Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Pontifícias Obras Missionárias realizam Assembleia


AssembleiaPOM2012
Convocada pelo seu diretor Nacional, padre Camilo Pauletti, as Pontifícias Obras Missionárias (POM) realizaram, nesta segunda-feira, 26, na sua sede em Brasília (DF), mais uma Assembleia Geral Ordinária. O orçamento do exercício 2013, a Campanha Missionária, o 3º Congresso Missionário Nacional, os trabalhos com a Infância, Adolescência e Juventude Missionária e a revisão dos estatutos da entidade, foram os principais assuntos abordados.

Dom Sérgio Braschi, presidente da Comissão para a Ação Missionária da CNBB destacou a parceria entre os vários organismos em vista à Missão da Igreja no Brasil e reforçou a importância e a finalidade da Coleta Missionária realizada todos os anos no Dia Mundial das Missões. “O material é bom e se ele for bem utilizado vai reverter numa boa colaboração”, observou o bispo.

Na avaliação do padre Camilo Pauletti, em geral, o material da Campanha Missionária vem sendo apreciado pelas dioceses, paróquias e grupos de animação missionária Brasil a fora. “Em 2013 o tema será ‘Juventude em Missão’, em sintonia com a Campanha da Fraternidade, no ano em que o Brasil acolhe a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), na cidade do Rio de Janeiro”, explicou. Segundo padre Marcelo Gualberto Monteiro, Secretário da Obra da Propagação da Fé e Juventude Missionária (JM), a ideia é trabalhar em sintonia com o Setor de Juventude da CNBB na preparação do material para colocar o tema da Missão na pauta da juventude. A produção dos subsídios já está em andamento. Padre Sávio Corinaldesi, Secretário da Obra de São Pedro Apóstolo recordou que “a CF chama a atenção para uma situação nacional enquanto que a Campanha Missionária reflete sobre o mesmo tema, mas em nível universal”.

Entre os meses de maio de 2013 e maio de 2014 acontece no Brasil o Ano da IAM para marcar os 170 anos de sua fundação. Segundo padre André Luiz de Negreiros, Secretário Nacional da IAM, há cerca de 30 mil grupos em todo o país. “Estão previstos congressos diocesanos, provinciais e estaduais, consagração das crianças e coleta do cofrinho culminando com a realização de um Congresso Continental da IAM em 2014, em Aparecida (SP)”. Algumas iniciativas contam com a colaboração da Vida Religiosa Consagrada atuante em diversas realidades. Irmã Antônia Mendes, representante da CRB explicou que, aquela entidade apoia o trabalho que as congregações desenvolvem junto às crianças e adolescentes nas escolas católicas.

Participaram da reunião, além do diretor e secretários das POM, o presidente da Comissão para a Ação Missionária da CNBB, dom Sérgio Braschi, representantes do Conselho Missionário Nacional (COMINA), dos Conselhos Missionários Regionais (COMIRES), da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), da Comissão para a Amazônia da CNBB e do Centro Cultural Missionário (CCM).

As POM realizam anualmente duas Assembleias sendo que a próxima ficou agendada para o mês de fevereiro de 2013.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Papa celebrará Missa de Encerramento da JMJ Rio2013 em Guaratiba


Guaratiba, na Zona Oeste, foi o local escolhido para receber a Vigília e a Missa de Encerramento da Jornada Mundial da Juventude Rio2013, nos dias 27 e 28 de julho, respectivamente.
O anúncio acaba de ser feito pelo prefeito da cidade, Eduardo Paes, e pelo Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, durante o II Encontro Preparatório para a JMJ Rio2013, que está sendo realizado esta semana, na capital fluminense. Guaratiba, na Zona Oeste, foi o local escolhido para receber a Vigília e a Missa de Encerramento da Jornada Mundial da Juventude Rio2013, nos dias 27 e 28 de julho, respectivamente.Estavam presentes ao anúncio o ministro Gilberto Carvalho e o embaixador do Brasil junto a Santa Sé, Almir Barbuda.
A organização da Jornada trabalhará com a estrutura de lotes e ruas, que contarão com ilhas de serviço para apoiar os peregrinos. Estes locais contarão com banheiros, postos médicos, alimentação, tendas de adoração, torre de segurança, telões e bebedouros.
Ainda de acordo com a organização, o planejamento para o acesso ao terreno estuda duas possibilidades: a chegada a pé, a partir de pontos de desembarque, por três opções de trajetos, de cerca de 13 quilômetros cada; e a saída por meio de um sistema de shuttle, que é um serviço de transporte especial.

Papa pede mais terapias anti-AIDS para crianças pobres do mundo


Da Redação, com Rádio Vaticano


Após a catequese desta quarta-feira, 28, o Papa Bento XVI recordou que neste sábado, 1º, celebra-se o Dia Mundial de Combate à AIDS. O Papa lamentou as dificuldades de acesso destes povos a medicamentos eficazes.

Ele citou ainda “as crianças que contraem o vírus de suas próprias mães, não obstante existam terapias para impedi-lo”. O Santo Padre encorajou as diferentes iniciativas promovidas no âmbito da missão da Igreja para vencer este problema.

A data comemorativa de sábado é uma iniciativa das Nações Unidas para chamar a atenção para esta doença que causou milhões de mortes e trágicos sofrimentos humanos, ainda mais acentuados nos países mais pobres do mundo. 

Bento XVI receberá grupo de artistas itinerantes



Da Redação, com Rádio Vaticano


Arquivo
O Papa Bento XVI receberá o grupo de diversos artistas no sábado, 1º
Já começaram a chegar a Roma alguns dos 7 mil artistas circenses que vão participar de um encontro de dois dias para celebrar os 25 anos da Fundação Migrantes. Promovido pelo Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, o primeiro evento da programação será na tarde de sexta-feira, 30, na Basílica Vaticana.

Na noite de sexta-feira, 30, a célebre Praça do Povo será palco de um show de maestria destes artistas. No dia seguinte, farão uma caminhada até o Vaticano, onde serão recebidos pelo Papa Bento XVI às 11h.

Circenses, feirantes, artistas de rua, bandas musicais, imitadores, malabaristas, enfim, protagonistas do “espetáculo itinerante”, se reunirão na capital italiana para dar um testemunho dos valores que divulgam todos os dias pelo mundo afora, alimentados pela fé.

O Presidente do Pontifício Conselho da Pastoral para os Migrantes e Itinerantes, Cardeal Antonio Maria Vegliò, explicou que esta iniciativa nasceu do desejo destes artistas de renovarem seu entusiasmo, junto ao túmulo de São Pedro, e expressar sua fidelidade ao Papa. “Eles querem participar com mais vigor da missão da Igreja, e Bento XVI está feliz em recebê-los” – garante.

Estima-se que somente na Europa, existam de 600 a mil circos, e no mundo inteiro, milhões de trabalhadores do espetáculo itinerante, sejam circos ou parques de diversões, sejam viajantes ou sazonais. Dom Veglió recordou que justamente por ter um gênero ‘popular’, esta arte é parte integrante de nossas sociedades: é um patrimônio cultural.

