Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Nota de Falecimento...

PRONEB EM LUTO!  Frei Biu 


Eternas saudades do nosso confrade querido e amado pela província Nossa Senhora da Penha, Deus o acolha no céu sua alma que possa descansar em paz! Frades Capuchinhos da PRONEBE em LUTO! Natural de Bezerros PE, Seu corpo está atualmente até amanhã pela manhã, na matriz São José  em Bezerros, onde terá a missa de corpo presente às 09hs da manhã e em seguida o sepultamento. Descanso eterno dai-lhe Senhor, e que sua luz o ilumine! Descanse em paz meu irmão!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Os carismáticos mais uma vez...

Todos os carismas são enviados pelo Espírito Santo... Mais o que as vezes a RCC anda fazendo com a liturgia de nossa Igreja é um absurdo!
Uma Missa ontem 29/08/11 na Paróquia de Nossa Senhora do Ó promovida pelo Grupo de Oração Emanuel que intitularam a Missa como "Missa da Misericórdia" como se nenhuma missa celebrada aos Domingos tivesse a Graça e a misericórdia de Deus.
Isso já passou dos limites... Até o Padre (Pe. Bráulio da Diocese de Palmares) dançou no altar. Sinceramente devemos dar um basta nisso!


Padre dando um Show na Missa.








 

Teologia da Libertação é esquecida pela Igreja


Um dos expoentes da Teologia da Libertação, o ex-frei  Leonardo Boff foi duas vezes punido por suas idéias
Um dos expoentes da Teologia da Libertação, o ex-frei Leonardo Boff foi duas vezes punido por suas idéias (Divulgação)
A Teologia da Libertação completa em 2011 40 anos num completo processo de esquecimento pela igreja Católica. Criada a partir das mudanças introduzidas pelo Concílio Vaticano II, de 1962, essa proposta teológica incorporou algumas categorias do marxismo e possibilitou o surgimento de Comunidades Eclesiais de Bases (CEBs), a opção preferencial pelos pobres e um debate que incendiou católicos no mundo todo. Culminou  com a proibição dela pelo cardeal Joseph Ratzinger, o hoje papa Bento XVI, que era prefeito da Sagrada Congregação Para a Doutrina da Fé (ex-Santo Ofício) no pontificado de João Paulo II.
Um dos principais teólogos dessa vertente católica, o ex-frei brasileiro Leonardo Boff foi duas vezes punidos por Ratzinger com o “silêncio obsequioso” e ficou mais de dois anos sem poder dar entrevistas, fazer palestras ou publicar livros sobre Teologia da Libertação. Acuado, Boff deixou a batina e hoje está mais ligado a causas do meio ambiente. É de Leonardo Boff o livro “Igreja, Carisma e Poder” que deixou João Paulo II e o cardeal Ratzinger de batina em pé e deu início ao processo de renovação do episcopado brasileiro empreendido durante João Paulo e aprofundado agora.
Em Manaus,  a Teologia da Libertação teve fôlego nos anos 80 a partir de seu epicentro no Centro de Estudos do Comportamento Humano (Cenesch), escola de nível superior mantida pela igreja Católica e que tinha um curso de Teologia e outro de Filosofia. Neste último, tanto Leonardo quanto o irmão dele, Clodóvis Boff, faziam parte do quadro de docentes.
A partir da ação do clero progressista ligado, a TL entrou nas pastorais sociais de Manaus e ai fez várias pequenas “revoluções”. A Pastoral Indigenista gestou o movimento pela demarcação das Terras Indígenas e  na visita de João Paulo II ao Amazonas uma liderança indígena fez o discurso de recepção no Arcebispado.
A Pastoral Operária também estava eivada de conceitos da Teologia da Libertação. Ela foi particularmente importante e freqüente nas grandes greves dos anos 80 no Distrito Industrial, quando as condições de trabalho e o arrocho dos salários eram denunciados nacionalmente em movimentos que fechavam a então bola da Suframa.
Nenhuma pastoral ligada a TL foi tão ativa quanto a Pastoral da Terra. Religiosos como o padre Albano e a irmã Helena pregavam a necessidade do povo se organizar para ter acesso a terra e aí eles foram fortes nos processos de invasões que culminaram com a formação da maioria dos bairros de Manaus.
Protagonismo
A principal característica da Teologia da Libertação é considerar o pobre, não como  um objeto de caridade, mas como  sujeito de sua própria história e libertação. Por esssa razão, os teólogos dessa vertente propõem uma pastoral alicerçada nas comunidades eclesiais de base, nos movimentos sociais.

domingo, 28 de agosto de 2011

sábado, 27 de agosto de 2011

Dia de Santa Mônica, mãe de Santo Agostinho!




Santa MônicaNeste dia, celebramos a memória desta grande santa, que nos provou com sua vida que realmente "tudo pode ser mudado pela força da oração." Santa Mônica nasceu no norte da África, em Tagaste, no ano 332, numa família cristã que lhe entregou – segundo o costume da época e local – como esposa de um jovem chamado Patrício.

Como cristã exemplar que era, Mônica preocupava-se com a conversão de sua família, por isso se consumiu na oração pelo esposo violento, rude, pagão e, principalmente, pelo filho mais velho, Agostinho, que vivia nos vícios e pecado. A história nos testemunha as inúmeras preces, ultrajes e sofrimentos por que Santa Mônica passou para ver a conversão e o batismo, tanto de seu esposo, quanto daquele que lhe mereceu o conselho: "Continue a rezar, pois é impossível que se perca um filho de tantas lágrimas".

Santa Mônica tinha três filhos. E passou a interceder, de forma especial, por Agostinho, dotado de muita inteligência e uma inquieta busca da verdade, o que fez com que resolvesse procurar as respostas e a felicidade fora da Igreja de Cristo. Por isso se envolveu em meias verdades e muitas mentiras. Contudo, a mãe, fervorosa e fiel, nunca deixou de interceder com amor e ardor, durante 33 anos, e antes de morrer, em 387, ela mesma disse ao filho, já convertido e cristão: "Uma única coisa me fazia desejar viver ainda um pouco, ver-te cristão antes de morrer".

Por esta razão, o filho Santo Agostinho, que se tornara Bispo e doutor da Igreja, pôde escrever: "Ela me gerou seja na sua carne para que eu viesse à luz do tempo, seja com o seu coração para que eu nascesse à luz da eternidade".


Santa Mônica, rogai por nós!

Nova Geração: BOTE FÉ!



Em junho mais de 80 músicos católicos se reuniram nos estúdios de Paulinas-Comep para um momento de formação sobre a evangelização da juventude e ofereceram sua contribuição para o projeto "Bote Fé". Os cantores se uniram para a gravação de uma música do grande cantor e compositor Pe. Zezinho, deixando assim, uma mensagem em forma de canção para os jovens.

O resultado deste trabalho está neste vídeo, que traz uma mensagem de unidade e fé que fala do grande símbolo da Jornada Mundial da Juventude que é a cruz.

"Bote Fé" é uma iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para Juventude da CNBB, que justamente com as dioceses, pastorais e movimentos, quer chamar atenção para a evangelização da juventude.

O "Bote fé" vai agitar a capital paulista no dia 18/09, no Campo de Marte, com uma programação especial durante todo o dia e a acolhida da cruz da Jornada Mundial da Juventude que em 2013 será no Brasil
.

