O nosso mundo não vai se resolver se tiver que escolher entre a fé e a razão ou se tivesse que lutar por um absolutismo ou relativismo. Na verdade, o problema é que nós vivemos em um mundo sem coração, ou seja, um mundo que não quer amar, não quer realizar aquele processo doloroso que é tirar a si mesmo do centro para amar o outro. O homem se coloca no lugar de Deus, no centro de tudo, por que não quer amar, não quer mudar seu coração.
Neste sentido nós encontramos a teologia de Joseph Ratzinger. Ratzinger é um agostiniano, ou seja, ele foi fortemente influenciado pela teologia de Santo Agostinho. E para Santo Agostinho as coisas se resolvem sempre na realidade do amor. O amor é a alavanca que tudo move. Então, se nós quisermos resolver o nosso problema de fé, razão e ditadura do relativismo o que precisamos é nos reencontrar com o amor de Cristo. E isto Bento XVI proclamou desde o início de seu pontificado quando lançou a encíclica “Deus caritas est”. Como bom discípulo de Santo Agostinho, ele sabe muito bem que tudo vai encontrar seu eixo no amor.
Postar um comentário

Planeta Brasileiro