Em entrevista ao kornal vaticano L’Osservatore Romano, o Cardeal ressaltou a audiência com o Papa: “um fato excepcional, histórico”, que confirma a atenção da Igreja, um sinal de respeito e apreço pelo valor social, cultural e artístico que esta realidade oferece à humanidade. “O encontro com Bento XVI será uma ocasião para estimular a pastoral em favor desta “grande família”; e uma prova de que a missão da Igreja realmente é para todos, sem distinções”.

Bento XVI terá conta oficial no twitter, confirma Santa Sé


Bento XVI terá conta oficial no twitter, confirma Santa Sé

A Santa Sé anunciou nesta terça-feira, 27, que o Papa Bento XVI terá uma conta oficial no twitter.

O lançamento será na segunda-feira, 3 de dezembro, às 11h30, (8h30 – horário de Brasília) na Sala de Imprensa da Santa Sé. Na Coletiva, também serão apresentadas informações sobre o uso de novas mídias pelo Vaticano.

Participarão da apresentação o Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli; o Secretário do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Monsenhor Paul Tighe; o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Rádio Vaticano e Centro Televisivo Vaticano, Padre Federico Lombardi; o Diretor do jornal L’Osservatore Romano, Professor Gian Maria Vian; o consultor para a comunicação da Secretaria de Estado, Doutor Greg Burke.

Fonte: Canção Nova
Bento XVI terá conta oficial no twitter, confirma Santa Sé

A Santa Sé anunciou nesta terça-feira, 27, que o Papa Bento XVI terá uma conta oficial no twitter.

O lançamento será na segunda-feira, 3 de dezembro, às 11h30, (8h30 – horário de Brasília) na Sala de Imprensa da Santa Sé. Na Coletiva, também serão apresentadas informações sobre o uso de novas mídias pelo Vaticano.

Participarão da apresentação o Presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli; o Secretário do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Monsenhor Paul Tighe; o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Rádio Vaticano e Centro Televisivo Vaticano, Padre Federico Lombardi; o Diretor do jornal L’Osservatore Romano, Professor Gian Maria Vian; o consultor para a comunicação da Secretaria de Estado, Doutor Greg Burke.

Fonte: Canção Nova

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Cardeal cubano: "Fé deve caminhar ao lado da razão"



“Esta é a nossa fé” é o título da carta pastoral do Cardeal Jaime Ortega Alamino, Arcebispo de Havana, para o Ano da Fé, em que reflete sobre as necessidades neste momento da história de Cuba, abordando o tema da fé do povo em Cristo.

A carta foi lida aos fiéis durante a celebração eucarística de abertura do Ano da Fé, na Catedral de Havana. No texto o cardeal cubano analisa algumas causas da atual crise ética no mundo, assinalando que diante da ausência de referências a Deus, o homem de hoje se encontra só, diante de sua consciência e em meio a um mundo deturpado pelo relativismo. 

O cardeal insiste na necessidade de que a fé seja acompanhada pela razão, pois caso contrário, seria um “fideísmo voluntário”, o que se vê hoje em grupos que utilizam a religião para encorajar a violência e o terror, ou em seitas fanáticas. 

Em Cuba, onde a fé em Jesus Cristo foi perseguida e silenciada – escreve o arcebispo de Havana – é importante para o cubano, que vive em meio à incerteza e à frustração, poder realizar o encontro com Deus. “O papel do cristianismo é fazer com que o homem e a mulher alcancem a felicidade pessoal e contribuam para edificar um mundo integralmente melhor”. 

Dom Jaime Ortega encoraja os fiéis a empreender a Nova Evangelização, “dirigida aos católicos de todas as comunidades” e recorda que “o encontro com Jesus é sempre transformador, já que a pessoa muda de perspectiva e de mentalidade, para renascer”.

Fonte: Rádio Vaticano

Nomeação e transferência na Diocese de Pesqueira



Por ocasião da reunião do Clero, realizada no dia 22 de novembro, em Pesqueira, Dom José Luiz Salles oficializou para o presbitério as novas nomeações e transferências feitas na diocese. Foram elas:

NOMEAÇÕES

- Vigário Geral: Pe. Eduardo Valença
- Moderador da Cúria: Pe. Fábio Pereira dos Santos
- Ecônomo: Pe. José Luiz Gomes
- Promotor Vocacional: Pe. Luiz Benevaldo dos Santos
- Formadores do Seminário Propedêutico: Pe. Eduardo Valença e Pe. José Gomes
- Formador de Filosofia e Teologia: Pe. Severino Ézio de Melo
- Diretor Espiritual do Seminário Propedêutico: Pe. Marconni José Barbosa
- Diretor Espiritual de Filosofia e Teologia: Pe. Danilo Soares de Sousa
- Coordenador de Pastoral: Pe. Samuel Briano dos Santos

TRANSFERÊNCIAS

- Pe Allan de Lima Sobral – Pároco de São Sebastião (Jataúba)
- Pe. Luiz Carlos Fires Diniz – Vigário Paroquial da Área Pastoral Serra dos Ventos (Belo Jardim)
- Pe. José Luiz Gomes da Silva – Pároco de São Pedro (Belo Jardim)
- Pe. Eliseu Francisco dos Santos – Vigário Paroquial de São Pedro
- Pe. Samuel Briano dos Santos – Pároco de Cristo Rei
- Pe. Adjailson Araújo dos Santos – Pároco de N. Sra. Da Conceição – Sertânia
- Pe. Jailson José – Administrador Paroquial de São José – Cruzeiro do Nordeste
- Pe. Edson Rodrigues – Área Pastoral Santo Antonio – Serra das Varas – Arcoverde, em vista da expansão do serviço da Pascom e da Rádio Diocesana
- Pe. Luiz Benevaldo dos Santos – Vigário Paroquial de São Félix – Buíque
- Pe. Pedro Monteiro – Pároco de São Cristovão – Arcoverde

As referidas posses deverão acontecer em janeiro indo até o dia 10 fevereiro.

Fonte: Pascom Diocese de Pesqueira  
            Pe. Edson Rodrigues 

Diocese de Pesqueira divulga nota de solidariedade em vista da seca



A Diocese de Pesqueira, reunindo seu Clero na última quinta-feira incluiu em sua pauta uma análise da situação de suas paróquias e comunidades procurando ver as conseqüências da seca que assola toda a região, bem como as realidades de sofrimento e dor dos diocesanos, em vista de ações concretas em busca de amenizar este sofrimento.

Como fruto da reflexão, mediante as graves atitudes de esbanjamento do dinheiro público e privado com festas e comemorações, bem como as festas de padroeiro e a situação das queimadas, a Diocese emitiu a nota a seguir como alerta e preocupação para com essas realidades.

Leia abaixo a íntegra da nota elaborada pelo clero e assinada pelo Bispo Diocesano, Vigário Geral, Moderador da Cúria e Representante do Clero Diocesano.