Bote Fé: Cruz da Jornada chega ao Brasil no dia 18 de setembro


cruzTerminada, em Madri (Espanha), a Jornada Mundial da Juventude, os brasileiros receberam a Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Senhora das mãos dos jovens espanhóis. O Brasil sediará a próxima JMJ, no Rio de Janeiro, em 2013. Como o Brasil é um país continental, e para que seja possível que os símbolos da Jornada passem por todas as cidades do país, tanto a Cruz quanto o Ícone de Nossa Senhora chegam ao Brasil já no próximo dia 18 de setembro de 2011, em um grande evento promovido pela Arquidiocese de São Paulo.
A Cruz, de madeira e com pouco mais de 3,5 metros de altura, foi dada aos jovens pelo Papa João Paulo II em 1984 e, desde 1994, peregrina nos países que recebem a JMJ um ano antes do evento.
Segundo informa o departamento de imprensa da arquidiocese, a acolhida da Cruz no país acontecerá na região do Campo de Marte, com shows, testemunhos e reflexões das 9h às 21h.
Às 16h, chegam ao local, em carro do Corpo de Bombeiros, a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora. Logo em seguida, o Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, preside à Missa.
Entre os nomes já confirmados para o evento estão os de padres consagrados como Juarez de Castro, Fábio de Melo e Reginaldo Manzotti.
O evento contará, ainda, com a presença de bandas católicas que mobilizam grande número de jovens, como Rosa de Saron, Dominus e Vida Reluz. A expectativa inicial de público é de 80 mil pessoas.
Este será o primeiro evento para preparar a visita que o Papa Bento XVI fará ao Brasil em 2013.
Após o show no Campo de Marte, Cruz e Ícone seguem em carreata, ainda na noite do dia 18/9, para a Catedral da Sé. De lá, percorreram igrejas da cidade.
Especial
O 18 de setembro será um dia especial para os jovens de São Paulo. Intitulado “Bote Fé”, este evento de acolhida da Cruz Peregrina quer reforçar entre os católicos a importância da evangelização da juventude.
Todas as paróquias da arquidiocese de São Paulo e das dioceses vizinhas são convidadas a manifestar que “botam fé” na juventude brasileira, durante o evento que realizado na região do Campo de Marte, zona norte da capital.
Trata-se de um momento privilegiado da evangelização da juventude no Brasil, confirmado pelo recorde de participação brasileira na JMJ de Madri (mais de 13 mil inscritos).
A campanha “Bote Fé” também tem o objetivo da dar continuidade à graça que a juventude brasileira viveu na JMJ, quando os jovens foram enviados pelo Papa Bento XVI para anunciara boa nova em seus países.
Para o cardeal arcebispo de São Paulo, dom Odilo Pedro Scherer, a cidade e Arquidiocese de São Paulo "deverão fazer uma acolhida calorosa, com manifestações que deixem um sinal na opinião pública e que despertem, desde logo, um grande interesse pela Jornada de 2013, no Rio de Janeiro". "Isso vai ser muito interessante e despertará o interesse e a criatividade na evangelização da juventude durante esses dois anos de preparação", destacou.
De acordo com Dom Tarcísio Scaramussa, bispo auxiliar de São Paulo e referencial do Setor Juventude da Arquidiocese, o “Bote Fé” “é uma convocação para os jovens, de modo especial, 'botarem fé em Cristo', acreditarem nele, se firmarem em Cristo, como base de sua fé”.
“Mas também é uma convocação para toda Igreja a uma atividade missionária para animar as comunidades, melhorar a autoestima, acreditar realmente que Cristo ressuscitou, que Cristo é a vida”, disse.
Itinerário da Cruz e do Ícone de Nossa Senhora na Arquidiocese de São Paulo

Dia 18/9 (domingo)

15h30 – chegada ao Campo de Marte
21h – saída do Campo de Marte
22h – chegada à Catedral da Sé

Dia 19/9 (segunda-feira)

8h às 19h – a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora permanecerão na Catedral da Sé.
19h – Procissão com a Cruz e o Ícone, da Catedral à Igreja Nossa Senhora da Boa Morte.
20h – Celebração de acolhida na Igreja Nossa Senhora da Boa Morte. Durante a noite e a madrugada haverá vigília e peregrinação pelas ruas da cidade.
(Endereço: Igreja Nossa Senhora da Boa Morte – rua do Carmo 202, Centro. Fone: 3101-6889)

Dia 20/9 (terça-feira)

8h – Celebração de rua – Local: Cracolândia.
9h30 – Retorno da Cruz e do Ícone a Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte, onde permanecerá até às 13h30.
13h30 – Saída da Cruz e do Ícone para o Santuário São Judas Tadeu (Jabaquara).
15h – Missa de acolhida no Santuário São Judas (a Cruz e o Ícone permanecerão no Santuário durante toda à tarde, noite e madrugada).
(Endereço: Santuário São Judas Tadeu – avenida Jabaquara 2682. Fone: 5072-9928)

Dia 21/9 (quarta-feira)

7h – Missa e saída da Cruz e do Ícone do Santuário São Judas.
8h30 – Chegada da Cruz à Paróquia Imaculada Conceição (Ipiranga), com celebração de acolhida, orações durante o dia. A Cruz e o Ícone permanecerão na paróquia até às 16h.
(Endereço: Paróquia Imaculada Conceição – avenida Nazaré 993, Ipiranga. Fone: 2914-4066)
17h30 – Chegada e acolhida da Cruz e do Ícone no Arsenal da Esperança onde permanecerão durante a noite e madrugada.
(Endereço: Arsenal da Esperança – Rua doutor Almeida Lima 900, Brás. Fone: 2292-0977)

Dia 22/9 (quinta-feira)

7h – Saída da Cruz e do Ícone do Arsenal da Esperança.
8h30 – Chegada e acolhida da Cruz e Ícone na Paróquia de Santana (onde permanecerão até o fim da noite).
(Endereço: rua Voluntários da Pátria 2060, Santana. Fone: 2979-5558)

Dia 23/9 (sexta-feira)

Diocese de Guarulhos. Início da peregrinação pelas demais dioceses do Estado de São Paulo.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Atenção!

Você nosso querido leitor e missionário agora pode colaborar com as vocações, é isso mesmo você pode fazer uma doação de qualquer quantia on-line basta cliquar neste símbolo amarelo aqui do lado. Sua contribuição ajuda nossa Pastoral Vocacional Paroquial. Veja você também um portador de uma vocação!
Mensalmente aqui no Blog terá a prestação de contas de todas as doações. Doe agora mesmo!
CONTAMOS COM VOCÊ!


Abraço fraterno, 
Os que fazem o SAV - Altinho

Caminhada marca o encerramento do Mês Vocacional em Criciúma


caminhadavocacional29No próximo domingo, dia 28, considerado pela Igreja o Dia de Oração pelas Vocações Leigas, a diocese de Criciúma (SC) celebra o encerramento do Mês Vocacional com a 29ª edição da Caminhada Vocacional.
Com a expectativa de reunir mais de dois mil fiéis, sob o tema “Anunciar a Palavra que gera vida”, a Caminhada Vocacional 2011 continua a ser sinal de esperança e oração pelas vocações sacerdotal, familiar, consagrada e laical.
A caminhada parte do acesso ao Rio Maina, em direção ao Santuário Diocesano Nossa Senhora de Caravaggio, em Nova Veneza (SC).
Promovida pela Pastoral Vocacional, a missa será presidida pelo bispo de Criciúma, dom Jacinto Inacio Flach e concelebrada por parte do clero da diocese.
Durante o trajeto, a animação fica por conta dos padres Antônio Júnior, Antoninho Rossi e Eloir Borges. Os seminaristas diocesanos animarão a missa e as coordenações de pastorais a liturgia.
“Neste ano, contaremos com um grupo de crianças da Paróquia Imaculado Coração de Maria, de Lauro Muller, que encenarão um teatro sobre a vocação, no início da missa”, informa o casal coordenador da pastoral, José Luiz e Rosiléia Machado.
Segundo o coordenador do evento, José Luiz Machado, a Caminhada Vocacional tem por objetivo fortalecer este sentimento e despertar nos fieis a cultura de rezar pelas vocações. “Propagar essa oração por todos os lugares a fim de que se cumpra o pedido do próprio Jesus: ‘Pedi ao Senhor da Messe que envie operários para a sua Vinha’ (Lc 10,2)”.

Juiz de Fora terá a primeira paróquia dedicada ao Beato João Paulo II do Brasil



A arquidiocese de Juiz de Fora (MG) terá a primeira paróquia do Brasil, autorizada pela Santa Sé, com o nome de Beato João Paulo II. O anúncio foi feito na quarta-feira, 24, pelo arcebispo metropolitano, dom Gil Antônio Moreira, durante o curso de atualização do clero da Província Eclesiástica de Juiz de Fora. A festa oficial de criação da Paróquia (com matriz na Rua Jeci Firmino Pinheiro, 30, bairro Nova Era) acontece no dia 22 de outubro.
Nesta semana, dom Gil, recebeu a confirmação de Roma de que esta é a primeira paróquia autorizada do Brasil a ter o nome do Beato João Paulo II. De acordo com o arcebispo, outras dioceses do Brasil fizeram o pedido de criação de paróquia com o nome do papa. No dia 1º de julho deste ano, o Vaticano enviou um decreto autorizando a arquidiocese a criar uma paróquia dedicada a João Paulo II.
O sacerdote nomeado para a comunidade é o padre João Francisco Batista da Silva. que já iniciou o serviço pastoral na nova comunidade no dia 18 de maio. “Antes de fazer o pedido ao Vaticano, dom Gil conversou com povo para saber a opinião deles. É uma alegria muito grande e uma honra termos a primeira paróquia do Brasil que vai prestar essa homenagem”, disse o padre João Francisco.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

EM CARTA À PRESIDENTE DILMA, IGREJA ALEMÃ FAZ APELO CONTRA O DESMATAMENTO E EXTERMÍNIO DE ÍNDIOS DA AMAZÔNIA

Cidade do Vaticano, 24 ago (RV) – De agosto de 2010 a julho deste ano, o desmatamento sem controle na Amazônia aumentou 15%, com mais de 2.500 Km² de floresta devastados, 400km² a mais em comparação aos últimos doze meses.

Esses números fazem parte dos primeiros dados anuais divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) com base em observações feitas por satélites, ainda parciais. Os Estados mais atingidos são o Mato Grosso e o Pará, onde avançam os campos de soja e criação de gado.

Uma grave situação ecológica – devido às especulações de corporações econômicas e interesses internacionais – que está alterando as relações entre os seres humanos e o ambiente.

“A justiça ambiental, como muitas vezes destacaram os bispos do Brasil, explica a forte relação que existem entre a questão ecológica, os problemas da justiça, a paz e a defesa dos direitos invioláveis das pessoas e das populações indígenas”, destaca o comunicado da Igreja alemã.

Com força e persistência os bispos brasileiros reiteraram que a ecologia humana é uma necessidade imperativa. “Adotar em cada circunstância um modo de viver mais respeitoso ao ambiente e sustentar a pesquisa e a exploração de energias adequadas que protejam o patrimônio da Criação e não representem perigo aos homens devem ser prioridades políticas e econômicas”, destaca também a Igreja alemã enaltecendo a declaração dos Bispos brasileiros, os quais denunciaram ainda à comunidade internacional a violência a qual são submetidas as populações indígenas no Brasil: homicídios, ameaças de morte, falta de assistência sanitária e educativa, demora na regularização das terras, exploração excusa dos recursos naturais das terras indígenas.

Entre todas essas questões, a Adveniat, organização filantrópica da Igreja Católica Alemã para a América Latina, que enviou uma carta à presidente Dilma Rousseff, na qual manifesta preocupação pela “suspeita de um massacre das populações indígenas que vivem isoladas nos confins do Estado do Acre.

Os assassinatos – de acordo com a Adveniat - teriam sido praticados por organizações criminais ligadas ao narcotráfico nas terras indígenas e à indústria madeireira clandestina. Neste sentido, foram divulgadas no início de agosto, diversas reportagens sobre o tema na imprensa internacional.

Na carta à presidente Dilma, a adveniat fala da “facilidade com a qual as organizações criminosas agiram”, e evidencia o perigo iminente para os indios que “estão ameaçados de morte”.

A Adveniat chama a atenção sobre a situação igualmente vivida pelos índios que vivem no Maranhão, Rondônia e Mato Grosso.

“Todas essas violências, as invasões e os conflitos que atingem diretamente as comunidades indígenas estão ligadas à escolhas que privilegiam o desenvolvimento a todo custo, em detrimento, infelizmente, da própria vida”, diz outro trecho da carta.

Segundo a Adveniat, o Brasil enfrenta uma realidade que, sendo cheia de sofrimentos e de dificuldades, pode constituir uma ocasião privilegiada para um renascimento humano e social. Por meio das contribuições de todas as esferas sociais e também com o apoio das organizações de cooperação internacional é possível restituir à Amazônia um futuro de esperança. É preciso encorajar e valorizar os projetos econômicos para a aceleração do crescimento, segundo o programa do Governo Federal e as iniciativas para a integração das infra-estruturas regionais.

Um processo que seja integrado coma s iniciativas dos doze países da América do Sul que pretenda ligar as redes de comunicação, energia e transporte por meio da construção de estradas e portos.

Na parte final da carta, a organização filantrópica da Igreja Alemã pede ao Governo Brasileiro de “pesquisar medidas eficazes e de longo prazo para garantir que não voltem a se repetir massacres, genocídios, invasões e marginalizações sofridas na história dos povos indígenas da Amazônia, aos quais deve ser completamente garantido o direito ao desenvolvimento integral, a cultura, as tradições e o inviolável direito de viver dentro de seus territórios”. (RB)

"Consagrado deve adiantar-se na via de santidade", afirma teólogo




Província Nossa Senhora do Carmo
Frei José Ribamar Gomes de Souza é um sacerdote Capuchinho de Capanema e professor de Teologia da Vida Consagrada no Instituto Regional
Nesta semana dedicada à vida consagrada, somos convidados a rezar por esta vocação e a nos aprofundarmos naquilo que ela ela nos oferece como riqueza. "

A equipe do noticias.cancaonova.com entrevistou Frei Ribamar Gomes, um sacerdote Capuchinho de Capanema, Pará. Ele é responsável por 40 comunidades da zona rural e professor de Teologia da Vida Consagrada no Instituto Regional para a Formação Presbiteral do Regional Norte 2. Para Frei Ribamar, a Vida Consagrada, além de uma vocação, é um algo indispensável na vida e na missão da Igreja. "O consagrado tem a capacidade de fazer-se sinal claro e visível daquela tensão para a radicalidade, o absoluto que está dentro do coração de cada cristão", afirmou Frei Ribamar
noticias.cancaonova.com - O que uma pessoa que abraça uma consagração é chamada a viver? Isto também serve para os leigos?

Fr. Ribamar: O consagrado é chamado a adiantar-se pela estreita via de santidade. A Vida Consagrada é, como que involuntariamente, isto é, sem ostentação farisaica, um sinal de estímulo e até de adventência para os outros na Igreja e no mundo. Torna-se assim compreenssivo porque, neste sentido, a Constituição Apostólica Lumen Gentium declara o seguinte: "Os que no estado religioso, tendem à santidade por um caminho mais estreito, estimulam os irmãos com seu exemplo".

Os consagrados não constituem uma Igreja à parte, mas que em comunhão com todos os demais fiéis, formam a única Igreja instituida por Cristo. Cada vocação só sustenta, se desenvolve e se consolida em pleno reconhecimento da identidade e dos valores de todas as outras. Ao consagrar-se, Deus não marca a pessoa que se lhe entrega com um novo caráter, distinto daquele do batismo, porém acolhe de uma maneira especial na aliança.

Os conselhos evangélicos criam as melhores condições para viver a tendência para a Igreja e o mundo. A consagração acrescenta ao batismo uma obrigação maior, renunciar não só ao pecado, mas também ao mundo.O que serve para o Leigo? A vocação à santidade é Universal, para todos, mas o consagrado pelo seu testemunho de vida recorda isso ao leigo; a vida do leigo deve estar voltada também para o bem de toda a Igreja.

O Leigo não é excluido ao chamado à perfeição do amor que vive o consagrado como colocar a disposição de Deus a si próprio. O consagrado tem a capacidade de fazer-se sinal claro e visível daquela tensão para a radicalidade, o absoluto que está dentro do coração de todo o cristão. O que podemos afirmar é que a Igreja conta com todos: Leigos (Christifidelis Laici), ministros ordenados (Pastores Dabo Vobis) e consagrados (Vita Consecrata), para realizar sua missão em nosso tempo.

noticias.cancaonova.com - Quais as diretrizes traçadas pelo Concílio Vaticano II para a vida consagrada? O que mudou a partir deste Concílio?