NOTA DE SOLIDARIEDADE

“Eu ouvi o clamor do meu povo” (Ex 3,7)

Nós que fazemos a Diocese de Pesqueira, a saber: Bispo Diocesano, Sacerdotes, Religiosos e Religiosas, Pastorais e Organismos Sociais, Movimentos de Evangelização, preocupados com a seca que assola, mais uma vez, o semiárido pernambucano e todo o sertão nordestino, realidade que tem vitimado a muitos em nosso meio, vimos por meio desta manifestar a nossa sensibilidade e preocupação para com o agravamento da fome e miséria que assolam o nosso povo nos últimos tempos gerando uma situação de calamidade pública.

Movidos pela Palavra de Deus – “Eu ouvi os clamores do meu povo” (Ex 3,7) - e pelos ensinamentos da Doutrina Social da Igreja, vivenciando os propósitos do Ano da Fé que nos convidam a  transformar em ações concretas o que cremos, reiteramos:
1º - A nossa preocupação e o nosso apelo para que os governantes eleitos, em vista da proximidade da data de suas posses, ocasião para a realização de eventos festivos nos quais são gastas altas quantias em detrimento do sofrimento do nosso povo, possam fazer uso do bom senso e da coerência, exigências básicas para bem governar, revertendo esses gastos em favor de iniciativas outras que visem amenizar a triste e cruel realidade de fome que ora maltrata os nossos irmãos e irmãs na cidade e no campo;
2º - O compromisso que ora assumimos de fazer de nossas festas de padroeiros(as) ocasiões onde não só sejam evitados os gastos com eventos festivos onerosos, mas também sejam as mesmas festas oportunidades para despertar em todos o senso de solidariedade e abertura de coração, no testemunho de amor e acolhida aos que mais sofrem, como expressão legítima da autêntica caridade. 
3º - A nossa preocupação neste período de estiagem para que sejam evitadas queimadas que em nada contribuem para a agricultura e que causam graves prejuízos ao meio ambiente.
 4º - O nosso desejo de que toda e qualquer forma de esbanjamento seja interpretada, sobretudo nesta difícil época, como um contra testemunho aos apelos da fé que nos convida, diante da nossa realidade, a termos os olhos fixos em Jesus Cristo presente na pessoa dos mais pobres e mais sofridos – “Todas as vezes que fizestes o bem a um desses pequeninos, foi a mim que o fizestes” (Mt. 25,40). É hora de sensibilidade, tomada de consciência da realidade e busca de soluções concretas em favor de quem mais sofre. 

Imbuídos desses sentimentos, deixamos aqui expressos o nosso alerta e a nossa inquietação, ao passo em que conclamamos a todos para que tenhamos no coração os mesmos sentimentos de Jesus, nosso Mestre e Senhor, e vejamos, a partir de nossas atitudes de comunhão e partilha, o surgimento de um “novo céu e uma nova terra”.

Pesqueira, 22 de novembro de 2012.

Dom José Luiz Ferreira Salles, CSsR 
Bispo Diocesano

Pe. Eduardo de Freitas Valença
Vigário Geral

Pe. Fábio Pereira dos Santos
Moderador da Cúria

Pe. Marconni José Barbosa
Representante do Clero Diocesano

Fonte: Pascom da Diocese de Pesqueira 
             Padre Edson Rodrigues

Padre sugere metodologias para aprofundar a fé


André Luiz
Da Redação


Montagem sobre fotos / arquivo
“A fé é um ato livre, é um ato plenamente pessoal. Por isso mesmo envolve o conhecimento dos conteúdos da fé", diz Padre Antônio
“O Ano da Fé deverá exprimir um esforço generalizado em prol da redescoberta e do estudo dos conteúdos fundamentais da fé, que têm no Catecismo da Igreja Católica a sua síntese sistemática e orgânica”, disse o Papa Bento XVI, na Carta Apostólica Porta Fidei, pela qual proclamou o Ano da Fé.
Rodeados de intenções, propostas e desafios, dois verbos se destacam no contexto do Ano da Fé: redescobrir e estudar. Estas são as duas ações que a Igreja Católica pretende desenvolver neste ano cujo o eixo central é a Fé.
“A Porta da Fé está aberta a todos”, disse o Papa, mas todos estão dispostos a entrar por ela? Esta Porta que introduz os fiéis na comunhão com Deus não é uma porta alargada, mas, estreita. Talvez seja por isso que Bento XVI denominou o processo de conhecimento da fé como um “esforço generalizado”, ou seja, não basta crer, é preciso se esforçar para conhecer e, então, crer melhor.
Os atos de “redescobrir e estudar” conclamam uma corajosa e disposta atitude para uma empreitada de trabalhos em prol de uma fé madura e fundamentada.
Mas, por que é tão importante conhecer a Fé? Não bastaria apenas crer em Deus? 
De acordo com o Padre Antônio Luiz Catelan Ferreira, Assessor da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), conhecer a fé é a base de tudo. “A fé é um ato livre, é um ato plenamente pessoal. Por isso mesmo envolve o conhecimento dos conteúdos da fé. Faz parte da própria estrutura do ato de fé buscar a compreensão daquilo que se crê.
O padre afirma que o conhecimento da fé não se trata de uma escolha aleatória ou algo que se acrescenta à vida do cristão, antes, é algo que está nos fundamentos do ato de crer. Do contrário, segundo Padre Antônio, a fé sofreria um esvaziamento, sem chegar à sua totalidade.
O fiel que procura conhecer melhor a fé gera em si mesmo o aumento do amor por Deus, diz o padre. Quanto mais se conhece a fé, mais se conhece Deus e esse conhecimento produz o desejo de estar cada vez mais unido a Ele. O fato de não conhecer a fé pode frear a sua dinamização própria, ou seja, pode limitá-la aos conhecimentos kerigmáticos que o fiel tem de Deus. 
Metodologias de estudo
Considerando a necessidade de estudar a fé, com o mesmo ou maior empenho com que se estuda outros conteúdos nas escolas e universidades, a Igreja oferece meios para que esse trabalho se desenvolva. De acordo com padre Antônio, nas paróquias e dioceses concentram-se as principais formas e metodologias para o estudo da fé. Aqueles que querem ingressar nesta “escola da fé” precisam ficar atentos às formações que acontecem nas Igrejas locais.
Com frequência, são promovidos Círculos Bíblicos, cursos de Teologia para leigos, encontros de formação, Escolas Bíblicas dentre outros eventos. Pode-se ainda contar com leigos que, preparados pela diocese, podem trabalhar na formação dos demais fiéis.
Os meios de comunicação também são uma alternativa para potencializar o processo de formação. Há TV’s, rádios e sites na internet que disponibilizam conteúdo formativo, de cunho doutrinal, eclesial, litúrgico, bíblico e que podem somar aos esforços das Igrejas locais na formação dos fiéis.
Outra dica de padre Antônio é a elaboração de uma “escola da fé”, ou seja, encontros onde se possa estudar o Catecismo e a Bíblia de forma conjunta, mesclando o conteúdo dos dois elementos, sem criar oposição entre eles.
Mas, o padre lembra: “é preciso cuidar desses cursos para que haja sempre uma maneira eclesial de ler a Palavra de Deus. Que sejam cursos em que a palavra do Magistério seja acolhida com integridade e sem suspeitas.”Material de estudo
A Bíblia e o Catecismo Católico são os principais materiais de estudo recomendados pela Igreja para aqueles que almejam corresponder ao apelo do Papa, neste Ano da Fé. Porém, padre Antônio recomenda ainda como fonte de conhecimento da fé os documentos do Concílio Vaticano II e do Magistério, além dos conteúdos sobre a História da Igreja Católica.
Com os avanços das novas tecnologias, tornou-se acessível a todos estes materiais. No site do Vaticano (www.vatican.va) pode-se encontrar um arsenal de textos e documentos oficiais que irão auxiliar nos estudos. OCatecismo da Igreja Católica (CIC) está disponível pela internet e em muitas livrarias católicas. Além disso, o Catecismo conta com uma versão jovem do seu conteúdo: o YouCat, um presente de Bento XVI aos jovens com uma linguagem adequada a eles. Portanto, não ter acesso aos materiais não servirá de pretexto para quem quer conhecer melhor a Fé. 