Fr Ribamar: A grande mudança ou novidade que temos na Vida Consagrada depois do Concílio Vaticano II podemos dizer que está no Sínodo sobre a Vida Consagrada celebrado no ano de 1994, de onde provém a belíssima Exortação Apostólica Pós Sinodal, Vita Consecrata. Nesta exortação encontramos três grandes temas: Consagração, filocalia e profetismo. A Vida Consagrada é apresentada como uma experiência da Beleza de Deus e de Jesus no Tabor, porém, também no calvário: O Jesus da Beleza é o Jesus Crucificado.

O que falta para nós aqui no Brasil, é uma séria, normal e honesta Eclesiologia da Vida Consagrada, fundamentada no Vaticano II. A ausência dessa Eclesiologia gerou entre nós uma má interpretação de alguns documentos do Concílio Vaticano II, principalmente de alguns capítulos da Constituição Dogmática Lumen Gentium.

O capítulo sobre o Povo de Deus, muitas vezes foi interpretado por nós como uma teologia do laicato, e todos que somos normais e honestos sabemos que a Lumen Gentium dedica um capítulo sobre os leigos e depois, Povo de Deus, não é imagem da Igreja, mas expressão de sua essência. Destas más interpretações temos uma teologia de ruptura e não de renovação numa continuidade.

A Teologia de ruptura causa uma repulsa a Sagrada Hierarquia e diminui o nosso amor para com a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.Todos nós devemos lembrar que da nossa fidelidade à Igreja, depende a nossa felicidade e salvação.

noticias.cancaonova.com - Na vida consagrada, sabemos que aqueles que a abraçam, são chamados a seguir mais de perto o Cristo, Casto, Pobre e Obediente. No documento Perfectae Caritatis, de 1965, a Igreja começa a falar de uma maturidade que deve ser alcançada para corresponder bem a esta vocação. Tal maturidade e tal correspondência só pode ser alcançada, a partir de uma configuração profunda com o mistério de Cristo?

Fr. Ribamar: A paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo é acontecimento que funda e inspira o modo de ver e agir dos consagrados. Vivemos esta profunda configuração na participação da Eucaristia, quando comungamos existe uma troca de corpos, eu recebo o Corpo de Cristo e Cristo recebe o meu corpo, não é a Eucaristia que se transforma em mim, sou eu que me transformo na Eucaristia.

O rosto do crucificado de Cristo é o livro onde aprendemos o que é o amor e como Deus e a humanidade devem ser amados, fonte de todos os carismas e sínteses de toda a vocação.

A maturidade adquirida nessa configuração profunda ao mistério da Paixão de Cristo é transparência de que a Cruz é a revelação do coração da Trindade na história.
noticias.cancaonova.com - Qual o sentido da ascese dentro de uma consagração?

Fr. Ribamar: Ascese é uma palavvra que ultimamente vem perdendo muito do seu significado dentro da Vida Consagrada e isso acontece devido ao pouco valor que damos à direção espiritual. Trocamos o nosso Diretor Espiritual pelo psicólogo e a ascese pelas terapias de grupo e etc. Resultado? Consagrados vivendo uma continua "adolescência" tardia.

A ascese é o terreno onde germina e cresce a santidade dentro de nós. A Santidade produz em nós uma crescente humanização. O difícil para o consagrado no seguimento de Cristo, não é deixar os bens materiais, mas renunciar suas próprias vontades: renunciar a si mesmo, tomar a cruz. É isso que entendemos por ascese na vida consagrada.

A consagração não nos dá nenhum posto especial na batalha espiritual. O consagrado estará na frente do campo de batalha. 

Papa anuncia lema da Jornada Mundial da Juventude de 2013!




O papa Bento XVI anunciou hoje o lema da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de 2013, que será realizada na cidade do Rio de Janeiro. De acordo com o Pontífice, o evento terá como mote "Ide e fazei discípulos de todos os povos", expressão baseada no Evangelho segundo Mateus.    
O anúncio foi feito ao fim da audiência geral desta quarta-feira, celebrada na residência de Castel Gandolfo e dedicada à Jornada Mundial da Juventude deste ano. A JMJ 2011 foi realizada na capital espanhola, Madri, entre os dias 16 e 21 de agosto. 
 Bento XVI viajou à cidade para participar do evento e dialogar com jovens católicos do mundo todo. "O encontro em Madri foi uma magnífica manifestação de fé para a Espanha e para o mundo", disse o papa nesta quarta-feira, definindo o evento como "emocionante".    
"Cerca de dois milhões de jovens de todos os continentes viveram, com alegria, uma formidável experiência de fraternidade, de encontro com o Senhor, de partilha e crescimento na fé: uma verdadeira cascata de luz", afirmou Bento XVI.    
O Pontífice também agradeceu às autoridades espanholas pelo acolhimento. "Não posso esquecer o caloroso acolhimento que recebi dos reis da Espanha e de todo o país", disse. Ao fim da audiência, o papa também informou que o tema da JMJ de 2012, celebrada localmente por cada diocese, será "Alegrai-vos sempre no Senhor". 

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Vaticano: Igreja é mais do que uma organização, diz Bento XVI


Cidade do Vaticano, 23 ago 2011 (Ecclesia) – Bento XVI enviou uma mensagem aos participantes na 62ª semana litúrgica italiana, que decorre até sexta-feira, afirmando que a Igreja "não pode ser reduzida ao aspeto terreno e organizativo".
O documento, divulgado pelo Vaticano, sublinha que as celebrações católicas têm de “mostrar claramente que o coração pulsante da comunidade deve ser reconhecido para além dos delimitados e, embora necessários, confins do rito".
“A liturgia não é aquilo que o homem faz, mas aquilo que Deus faz com a sua admirável e gratuita condescendência”, precisa o Papa.
A 62ª semana litúrgica nacional promovida pela Igreja Católica na Itália tem como tema “Deus educa o seu povo. A liturgia, fonte inesgotável de catequese”.
Na mensagem papal, enviada através do cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Vaticano, indica-se que “"Deus é o grande educador de seu povo, o guia amoroso, sapiente, incansável na e através da liturgia, ação de Deus no hoje da Igreja".
Bento XVI acrescenta que a Liturgia "pode ser chamada como catequese permanente da Igreja, fonte inesgotável de catequese", apelando a um aprofundamento da “dimensão educativa da ação litúrgica".
O Papa faz votos de que a semana litúrgica e outras iniciativas neste campo "se coloquem cada vez mais ao serviço do sentido genuíno da liturgia, favorecendo uma sólida formação teológico-pastoral em plena consonância com o magistério e a tradição viva da Igreja".
RV/OC

Ásia: Franciscanos terminam tradução da Bíblia para japonês coloquial


Lisboa, 24 ago 2011 (Ecclesia) – A Escola Bíblica Franciscana de Tóquio conclui os trabalhos de tradução para o japonês coloquial de toda a Bíblia, iniciados em 1958, revela a Rádio Vaticano.
O volume foi entregue ao cardeal Raffaele Farina, prefeito da Biblioteca do Vaticano, durante uma missa na catedral da capital japonesa.
Esta nova tradução “é a primeira feita a partir das línguas originais da Sagrada Escritura”, grego, hebraico e aramaico, indica a emissora pontifícia.
A obra é fruto também de uma colaboração, entre os anos 70 e 80 do século passado, com a Sociedade Bíblica Japonesa.
OC

terça-feira, 23 de agosto de 2011

ORDENAÇÃO DE MULHERES E ORDENAÇÃO DE HOMENS CASADOS AO SACERDÓCIO-DUAS FACES DA MESMA MOEDA

Pergunta feita ao meu querido amigo Edgar, que coordena o movimento Apostolado em Defesa Católica em Caruaru/PE.


Caros Amigos,Pax Domini!

Atendendo ao nosso irmão Vocacionado Vinícius,que me questionou com a seguinte pergunta:

Você concorda com a ordenação de mulheres e de homens casados? Porque? Qual a base teológica disso?

Estarei hoje aqui comentando em nosso blog sobre este assunto que vem ao que me parece se tornando cada dia mais insustentável dentro da Igreja.
Respodendo a pergunta do nosso irmão,a Resposta é Não.e É não tanto para a Ordenação de Mulheres quanto para a Ordenação de Homens Casados,ou seja o fim do Celibato Sacerdotal.
Bem,sobre a Ordenação de Mulheres,é bom deixar claro que a igreja não é contra a ordenação de mulheres,ela simplismente não tem poder para ordenar mulheres.

O Papa João Paulo II, na carta apostólica “Ordinatio Sacerdotalis” explicou isso ensinando que é vontade positiva de Jesus Cristo que somente homens exerçam o sacerdócio,vontade essa manifestada no fato dele ter escolhido apenas homens para serem apóstolos,não obstante ter várias mulheres como suas seguidoras.

O único sacerdote do único sacrifício propiciatório que nos remiu é realmente Cristo. Na Missa, que é a renovação do sacrifício de Cristo no Calvário, o sacerdote atua "in persona Christi", isto é, emprestando a sua voz a Cristo. Por isso, o sacerdote diz "Isto é meu corpo", para significar o corpo de Cristo e não o dele, sacerdote.

E claro que isso não tem nada de discriminatório contra as mulheres ao sacerdócio e sim se trata da própria vontade Divina em não querer mulheres sendo sacerdotizas.

Havia mulheres que seguiam a Jesus  mas não eram Apóstolos...

Sobre o Celibato, é bom deixar também claro que o celibato não é obrigação imposta por Deus, mas um conselho de Nosso Senhor transformado em preceito pela Igreja.
 
Nenhum católico está proibido de casar. E os homens que se tornam sacerdotes o fazem voluntariamente, sabendo que no Rito Romano o casamento não é opcional para os sacerdotes.
O padre deve ser "pai espiritual" de todos; e para isso, não deve ser pai carnal de ninguém. Seu tempo não lhe pertence e não poderia pertencer à sua família carnal, pois ele deve viver para a Igreja e para a religião, e não para mulher e filhos. Ele deve renunciar ao conforto do lar e à família, para consagrar-se ao serviço de Deus.
 
 "Aquele que ama pai ou mãe mais do que a mim não é digno de mim. E aquele que ama filho ou filha mais do que a mim não é digno de mim. Aquele que não toma a sua cruz e me segue não é digno de mim. Aquele que acha a sua vida, vai perdê-la, mas quem perde a sua vida por causa de mim, vai achá-la". (Mt 10, 37-39)
 
Nosso Senhor também nos disse:
 
"Nem todos são capazes desta resolução, mas somente aqueles a quem isto foi dado. Porque há alguns eunucos que nasceram assim, do ventre de sua mãe; e há outros eunucos, a quem outros homens fizeram tais; e há outros eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor ao Reino dos Céus. O que é capaz de compreender isto, compreenda-o" (Mt. 19, 11-12).

Evidentemente, Cristo não estava pedindo uma mutilação física, do mesmo modo que, quando disse que era melhor arrancar o olho do que pecar com ele, não estava incentivando que os homens se cegassem. Cristo, falando em "eunucos" voluntários, se referia àqueles que, por amor a Deus, renunciavam à mulher.

O celibato é uma questão de disciplina eclesiástica e não é de fé.deste modo não se faz sentido que o mesmo seja um dogma da igreja.a lei do celibato contudo é santíssima,pois baseia-se na reprodução integral da vida de Cristo nos sacerdotes.
 
Logo, com estas explicações deixamos claro nossa posição contrária tanto com a Ordenação de Mulheres como com o Celibato Sacerdotal.
 
Ad Majorem Dei Gloriam,
 
EDGAR LEANDRO DA SILVA

Vida consagrada: Seguir Cristo casto, pobre e obediente



Arquivo
Em todas as épocas mulheres e homens são chamados a vida consagrada
Durante o mês de agosto, a Igreja no Brasil convida os católicos a refletir sobre a riqueza das mais diversas vocações na Igreja e no domingo, 21, todos foram levados a lançar um olhar especial sobre a vida consagrada.

O Vaticano possui a Congregação para os Institutos de vida consagrada e Sociedade de Vida Apostólica, órgão instituído em 29 de junho de 1908, que cuida justamente das mais diversas congregações religiosas e institutos de vida consagrada espalhados pelo mundo. A cada ano, o Papa também dirige uma mensagem especial a todos os religiosos e religiosas em 2 de fevereiro, dia mundial da vida consagrada.

“Deste modo, a vida consagrada, na sua vivencia cotidiana sobre as estradas da humanidade, manifesta o Evangelho e o Reino já presente e operante”, disse o Papa Bento XVI, em 2 de fevereiro de 2011.

Ao pensar em vida consagrada, para a maioria, vem à mente as grandes mulheres como Madre Tereza de Calcutá, Edith Stein (Santa Tereza Benedita da Cruz) e tantas outras religiosas que ao entenderem o sentido mais profundo da vocação, traduziram o chamado em doação. Mulheres e homens de várias épocas que encarnaram na vida os conselhos evangélicos da pobreza, obediência e da castidade configurando-se a Cristo, pobre, casto e obediente.
“A vida religiosa, de fato, conduz a pessoa a assumir de forma consciente e concreta o mistério da paixão de Cristo, sua morte e ressurreição. A partir deste fundamento, se forma o homem novo, o religioso e o apóstolo”, afirmou Irmã Maria Ângela, psicóloga e doutora em Vida Consagrada, da Congregação das Missionárias de Santo Antonio Maria Claret.

Arquivo
A vida consagrada não é uma realidade isolada e marginal, mas diz respeito a toda a Igreja'
A formação na vida religiosa
A religiosa, que realiza um estudo aprofundado sobre a formação na vida consagrada, destaca a responsabilidade da Igreja perante esta vocação tão nobre, que expressa sua beleza no rosto dos mais diversos carismas, suscitados pelo Espírito Santo, ao longo dos séculos.

A Igreja, enfatiza Irmã Maria, entende a importância deste chamado para cumprir com eficácia sua missão universal e por isto, investe nestas vocações sobretudo no tocante à formação.

“Em uma chave de leitura educativa e mística da maturidade à luz do mistério pascal, o documento de Diretrizes sobre a formação nos Institutos religiosos, de 1990, revela o processo de maturidade como um programa formativo que dura toda a vida”, salienta.

A exortação pós sinodal Vita Consecrata, escrita pelo Papa João Paulo II , em 1996, expressa bem o apreço da Igreja por esta vocação, destacando que estes religiosos realizam junto a Igreja, sua grande missão: evangelizar.

“A presença universal da vida consagrada e o carácter evangélico do seu testemunho provam, com toda a evidência — caso isso fosse ainda necessário —, que ela não é uma realidade isolada e marginal, mas diz respeito a toda a Igreja”, afirma a Exortação de João Paulo II.

Campanha Missionária 2011 é apresentada durante o Encontro Nacional da JM


Durante o 3° Encontro Nacional dos Coordenadores Regionais da Juventude Missionária, Monsenhor Daniel Lagni, apresentou a avaliação da Campanha Missionária 2010. Destacou que a produção da Novena em DVD foi um sucesso que popularizou o tema, sendo utilizado até em outros países da América Latina e Europa.

Apresentou ainda o resultado parcial da coleta missionária do Dia Mundial das Missões, que teve um aumento considerável de cerca de 20% em relação à Campanha Missionária de 2009.

Lembrou, porém, que o objetivo principal da Campanha não é arrecadação de fundos, "mas criar nos cristãos uma consciência missionária voltada para a missão além-fronteiras", culminando com o gesto concreto que é realizado no Dia Mundial das Missões, penúltimo domingo do mês de outubro, neste ano 23 de outubro.