Pastoral Carcerária realiza Assembleia Nacional em Brasília

PastoralCarceraria2012b
Os coordenadores e vice-coordenadores estaduais da Pastoral Carcerária reuniram-se no último final de semana (23 e 26/11) em Brasília (DF) para um Encontro Nacional, que teve como tema: “Qualificar e organizar a Pastoral Carcerária em busca da dignidade e da paz” com o lema iluminador “Eu vi, ouvi e desci para libertar meu povo”.

A assessoria do evento foi de Lourival Rodrigues da Silva, Mestre em Ciências da Religião e que atua na Casa da Juventude de Goiânia. Baseado num trabalho prévio de resgate da historia e da caminhada da Pastoral, o Encontro teve como objetivo geral rever e dar continuidade à sua proposta de Formação e Organização, considerando sua identidade, missão e objetivos para possibilitar uma evangelização que promova a dignidade, a vida, a cidadania e os direitos humanos da pessoa encarcerada.

A partilha das experiências de vida, o debate das grandes linhas mestras da Pastoral Carcerária, os levantamentos das prioridades para a ação pastoral levaram os presentes a denunciar numa carta aberta alguns fatos preocupantes para a vida futura do povo brasileiro, como a volta do militarismo e o fantasma da soberania nacional; o investimento nas obras da copa acompanhado pela limpeza étnica e o encarceramento em massa; a construção de novos presídios em detrimento das políticas sociais; o aumento da tortura e a impunidade dos torturadores; a ineficácia do ministério público, da defensoria e a prevalência do interesse político partidário acima do bem público.

“A conclusão destes dias os participantes voltam para seus respectivos estados reanimados para continuar a caminhada e renovando o compromisso de serviço aos mais pobres entre os pobres e aos mais excluídos entre os excluídos”, afirma padre Gianfranco Graziola, coordenador da Macro Região Norte da Pastoral Carcerária.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Papa aos novos cardeais: "A Igreja é católica porque Cristo abraça toda a humanidade"


consistrionovembro2012Bento XVI presidiu no sábado, 24 de novembro, a celebração do Consistório, na Basílica de São Pedro, em que criou seis novos cardeais.
São eles: dom James Michael Harvey, prefeito da Casa Pontifícia, que Bento XVI nomeou arcipreste da Basílica Papal de São Paulo Fora dos Muros; Sua Beatitude Béchara Boutros Raï, patriarca de Antioquia dos Maronitas (Líbano); Sua Beatitude Baselios Cleemis Thottunkal, arcebispo-mor de Trivandrum dos Sírios-Malancareses (Índia); dom John Olorunfemi Onaiyekan, arcebispo de Abuja (Nigéria); dom Rubén Salazar Gómez, arcebispo de Bogotá (Colômbia) e dom Luis Antonio Tagle, arcebispo de Manila (Filipinas).
Em sua fala, o Papa se deteve sobre o significado do termo católica, que indica um traço essencial da Igreja e da sua missão. “É Cristo que, pelo Espírito Santo, concede à sua Igreja que seja una, santa, católica e apostólica, e é ainda Ele que a chama a realizar cada uma destas qualidades. No nosso caso específico, a Igreja é católica, porque Cristo, na sua missão de salvação, abraça toda a humanidade", disse Bento XVI.
O Papa continuou: "Jesus envia a sua Igreja, não a um grupo, mas à totalidade do gênero humano para, na fé, o reunir num único povo a fim de o salvar, como justamente se exprime o Concílio Vaticano II na Constituição dogmática Lumen gentium - Ao novo Povo de Deus todos os homens são chamados. Este caráter universal aparece claramente no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo cumula da sua presença a primeira comunidade cristã, para que o Evangelho se estenda a todas as nações e faça crescer em todos os povos o único Povo de Deus", frisou o Santo Padre.
"No sulco e na perspectiva da unidade e universalidade da Igreja, situa-se também o Colégio Cardinalício: este apresenta uma variedade de rostos, dado que exprime o rosto da Igreja universal. Desejo, com este Consistório, pôr em evidência de modo particular que a Igreja é Igreja de todos os povos, e por conseguinte exprime-se nas várias culturas dos diversos Continentes. É a Igreja de Pentecostes, que, na polifonia das vozes, ergue um canto único e harmonioso ao Deus vivo", destacou o pontífice.
"Os novos Cardeais, que representam várias dioceses do mundo, ficam a partir de hoje agregados, a título muito especial, à Igreja de Roma e reforçam assim os laços espirituais que unem a Igreja inteira, vivificada por Cristo e cerrada em torno do Sucessor de Pedro. Ao mesmo tempo, o rito de hoje exprime o valor supremo da fidelidade", sublinhou ainda Bento XVI.
"Daqui para diante estareis unidos de forma ainda mais estreita e íntima com a Sé de Pedro: Especialmente através da vossa colaboração com os Dicastérios da Cúria Romana, sereis meus preciosos cooperadores antes de tudo no ministério apostólico a favor da catolicidade inteira, como Pastor de todo o rebanho de Cristo e primeiro garante da doutrina, da disciplina e da moral", frisou o Papa.
"Confiamos ao Senhor o novo serviço eclesial destes prezados e venerados Irmãos, para que possam prestar corajoso testemunho de Cristo, com o dinamismo edificante da fé e o sinal de um incessante amor oblativo", concluiu Bento XVI.

Projeto Missão Continental propõe Paróquia Missionária


1missaocontinental2012CCMO 3º Encontro Nacional da Missão Continental encerrou seus trabalhos nesta sexta-feira, 23 de novembro, com propostas para intensificar a animação missionária na Igreja local. O evento organizado pela Comissão Episcopal Pastoral para Ação Missionária e a Cooperação Intereclesial, da CNBB, em parceria com o Centro Cultural Missionário (CCM) e as Pontifícias Obras Missionárias (POM) reuniu, desde o dia 19, em Brasília, 60 pessoas de todo o país para refletir sobre a paróquia em estado permanente de missão.
As contribuições dos assessores motivaram propostas para dinamizar a evangelização no interior das paroquiais e lançar a comunidade na missão além-fronteiras. Criar e fortalecer os Conselhos Missionários Paroquiais e Diocesanos (COMIPAs e COMIDIs), realizar as Santas Missões Populares e outras experiências semelhantes, planejar a pastoral de conjunto e implementar a setorização das paróquias, foram algumas das propostas indicadas.
Outra preocupação é a formação missionária das lideranças para que as paróquias se abram à missão além-fronteiras de forma organizada e articulada.
pesidneimissaocontinentalSegundo padre Sidnei Ferreira, assessor da CNBB para a Missão Continental, este 3º Encontro deu um salto de qualidade nos trabalhos. “Conseguimos reunir representantes de todos os Regionais da CNBB. Com isso, além de realizarmos reuniões com os bispos da Comissão fizemos um encontro de partilha com representantes dos Regionais o que nos deu uma ideia geral do trabalho em todo o Brasil”, avaliou.
O assessor destacou ainda a importância da paróquia missionária. “Com relação a esse tema existe uma sensibilidade muito grande nas igrejas locais. Dioceses como Vitória da Conquista (BA), Itapetininga (SP) e Toledo (PR), por exemplo, enviaram vários representantes pensando em como implantar a paróquia missionária dentro do Plano Pastoral da diocese”.
Para dom Adriano Ciocca Vasino, bispo da prelazia de São Félix (MT), a cada encontro realizado se evidenciam com maior clareza os objetivos, os meios e os métodos da Nova Evangelização. O bispo destaca ainda o envolvimento das dioceses no compromisso missionário. “O encontro foi muito positivo com muita participação e partilha de experiências. Creio que é necessário continuar a traduzir as ideias em práticas para que as dioceses assumam esse rosto missionário. A colaboração entre as POM, o CCM e a Comissão para a Missão da CNBB é um testemunho de comunhão. Parece uma equipe só trabalhando em setores diferentes. Precisamos fortalecer essa comunhão”, sublinhou.
Rosângela de Souza Urt representou o Regional Oeste 1 da CNBB (Mato Grosso do Sul) onde coordena o COMIRE. “O Encontro ajudou a esclarecer sobre o que é a Missão Continental. Vimos como trabalhar esse projeto em todos os âmbitos, principalmente na paróquia. Estou voltando para o meu regional entusiasmada”, destacou.
Padre Guido Labonté explicou que na arquidiocese de Manaus (AM), em 2010, realizou um Ano Missionário com várias iniciativas de evangelização. “Trabalhamos com o conhecido método Ver, Julgar e Agir. Primeiro procuramos entender o que é Missão, depois veio o tempo da análise e em seguida, do agir que foi o Congresso Missionário”. Em nível regional, padre Guido informou que algumas Prelazias priorizaram o trabalho nas comunidades ribeirinhas. As comunidades do centro urbano enviam pessoal para acompanhar essas comunidades do interior.
O próximo Encontro Nacional da Missão Continental está programado para o mês de setembro de 2013.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Comissão Brasileira Justiça e Paz promove 1º Fórum de Saúde do DF


membros_forum_saudeO Observatório da Saúde da Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP), o Fórum de Saúde do Distrito Federal e a Fiocruz, realizarão no auditório desta fundação, dia 23 de novembro das 08h às 17h, o 1º Fórum de Saúde do DF. O fórum tem o objetivo de discutir temas relacionados à organização do serviço de saúde pública.
Um dos principais temas que serão abordados na reunião trata  do serviço de saúde com foco no ‘nível primário de atenção’ ou ‘atenção primária à saúde’. Este nível se caracteriza como a primeira atenção que a população recebe, e compreende-se como ações de promoção da saúde, prevenção de doenças, ou agravos em doenças pré-existentes. Sendo os responsáveis pelo atendimento deste nível os postos de saúde e Unidades Básicas de Saúde. A ideia é humanizar a relação do morador com os profissionais de saúde da comunidade.
“Nós entendemos que é preciso fazer uma avaliação urgente dos serviços de saúde, que não podem continuar centrados apenas no ambiente hospitalar. Esse serviço precisa se espraiar para a população através da atenção básica ou atenção primária. O fórum vai procurar, na sua temática, discutir esses aspectos”, esclarece o coordenador do Observatório da Saúde da CBJP, o cardiologista Geniberto Paiva Campos.
Na oportunidade, estará presente o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Ulrich Steiner, que, como expositor, tratará do tema ‘Desenvolvimento Brasileiro e o Sistema de Saúde’. A o todo serão 12 conferencistas, entre renomados especialistas em saúde publica, profissionais de saúde, bem como a comunidade acadêmica, que se dedicarão no evento às temáticas: o acesso aos serviços de saúde com foco na atenção primária; o financiamento dos serviços, a relação público & privado no Brasil atual e os recursos humanos em saúde.
De acordo com o coordenador do fórum de Saúde do distrito federal, o doutor em saúde pública, Vitor Gomes Pinto, o evento será suprapartidário. “O fórum é livre, ninguém estará defendendo posições específicas e não haverá nenhum direcionamento de opiniões”, informa o coordenador.
Doutor Vitor Gomes esclarece como será abordada a questão da atenção primária. “Vamos tentar discutir a temática dentro do que acontece em Brasília, e nas cidades-satélites. Será a tentativa de explicar que as questões relacionadas à saúde se resolvem em um nível básico, não dentro dos hospitais, a atenção terciária. Vamos debater como é que isso pode ser estruturado”, afirma.

Bispos e formadores de seminário discutem ênfase na formação missionária dos futuros padres