Concluiu expondo o tema e cartaz da Campanha Missionária 2011 (Missão na Ecologia) e afirmou que a experiência realizada em 2010 com as novenas e o DVD se repetirá, com exceção santinhos contendo a oração não serão mais editados.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Protestantismo e RCC - Dois lados da mesma moeda


Os Carismáticos mais uma vez




Recebi vários comentários do Sr $.o.$.
São interessantes as propostas e teses dele. Ele é carismático e defende seu movimento. Ele se define como católico apostólico romano. Fim das apresentações.

Vou isolar algumas sentenças que são centrais e contra-argumentam as minhas três postagens sobre a RCC.

Contra-argumento 1 - O "batismo" no Espírito Santo é uma Invensão (sic) Protestante ?

Tem pessoas que não leem a Bíblia, nem em casa e nem na Igreja, uma vez que, mais uma vez escreve tal absurdo. Todos nós estamos cansados de saber que João Baptista mandou que seus discípulos seguissem Jesus... Porque ? Porque ? Porque Ele era aquele que "BATIZAVA NO ESPÍRITO SANTO" ! O Que é Isso ? Do que se trata ?
Nem perguntaram a João, mas obedeceram sua ordem e foram atrás de Jesus, buscando é claro, uma resposta para o que João lhes havia falado. E O Batismo no Espírito Santo ? Não Receberam nada ! João lhes havia mentido então ? João Baptista inventou o Batismo no Espírito Santo ? São João Baptista era Protestante então ? Maria também era Protestante ? Ela estava no meio daqueles que receberam o Pentecostes ! Ou não estava ? agora deu um nó...

Esse argumento é incoerente e incompreensível. Não encontro nexo, lógica, começo ou fim nele! Creio que o internauta estava tentando justificar o “batismo no espírito santo” dos carismáticos, identificando-o com o batismo de João Batista. Será que acertei? Ou tenta identificar esse batismo diretamente com o batismo de Cristo?
Há uma confusão que é típica, pasmem, do meio protestante. O batismo de João Batista é (ou melhor, era) um batismo de conversão ou de penitência, não produzia uma marca sacramental na alma, como o batismo de Jesus Cristo.
O batismo de Jesus é feito não apenas no Espírito Santo, mas em toda a Trindade! O padre diz “eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.
O batismo carismático é totalmente diferente, nem batismo é! O batismo carismático, longe de ser um sacramento, é um rito de iniciação sem forma, ou seja, basta a pessoa ser “atingida” pelo suposto “dom de línguas” que ela foi batizada no espírito! Alguns dizem que para ser batizado no espírito a pessoa precisa desenvolver qualquer “carisma” especial (não só o dom de línguas...).
O batismo carismático segue a mesma linha do batismo metodista do movimento Holiness, onde não se objetivava um “sacramento” propriamente dito, mas um rito que “reanimasse” a fé. O movimento carismático “católico” objetiva, através do “batismo no espírito”, “reanimar” a fé da Igreja. Semelhança ou mera coincidência? A origem da RCC é protestante e não apenas eu afirmo isso, mas o próprio padre Raniero Cantalamessa, principal artífice da RCC no mundo:

“(...)Quero dizer aos fiéis, aos bispos, aos sacerdotes, que não tenham medo. Desconheço por que há medo. Talvez em alguma medida porque esta experiência começou entre outras confissões cristãs, como pentecostais e protestantes”.
Por isso a fixação dos carismáticos com o Pentecostes! Lá se inicia historicamente a Igreja e agora temos os milhares de novos pentecostes, iniciando novas “comunidades”, carismáticas, é claro!
Espero ter deixado isso claro. Só não entendi onde entra Maria em tudo isso. Só houve um único pentecostes e são os protestantes que criaram outros e os carismáticos compraram a idéia. Acho que o nó sumiu!

Contra-argumento 2 – A Bíblia

Exatamente por XV seculos não existia nenhum protestante na face da terra e creio que Martinho Lutero não escreveu sua própria Bíblia, apenas traduziu a Católica que a sagrada tradição preservou até aquele dia, porém não permitia que eu, uma pobre ovelhinha comesse esta grama verdinha e pura, hoje porém eu tenho este privilêgio e posso lêr as palavras de vida eterna que foram escritas para mim.
Parece um protestante falando de história, não é mesmo? Mas vamos lá!
Antes de Lutero não havia protestantes no sentido pleno, mas tínhamos os hereges! Protestante nada mais é que herege, ou seja, aquele que desviou da sã doutrina da Igreja. O fato de se chamarem protestantes se refere única e exclusivamente a alguns acontecimentos históricos e de fundo político.
O internauta usa o mesmo argumento dos protestantes mais incultos: a Igreja impedia a leitura da bíblia!
Seria, depois desse absurdo, muita maldade minha afirmar que o movimento carismático é protestante e deixa o pobre católico com uma mentalidade protestante? Acho que não, uma vez que até os argumentos e preconceitos acabam se tornando os mesmos!
A Igreja nunca proibiu a leitura da bíblia. Acontece que, na idade média, eram poucos aqueles que sabiam ler e uma bíblia, normalmente copiada a mão e com ilustrações trabalhosas, era muito cara. Depois Gutenberg inventou a prensa gráfica e isso praticamente coincidiu com a Reforma de Lutero. Resultado: a bíblia passou a ser produzida em massa.
E Gutenberg morava onde? Alemanha! A terra arrasada pela idéia protestante-herética. Lutero uniu a fome com a vontade de comer.
Outro erro do internauta “católico, apostólico, romano e carismático” é achar que a bíblia protestante (a de Lutero) é uma mera tradução da bíblia católica. Lutero iniciou do zero seu projeto bíblico, coletando vários textos e fazendo uma grande pesquisa. Tal pesquisa, contudo, não sobreviveu ao seu caráter. Lutero reconheceu todos os traços da Igreja Católica nas Escrituras, vendo que ela é realmente a única Igreja de Cristo, mas seu caráter (ou melhor, a falta dele) fez com que retirasse alguns livros do cânon bíblico. Fez isso inspirado única e diretamente pelo Espírito do seu próprio orgulho.
Lutero sabia que, se mantivesse a bíblia católica, sua revolução estava condenada, já que o pilar do protestantismo era a leitura da bíblia sob uma ótica individualista e particular. Um dia eles iriam ler tais livros e identificar a Igreja Católica! Lutero queria tirar até o Evangelho de João, mas pensou bem e achou que seria ir muito longe.
Algumas “ovelhinhas” não estão comendo “grama verdinha e pura”, mas veneno amargo! A leitura particular da bíblia é o maior perigo de todos os tempos! Dela nasceram os Adventistas, as Testemunhas de Jeová, os Neopentecostais e os Carismáticos!
Joseph Ratzinger já dizia que a leitura bíblica deve ser feita na Igreja e pela a Igreja. Isso não impede que a pobre ovelhinha leia a bíblia, mas interpretá-la é função da Igreja. A interpretação pessoal é um perigo.


Por isso eu leio na Bíblia Católica escrita a XXI séculos atrás a palávra Batismo no Espírito Santo e creio que a RCC não nasceu de nenhum protestantismo barato, porque esta Bíblia nos pertencia muito antes de Martinho Lutero ter Nascido ou o tal de "** não me lembro o nome dele, Wesley **", ter vivido a sua primeira experiência de Pentecostes que Maria Mãe de Jesus já havia vivido no início da Igreja.
Pentecostalismo é derivado de uma palavra Bíblica Católica, uma festa que os Católicos comemoram 50 dias após a Páscoa " A descida do Espírito Santo", nada de novo, nada de invensionismo protestante, tuto totalmente Católico a XXI seculos, se alguém copiou alguma coisa aqui, não fomos nós "RCC" ou Igreja Católica que vivia isto no passado, basta ler os Atos dos Apóstolos, mas foram eles que nos copiaram e passaram a viver o que a Igreja Católica Vivia no passado. Logo quando aderiram ao Espírito Santo, se é que aderiram mesmo, se tornaram um pouco mais Católicos porque agora poderão ser guiados à toda a verdade que não aceitavam antes e acabarão se tornando Católicos novamente como muitos já fizeram.