1bisposeformadoresUm grupo de bispos e formadores de seminário reflete a seguinte situação: não dá mais para formar padres que não sejam missionários. O encontro, que teve início no dia 19 e encerra nesta quinta-feira, 22, acontece no Instituto São Boaventura, em Brasília. É Organizado pelas Comissões Episcopais Pastorais para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada e para Ação Missionária com o apoio das Pontifícias Obras Missionárias (POM), Centro Cultural Missionário (CCM) e Comissão para a Amazônia da CNBB.
O ponto de partida da reflexão é o documento 93 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Diretrizes para a Formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil que exorta os futuros presbíteros a serem exímios pastores, ou seja, devem saber cuidar do Povo de Deus. Outra questão em destaque é o cuidado quanto ao equilíbrio das cinco áreas integradas da formação sacerdotal.
Dom Pedro Brito Guimarães, presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada e arcebispo de Palmas (TO), explica o teor da reunião. “Tão importante quanto as dimensões intelectual, espiritual, humano-afetiva e comunitária, na formação dos futuros padres, é a pastoral missionária. Porém, esta sempre sofre um desequilíbrio com relação às outras. Acontece de ficar para os fins de semana e para as férias, quando acontecem. Nós aqui reunidos insistimos  para que exista um equilíbrio entre as cinco dimensões formativas para que tenhamos bons pastores missionários”, enfatizou o arcebispo, que completou. “Fundamentalmente a dimensão pastoral missionária é a alma do apostolado. Ela puxa e disciplina as outras dimensões”.
Durante o encontro, o seminarista arquidiocesano de Ponta Grossa (PR) Wilson Santos Morais, que cursa o terceiro ano de teologia, relatou a sua experiência em missão na diocese de Santarém (PA). “Participei da Experiência Missionária de Santarém entre 2009 e 2010 e foi um momento marcante para a minha formação. Percebo que hoje temos uma mudança de mentalidade quanto ao ser padre. Esse encontro para refletir sobre a formação missionária dos futuros sacerdotes é positiva porque estamos fazendo isso a partir da base, dialogando com os seminaristas”.
O arcebispo de Porto Velho (RO) dom Esmeraldo Barreto de Farias, que também participou do encontro disse que a reflexão “fundamenta toda a necessidade da experiência missionária na formação dos futuros presbíteros, para que desde já, eles possam dizer: nós somos preparados para a missão e estamos conscientes de que não existe outro modo de exercer a Palavra de Deus senão pelo modo missionário”. De acordo com o arcebispo, as redes devem ser lançadas hoje na “realidade urbana, rural, dos jovens, das famílias, e em todos os ambientes que nos desafiam”.
A Missão na Prática
Padre Alaelson Sousa de Lima, formador do Seminário São Pio X (Filosofia e Teologia) na diocese de Santarém (PA) e coordenador dos trabalhos da Experiência Missionária que vai para sua sexta edição, a partir do próximo mês de dezembro, aposta neste modelo de formação para seminaristas. “É um modo envolvente que colabora na formação missionária dos futuros padres. Na Experiência eles mergulham na realidade das comunidades, sentem como é a vida do nosso povo e isso ajuda bastante. Para este ano as pessoas já estão na expectativa em Santarém. Vamos receber muitos missionários de fora”, contou.
O bispo de Goiás (GO), dom Eugênio Rixen, já participou da Experiência Missionária de Santarém e concorda com o modelo formativo de missão feito na prática. “É no contato que os seminaristas fazem uma experiência mais profunda em Jesus Cristo e entendem melhor a Palavra de Deus. O contato com a realidade também ajuda nos estudos e dá sentido à vocação”.
Critérios de ordenação
Segundo dom Pedro Brito, as discussões feitas na reunião dos bispos e formadores de seminário não devem se esgotar hoje, quando termina o encontro. Ele disse que a Comissão para os Ministérios Ordenados sempre tem pautado a CNBB quanto à importância da questão. “Na Assembleia Geral da CNBB sempre tocamos no assunto ‘critérios de ordenação presbiteral’. Não podemos deixar de insistir que só devem ser ordenadas pessoas que não pairam dúvida nenhuma quanto à sua idoneidade em todos os campos formativos, inclusive no campo da pastoral e da missionariedade”.
Ainda nesta quinta-feira, a reunião acolhe representantes da OSIB (Organização dos Seminários e Institutos do Brasil) para tratar de um seminário que deve acontecer em 2014 sobre a formação presbiteral no Brasil. Na próxima Assembleia Geral da CNBB, antecipou dom Pedro, “vamos passar ao episcopado brasileiro nossa preocupação sobre os critérios de ordenação e queremos anunciar o seminário que deve pautar a formação dos padres no conjunto das cinco dimensões formativas”.

Bispos do Regional Nordeste 4 realizam visita ao Santuário de Fátima no Ceará


ano_fe_fatima5Membros do Episcopado do Regional Nordeste 4 da CNBB (Piauí), estão reunidos desde segunda-feira, dia 19 de novembro, durante a tradicional viagem dos bispos, realizadas todos os anos no mês de novembro. A viagem teve início pela Serra do Ibiapaba, Ceará, visitando o Santuário de Fátima na Paróquia São Benedito, onde foram acolhidos por dom Francisco Javier Hernández Arnedo, bispo de Tianguá, e pelo padre Antônio Irineu, Reitor do Santuário.
Na terça-feira, dia 20, os bispos participaram da Santa Missa no Santuário, que foi presidida por dom Juarez Silva, bispo de Oeiras, se dirigiu aos presentes e a todos os fiéis do estado do Piauí, que na oportunidade assistiam à Celebração Eucarística através da Web TV Maria Mãe de Deus.
Ainda na cidade de São Benedito, os bispos visitaram uma empresa produtora de rosas, em seguida foram ao Mosteiro Nossa Senhora de Guadalupe (Monjas Contemplativas Agostinianas Recoletas) em Guaraciaba. E finalizaram a visita na Pousada de Inhuçu, onde dom Javier ofereceu o almoço de confraternização.
Dom Alfredo Schaffler, bispo de Parnaíba e presidente do Regional Nordeste 4, agradeceu pela calorosa acolhida em nome de todos os bispos do Piauí. "Queremos agradecer a acolhida que nos foi dispensada neste belíssimo Santuário, lugar que convida a contemplação, a oração, para louvar a Deus por tantos benefícios que todos nós recebemos ao longo de nossa vida. Agradecemos ao padre Antônio e a dom Javier pela acolhida", disse.
Do Ceará os bispos seguiram viagem para Parnaíba (PI), onde permanecerão reunidos até hoje, sexta-feira, dia 23 de novembro, avaliando a caminhada pastoral do Regional ao longo do ano e planejando as atividades para 2013.
Bispos celebram a abertura do Ano da Fé na Paróquia de Fátima em Parnaíba
Reunidos na cidade de Parnaíba, o bispos do Regional celebram na última quarta-feira, dia 22 de novembro, a abertura do Ano da Fé, na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, localizada no Conjunto Habitacional Joaz Souza.
Entre as atividades apresentadas estão às ações realizadas pelas dioceses Piauí para ajudar a população que sofre com a seca, como os seminários, fóruns, caminhadas e manifestos, além de doações e projetos de convivência com o semiárido.

Festival de Sorvete - Pátio da Catedral (Caruaru)


12683 121686634656571 1919743678 n

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

É necessário reeducar e reabilitar os presos, afirmou Bento XVI


André Luiz
Da Redação


news.va
“Onde existe confiança na possibilidade de renovação, a prisão pode desempenhar sua função re-educacional," diz Bento XVI
Nesta quinta-feira, 22, o Papa Bento XVI, falou aos participantes da 17ª Conferência dos Diretores das Administrações Penitenciárias do Conselho da Europa, em audiência na Sala Clementina, no Vaticano.
Acesse
.:NA ÍNTEGRA: Discurso do Papa aos Diretores das Administrações Penitenciárias da Europa
O papa iniciou seu discurso felicitando os participantes da Conferência e cumprimentando o Ministro da Justiça do Governo Italiano, professor Paola Severino e a Secretária-geral Adjunta do Conselho da Europa, dra. Gabriela Battaini-Dragoni.
Bento XVI ressaltou em todo o discurso a necessidade de repensar a forma como as penas são aplicadas àqueles que estão presos.  Para o Papa, a aplicação das penas deve ter uma atenção especial e, ao lado do parâmetro da justiça, outro elemento essencial, deve ser o respeito à dignidade humana e aos direitos humanos.
O Pontífice acredita que são necessários constantes esforços para que o detento seja reabilitado e reeducado para o convívio social sadio, não bastando somente sua detenção.
“A necessidade pessoal do preso submeter-se na prisão a um processo de reabilitação e maturação é, de fato, uma necessidade da própria sociedade, tanto para recuperar alguém que possa dar uma contribuição útil para a sociedade e também porque um tal processo torna o prisioneiro menos suscetível de reincidência e assim colocar em perigo a sociedade,” disse Bento XVI.
Para o papa, esse processo de reeducação é tão importante quanto a aplicação da justiça humana sobre aqueles que comentem algum tipo de crime. “O propósito da reeducação da sentença deve ser considerada não como um aspecto auxiliar ou secundário do sistema penal, mas como sua característica culminante e definidora”
Ao mesmo tempo, Bento XVI não dispensou a responsabilidade do detento em se comprometer com a sua reabilitação. “É essencial que o papel das instituições prisionais e pessoal seja correspondido por uma disposição correspondente por parte do preso ao passar por um período de formação,” reforçou o Santo Padre.
Encerrando, o Papa reafirmou a necessidade da reeducação do prisioneiro, dizendo que “onde existe confiança na possibilidade de renovação, a prisão pode desempenhar sua função reeducacional."
Por fim, Bento XVI homenageou todos aqueles que na administração penitenciária desempenham suas funções com zelo e dedicação. Disse ainda que essas pessoas devem trazer em si a mentalidade do próprio Cristo que veio para salvar não os justos, mas o pecadores.

Missionários estrangeiros visitam sede da CNBB


Cenfi109CNBB
Os participantes da 108ª edição do Curso de Iniciação à Missão no Brasil (Cenfi), promovido pelo Centro Cultural Missionário visitaram, na tarde desta quinta-feira, 22 de novembro, a sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF). Foram acolhidos por dom Esmeraldo Barreto de Farias, arcebispo de Porto Velho (RO) e membro da Comissão Episcopal para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada.

O subsecretário adjunto de pastoral da CNBB, Pe. Francisco Wloch, apresentou a estrutura de funcionamento da entidade e a ação da Igreja no Brasil. Inspirado na Evangelii Nuntiandi, do papa Paulo VI, disse aos visitantes que, como missionários, somos chamados a atingir e modificar a realidade que está em contraste com a proposta do Reino de Deus. Em seguida, realizaram visita monitorada pelo edifício, acompanhados pela Ir. Irene Lopes, assessora da Comissão Episcopal para a Amazônia.

No grupo dos participantes do curso estão religiosos e leigos. Entre eles, está Julie Fecteau, de 35 anos, do Canadá. Ela deixou o seu trabalho como professora de música em Quebec, sua casa e automóvel, para realizar o sonho de ser missionária. “A formação que recebemos nos permite ver o trabalho que é realizado pela Igreja no Brasil, e no qual, como missionária, devo colaborar”. Ela vai trabalhar em Manaus nos próximos 4 anos.

O curso começou em setembro e termina em meados de dezembro. Desta edição, participam 20 missionários, incluindo um casal de luteranos. O Cenfi é realizado há mais de 50 anos, com o objetivo de apresentar a introdução, interação e acompanhamento do missionário estrangeiro na realidade brasileira.

Hino Oficial do Ano da Fé


CNBB promove missa voltada a parlamentares


missa_parlamentares22.11Na manha desta quinta-feira, 22 de novembro, foi realizada na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília, a Missa com os Parlamentares. A celebração eucarística contou com a presença de deputados e senadores de diversos partidos. A missa foi presidida assessor político do Secretariado Geral da CNBB, padre Geraldo Martins Dias.
A celebração contou com a presença de cerca de 40 pessoas, entre deputados, senadores, assessores parlamentares e colaboradores da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP) e da CNBB.
A celebração da eucaristia com a participação dos parlamentares é tradicional na CNBB. Organizada pela Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP) e pela assessoria de política, é celebrada sempre na terceira quinta-feira de cada mês, às 8h.
Após a missa, os parlamentares, seus familiares e assessores são convidados para um café, o que é uma oportunidade para fortalecer  laços fraternos e de amizade.

3º Encontro Nacional da Missão Continental aborda a Paróquia Missionária


CCMparoquiamissionaria2012a
“Por uma paróquia em estado permanente de missão: reestruturação e dinamização dos serviços paroquiais, a continuidade da missão popular e a sua vocação para a missão além-fronteiras”. Este é o tema do 3º Encontro Nacional da Missão Continental, organizado pelo Centro Cultural Missionário (CCM) em parceria com as Pontifícias Obras Missionárias (POM). O evento reúne 60 pessoas de todos os regionais da CNBB desde a última segunda-feira, 19 de novembro, e termina no dia 23.

O bispo da prelazia de São Félix do Araguaia (MT) e presidente da Comissão para a Missão Continental da CNBB, dom Adriano Ciocca Vasino, manifestou o desejo de que a Missão aconteça nas bases onde a verdadeira ação pastoral se desenvolve. Já o padre Sidnei Ferreira, assessor da CNBB para a Missão Continental, explicou que a fase de divulgação do Projeto já passou. “Estamos agora no período de aprofundamento para passar de uma pastoral de manutenção para uma pastoral decididamente missionária”.

padre_sidneiSegundo padre Sidnei, em alguns países da América do Sul o Projeto da Missão Continental se transformou nas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja local. No Brasil, criou-se uma comissão para coordenar o Projeto, mas as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora (2011-2015) estão em plena sintonia com a Conferência de Aparecida que lançou a Missão Continental.

Maria Juciene Barreto veio de uma das mais novas dioceses brasileiras, a de Salgueiro (PE), mas que já é um exemplo concreto da necessidade de trabalhar a dimensão missionária a partir das comunidades. “Com o desmembramento da diocese de Salgueiro, das dioceses de Petrolina e Floresta, tudo se tornou muito novo para nós. Por isso uma formação como essa nos dá muitas expectativas para trabalhar o processo da paróquia missionária que é o futuro da Igreja. Sem esse olhar não conseguimos atingir as pessoas”.

domjaimekhol2012O encontro tem como motivação maior, segundo o bispo de Osório (RS) e um dos três bispos referenciais para Comissão para a Missão Continental, dom Jaime Pedro Kohl, as orientações do DAp quanto à dimensão missionária enquanto modelo de evangelização. “Nosso desejo é criar a consciência da necessidade das dioceses e paróquias levarem a sério os desafios de Aparecida, de fazer de cada cristão discípulo-missionário, de cada comunidade cristã, comunidade missionária, a partir do despertar dessa consciência missionária que Aparecida nos interpela.”, disse.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Irmãs Sacramentinas de Altinho no DNJ

As Irmãs Sacramentinas de Altinho da Paróquia de Nossa Senhora do Ó participaram do DNJ - Dia Nacional da Juventude da Diocese de Caruaru, realizado no dia 28 de Outubro na cidade de Bonito/PE.