O Pentecostes é bem entendido pela Igreja, disso não há dúvida. O problema é que os carismáticos entendem o pentecostes de outra forma, muito mais simplista. Mas reparem que, na opinião do internauta, serão os protestantes que se tornarão “mais católicos” devido ao movimento carismático.
O empirismo prova o contrário. O próprio internauta já adota posturas protestantes e a protestanização de todos os carismáticos é evidente! Tomem posse da bênção, meus irmãos!
Essa adesão que ele se refere não é ao Espírito da Verdade, que desceu no Pentecostes, mas ao espírito da própria pessoa, da própria interpretação.
Onde estão as conversões de protestantes ao catolicismo? 400 mil anglicanos estão vindo em direção à Roma e não por causa da RCC, mas da Tradição Apostólica. Esses 400 mil celebram sua liturgia (embora inválida) na forma tradicional, como o rito tridentino. Os carismáticos fazem isso? E os 3 mil Assírios? Vieram buscando as missas de cura e libertação? Claro que não! A Duqueza de Kent, Tony Blair e o jornalista muçulmano vieram por quê? Para encontrar Jesus Cristo e a Tradição Apostólica da Sua Igreja.
Agora, as conversões do catolicismo da RCC para o protestantismo são muitas! Conheço várias (e são muitas mesmo) que agora estão “louvando o Senhor em templos protestantes”. A maioria era carismática!

Contra-argumento 3 – O dom de Línguas

Me lembro quando meu filho era apenas um bêbe, não conseguia falar nada, só resmungava até que começou a emitir alguns sons que eu não conseguia entender e ele também não. Mas não me lembro de criticá-lo por não saber falar e nem lhe censurei quando ficava conversando a noite inteira sem que eu lhe entendesse nenhuma palavra.
O Espírito Santo, porém, vem em auxílio de nossa fraqueza com gemidos inesprimíveis... ou inefáveis...
A que São Paulo se referia neste caso ? já que ele também disse em I Corintios 14 que gostaria que todos falassem em linguas...
Como você me explicaria, uma mulher Africana que nunca foi a uma escola sequer, mal entendia a existência de outros países que falavam diferente dela, após um retiro íntimo e sem o acompanhamento de nenhum Carismático ou protestante que lhe imfluensiasse, voltou para sua tribo falando sete idiomas diferentes, e hoje traduz palestras para os nativos que nada sabem de Deus, reunindo multidões e evangelizando diretamente através deste dom de linguas.

Uma contradição grave! Na nossa oração há prioritariamente um diálogo entre criatura e Criador, entre filho e Pai. Se oramos em “línguas desconhecidas” Deus, o destinatário da mensagem, permanece como você: sem entender nada! Ficamos lá resmungando, xiralalariando e nada de oração!
Agora como eu explicaria o caso da mulher que você me aponta? Deixe-me ver, deixe-me pensar... Não preciso explicar! Você já deu a resposta e não percebeu!!! Vamos lá.
Repare que você disse que essa mulher fez um “retiro intimo”. Supondo que ela realmente fez um retiro formidável, você dá a resposta quando afirma que ela estava “sem o acompanhamento de nenhum Carismático ou protestante” . Só isso já muda todo o cenário.
Supondo que ela realmente tenha recebido um dom extraordinário, um milagre, então ela volta “para sua tribo falando sete idiomas diferentes” . Que maravilha! Isso é um milagre de fato, um dom verdadeiro. Mas... você disse que ela voltou falando “sete idiomas”. Como pode ser!? Há algum problema, porque o infalivel guia da RCC dentro da CNBB (Dom Alberto) nos diz que:

“É um dom de oração cujo valor, enquanto 'linguagem de louvor', não depende do fato de que um lingüista possa ou não identificá-lo como linguagem no sentido corrente do termo". É uma linguagem a-conceitual, que se "assemelha" às línguas conceituais”

Então o dom da mulher africana é diferente do dom carismático! Já que ela voltou falando sete línguas no sentido pleno, ou seja, são idiomas que nós identificamos e que existem. Já o suposto dom carismático é um resmungar constante e não um idioma ou uma “linguagem conceitual”.
É justamente disso que se tratam os Atos dos Apóstolos (que você leu e não entendeu!). Eles começaram a falar e todos entendiam. Nada de xiralalaieroia!

Contra-argumento 4 – Magistério do Papa e dos Bispos

Você citou palavras de Dom Taveira, sobre Dom de Línguas e Profecia em Línguas e disse: Essa arbitrariedade e subjetividade da suposta “profecia” assemelham-se a tese de Lutero da inspiração direta do Espírito Santo sobre o leigo
Dom Taveira não disse nada de si mesmo, a não ser o que São Paulo escreveu aos Coríntios no Cap 12, 13 e 14,- logo se dirija a São Paulo para reclamar do que ele escreveu.
Tal ARBITRARIEDADE que você disse foi considerada pela Igreja Católica e seus Santos como uma palavra inspirada pelo Espírito Santo de Deus, tanto é que foi incluída como parte da nossa Bíblia Católica, sendo que você agora retiraria este texto de São Paulo porque você não concorda com ele e cairia em pecado grave por retirar não apenas um “til” da palavra de Deus, mas três capítulos completos.
Com suas palavras termino este texto, A Igreja como autêntica Interprete..., bem se vê que esta interpretação que aqui está estampada não foi pronunciada oficialmente em nome da Igreja, porque Dom Alberto é muito mais Igreja que um leigo tradicionalista que só aceita as palavras de um Bispo falecido em estado de afastamento da Igreja oficial comandada pelo atual Papa Bento XVI.

Eu nunca disse que a carta aos Corintios era uma arbitrariedade. Você lê e entende errado e bem errado. Eu nem citei essa carta ou qualquer outra. Se você interpreta errado o que eu escrevo (em linguagem moderna e de internet) o que será que não faz com a bíblia!?
O que eu encarei como arbitrariedade é a besteira levantada por Dom Alberto sobre a suposta profecia de línguas e não a inspiração dos livros da bíblia (de onde você conseguiu tirar isso???). Dom Alberto afirma que algumas “orações em línguas” são na verdade profecias e que certas pessoas (carismáticas) têm o dom de interpretá-las. Veja o absurdo!
Nem quando o assunto são as aparições e as profecias marianas a Igreja dá poder para um leigo interpretar. Só Ela (Igreja) com seu Magistério pode fazer isso! Veja o caso de Fátima (ou melhor, não veja, porque você pode interpretar errado...).
Agora vem um bispo me dizer que “pode”. Francamente! E não são nem profecias de fato, mas puro resmungar.
Você confunde Magistério dos bispos com o dos Papas. O poder de Dom Alberto não chega até mim porque eu não estou sob a mitra dele, ou seja, eu não sou membro da Igreja em Palmas.
Ainda que o meu próprio bispo viesse com uma explicação dessas, eu poderia questionar ao supremo Magistério, que é o Papa, sobre a validade de tal doutrina. Quantas vezes, na história da Igreja, padres e leigos recorreram ao Papa por orientação contra as teses erradas e heterodoxas dos seus bispos!
A nota de Dom Alberto é risível. Ela se propõe explicar sobre “alguns pontos da RCC à CNBB”, mas acaba não explicando nada e confundindo tudo. Admira-me os bispos da CNBB (na verdade, não me admira nada) não terem questionado essa nota. Ela parece ter sido elaborada por um leigo membro da RCC e não por um bispo.
Dom Alberto ao invés de mostrar a fundamentação teológica dos supostos dons da RCC acaba por dizer praticamente “isso é assim, nós cremos que é assim e então deve ser assim”. Não há qualquer base naquele documento, nada! A RCC é dom de Deus porque é e ponto final, praticamente diz a nota.
Depois de elevar Dom Alberto ao ultra-pontificado você me acusa de seguir Dom Marcel Lefebvre, “um Bispo falecido em estado de afastamento da Igreja oficial comandada pelo atual Papa Bento XVI” . Nada mais inoportuno.
Embora eu concorde com ALGUMAS críticas de Dom Marcel, discordo de todo o resto. Não sou, nunca fui e nem serei membro ou leigo da FSSPX. Leia o blog que você verá minha opinião sobre a FSSPX. Prefiro Dom Mayer!
Para você, carismático, todo aquele que discorda da RCC é cismático não é mesmo? Quem diz que a RCC é um erro só pode ser anti-Bento XVI. Cuidado, pois esse Papa pode trazer surpresas desagradáveis para sua “facção” da Igreja.