Ir.Vera Lúcia, Dom Dino e Ir.Maria



Ir.Vera Lúcia entre os jovens



Momento do Retiro...


No retiro, no último domingo da Fraternidade Eucarística e Ministros da Comunhão, realizado no Centro Social Nossa Senhora do Ó - Altinho/PE.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Homossexuais devem ter o direito de casar?


A Igreja Católica reconhece a dignidade de todas as pessoas, e não as define nem rotula segundo sua orientação sexual. A pessoa humana “feita à imagem e semelhança de Deus”, dificilmente pode ser descrita adequadamente através de uma referência redutiva à sua orientação sexual. O Catecismo da Igreja Católica exige que os homossexuais sejam “acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza” e condena “todo sinal de discriminação injusta” contra eles (cf. No. 2358). Ao afirmar a dignidade de pessoas que são homossexuais, a Igreja Católica está sendo coerente com seus ensinamentos.

Em matéria de sexo há dois princípios fundamentais que orientam o ensinamento da Igreja. O primeiro é que a Igreja “sempre ensinou que a expressão sexual genital do amor, conforme o plano criador de Deus tem seu lugar exclusivamente dentro do casamento entre um homem e uma mulher”. O segundo princípio é que “a expressão sexual genital do amor tem que ser aberta à possível transmissão de nova vida”. Por estas razões a Igreja Católica não aprova casamentos ou uniões homossexuais.

O documento da Congregação para a Doutrina e Fé Considerações sobre os projetos de reconhecimento legal das uniões entre pessoas homossexuais, publicado em 2003, afirma que “não existe nenhum fundamento para equipar ou estabelecer analogias, mesmo remotas, entre uniões homossexuais e o plano de Deus sobre o matrimônio e a família. O matrimônio é santo, ao passo que as relações homossexuais estão em contraste com a lei moral natural” (cf. op. cit. n. 4).

Segundo o moralista, o Padre Marciano Vidal* uma atitude pragmática começa a se advertir, tanto por parte da reflexão teológica-moral como por parte do episcopado. Ele cita, por exemplo, que “os bispos suíços não se opõem a um ordenamento jurídico das uniões homossexuais, ainda que defendam “que o caráter único do matrimônio entre homem e mulher seja protegido pela jurisdição do Estado de maneira incondicional”. ** Ante a pergunta se uniões homossexuais poderiam receber uma benção não sacramental, os bispos suíços responderam “temos a convicção profunda de que as pessoas homossexuais podem ser abençoadas, mas não a contração de uma união homossexual... semelhante rito poderia parecer-se ao matrimônio sacramental e prestar-se à confusão”.

O canonista Dias Moreno, afirma que o matrimônio é “o que tem sido sempre em todos os contextos culturais – uma união essencialmente heterossexual fundada na mesma configuração e estrutura da pessoa sexuada. A expressão sexual, física e afetiva, daqueles que são portadores da tendência homossexual, não pode ser equiparada à expressão heterossexual. Qualificar as uniões homossexuais de matrimoniais e dotá-las de uma configuração jurídica igual ou semelhante ao matrimônio, suporá, como primeiro efeito nocivo, dar passagem a um equívoco absurdo”.

O Padre Brendan Coleman Mc Donald é sacerdote redentorista, professor da Universidade Federal do Ceara.

Fortaleza, 29 de junho de 2011.
_____
Notas dos Editores:
* Sobre o Padre Marciano Vidal, ver a Notificação sobre alguns dos seus escritos feita pela Congregação para a Doutrina da Fe.

** Quanto à posição dos bispos bispos suíços, nem sempre tem estado em concordância com a Santa Se. A Congregação para a Doutrina da Fé é clara:

"5. É imperativo da consciência moral dar, em todas as ocasiões, testemunho da verdade moral integral, contra a qual se opõem tanto a aprovação das relações homossexuais como a injusta discriminação para com as pessoas homossexuais. São úteis, portanto, intervenções discretas e prudentes, cujo conteúdo poderia ser, por exemplo, o seguinte: desmascarar o uso instrumental ou ideológico que se possa fazer de dita tolerância; afirmar com clareza o caráter imoral desse tipo de união; advertir o Estado para a necessidade de conter o fenômeno dentro de limites que não ponham em perigo o tecido da moral pública e que, sobretudo, não exponham as jovens gerações a uma visão errada da sexualidade e do matrimônio, que os privaria das defesas necessárias e, ao mesmo tempo, contribuiria para difundir o próprio fenômeno. Àqueles que, em nome dessa tolerância, entendessem chegar à legitimação de específicos direitos para as pessoas homossexuais conviventes, há que lembrar que a tolerância do mal é muito diferente da aprovação ou legalização do mal.

"Em presença do reconhecimento legal das uniões homossexuais ou da equiparação legal das mesmas ao matrimônio, com acesso aos direitos próprios deste último, é um dever opor-se-lhe de modo claro e incisivo. Há que abster-se de qualquer forma de cooperação formal na promulgação ou aplicação de leis tão gravemente injustas e, na medida do possível, abster-se também da cooperação material no plano da aplicação. Nesta matéria, cada qual pode reivindicar o direito à objeção de consciência.

"8. Em defesa da legalização das uniões homossexuais não se pode invocar o princípio do respeito e da não discriminação de quem quer que seja. Uma distinção entre pessoas ou a negação de um reconhecimento ou de uma prestação social só são inaceitáveis quando contrárias à justiça. Não atribuir o estatuto social e jurídico de matrimônio a formas de vida que não são nem podem ser matrimoniais, não é contra a justiça; antes, é uma sua exigência.

"9. Não é verdadeira a argumentação, segundo a qual, o reconhecimento legal das uniões homossexuais tornar-se-ia necessário para evitar que os conviventes homossexuais viessem a perder, pelo simples fato de conviverem, o efetivo reconhecimento dos direitos comuns que gozam enquanto pessoas e enquanto cidadãos. Na realidade, eles podem sempre recorrer – como todos os cidadãos e a partir da sua autonomia privada – ao direito comum para tutelar situações jurídicas de interesse recíproco. Constitui porém uma grave injustiça sacrificar o bem comum e o reto direito de família a pretexto de bens que podem e devem ser garantidos por vias não nocivas à generalidade do corpo social".


Fonte:

MC DONALD. Brendan Coleman. Os homossexuais devem ter o direito de casar? Site Voto Católico. Disponível em:http://www.votocatolico.com.br/2011/07/homossexuais-devem-ter-o-direito-de.html?spref=fb Acesso Acesso em: 01 Julho de 2011.

Planeta Brasileiro