Contra-argumento 5 – Obediência à CNBB

A recomendação da CNBB é referente ao uso da palavra “vamos executar o Batismo no Espírito Santo”, o qual a RCC hoje não usa mais, dizemos será feito a Efusão no Espírito que não é um Sacramento, é apenas uma oração pedindo a Jesus que nos conceda o que nos foi prometido em Ezequiel 26,36, Jeremias 31,31 e Joel cap 3 , Efésios 4, etc... enquanto que o termo “Batismo no Espírito Santo” apenas explicamos às pessoas o que Ele significa e quem é que nos pode concedê-lo, portanto não desobedecemos o documento 53.

Vamos tomar posse da bênção! Parece até que, nas suas palavras, eu estou ouvindo RR Soares! Por que será?
Será que a RCC não usa mais a expressão Batismo no Espírito Santo? O documento 53 da CNBB é datado de 1994. Tem mais de uma década. Agora vejamos

A Renovação Carismática de Minas está de acordo com a orientação do Conselho Nacional. Estamos retomando o batismo do Espírito Santo como experiência fundante da própria Renovação. (cf. Tácito Coutinho in “Tempo de Celebrar Pentecostes em Minas” disponível em http://www.rccbrasil.org.br/atual/cobertura/noticias.php?cod_cobertura=2695)
O trecho acima é do site oficial da RCC e datado de 20/06/2008. O autor se refere ao Batismo e a Efusão como se fossem a mesma coisa. Não faz qualquer observação quanto à recomendação do Doc. 53 que impede (em tese) o uso do termo “batismo”.

MCS. Você assumiu a coordenação estadual da RCC Minas recentemente, e qual é a lema para esse novo tempo?
Batismo no Espírito Santo. Celebrar Pentecostes é fundamental. Voltar para o Batismo no Espírito Santo voltar para refontizar, foi o que Deus colocou em meu coração e é o que eu tenho procurado fazer. (cf. Tácito Coutinho, ibid)

Um seminario de vida no Espirito sem o batismo no Espirito Santo é a mesma coisa que você se formar e não querer receber o diploma. (cf. Misael in Fórum de Discussão da RCC-Brasil) 13/03/2006
Agora repare na resposta absurda dada por um carismático preocupado com a “possibilidade” de num seminário de vida não existir essa “experiência protestante” do “batismo no Espírito Santo”.

Sugiro que se procure a coordenação diocesano e/ou estadual, se relate a situação para que o Batismo no Espírito seja realidade constante na sua cidade,querida irmã. (cf Edson in Fórum de Discussão da RCC-Brasil) 23/03/2006

Agora, no mesmo forum, o sr. Luis Ricardo nos escreve uma pérola

Caro irmão.
Isto é muito mais sério, e tem acontecido muito por ai sim.
Percebermos muitos irmãos e irmãs que estão a frente de grupos de oração, lideranças, que se quer oram em línguas em grupos !
Isso é muito triste, mas real .
Muitos grupos não tem mas dedicado verdadeiramente ao grande momento da Efusão do Espírito Santo para as pessoas da assembléia durante as reuniões de oração .
Talvez porque eles próprios que estão a frente, estejam precisando de um grande e novo derramamento do Espírito Santo em suas vidas, uma verdadeira RENOVAÇÃO
 .

Ele usa o termo efusão, como você propõe e a CNBB recomenda. Mas veja que ele diz que esses lideres carismáticos estão precisando de um novo derramamento do Espírito. É a essência do movimento metodista Holiness, pai da RCC. Nada é bom o bastante, tudo precisa ser constantemente renovado, derrubado e refeito, reformado. Assim, acatando a sugestão do sr. Luis Ricardo, haverá uma RCC da RCC. Que absurdo!
Outro absurdo, no mesmo fórum, é o seguinte:

Temos assistido a inverssão, estamos querendo tirar os carismas, e Louvor da Renovação e querendo ensinar teologia. Não que nao tevemos aprender, mas a maioria dos servos são gente simples, como o povo de Deus no Antigo testamento. (cf. Beto Cavalcante in Fórum de Discussão da RCC-Brasil) 05/12/2006
O fundador da Canção Nova, padre Jonas Abib, completa 35 anos de batismo no Espírito Santo nesta quinta-feira, dia 2. O sacerdote recebeu uma oração do Padre Haroldo Hans, que trazia esta novidade dos Estados Unidos, em 1971. O batismo no Espírito é a experiência de manifestação do Espírito Santo no interior de uma pessoa. Acontece com a manifestação do dom de rezar em "novas línguas ", como é relatado na Bíblia, no livro dos Atos dos Apóstolos, capítulo 2. (cf. 12º Congresso Mundial das Novas Comunidades in Canção Nova Eventos) 02/11/2006
Como vê caro internauta, essa história de que a RCC não usa mais essa expressão confusa para designar uma experiência subjetiva é conversa fiada! Usa sim e continua confundindo as pessoas.

Contra-argumento 6 – Pirô na batatinha

O fato de dizer, que vivemos algo novo, não é novidade nenhuma, porque o próprio Jesus é o mesmo ontem, hoje e sempre, e o que se viveu ontem não é o mesmo que se vive hoje, e nem se viverá amanhã, a missa de ontem não é a mesma de hoje, mesmo que a de hoje seja exatamente igual a de ontem e o Corpo de Cristo que foi consagrado hoje não seria necessário, uma vez que foi consagrado ontem, mas uma vez que o Corpo é o mesmo se diz apenas que é uma renovação do Sacrifício de Cristo, já que Ele morreu uma vez para sempre, então será um Sacrifício sempre novo e atual. “há mas esqueci que vc não aceita o CV II”.

Jesus é o mesmo ontem, hoje e sempre ou não? Porque segundo a sua afirmação eu acho que não, já que “o que se viveu ontem não é o mesmo que se vive hoje, e nem se viverá amanhã”
Você está começando a mudar os “~” da Bíblia! Cuidado!
Se alguém entendeu a sua declaração sobre o sacramento da Eucaristia, por favor me escreva porque eu não entendi!
Onde essa sua idéia absurda está explicada no Vaticano II? Creio que ela vai contra o Concílio de Trento, o mais “sacramental” dos concílios. E você pode estar em perigo de excomunhão se acredita na sua tese “eucarística” acima. De qualquer forma eu não a entendi.
Creio que você é que não aceita o Vaticano II, inventando teses mirabolantes, lendo e interpretando a bíblia ao seu gosto, etc.

O Fato de se salvaguardar a fé, logicamente é obvio que seja uma obrigação de todos nós, inclusive da RCC, que ensina e prega a palavra muito mais que outros movimentos, devemos usar este dom “Como se diz”, para conduzir o povo em direção aos caminhos indicados pela Igreja Católica, pior seria deixar estas ovelhas sem amparo e desprezadas sem nenhum conhecimento da palavra de Deus susceptíveis à astúcia de qualquer principiante no protestantismo, que arrebataria uma ovelha despreparada com apenas uma palavra, já que o Católico não teria como se defender com a falta de conhecimento da palavra de Deus segundo os princípios Católicos.
Quem dera a RCC fosse católica! Mas o DNA protestante fala mais alto. Posso enquadrá-lo como principiante no protestantismo? Você fica interpretando a bíblia, crendo em histórias absurdas típicas dos protestantes e fica citando Maria ali e acolá como forma, quem sabe, de manter uma certa “fachada” católica. Agora entendo suas colocações de Maria em frases onde a Santíssima Virgem não caberia.

Contra-argumento 7 – Magistério, novamente

Quem é este tal de Magistério da Igreja ?
Porque vejo aqui todo mundo discordando daquilo que a Igreja ensina, discordaram até da palávra de um Bispo, se Ele não representa o Magistério, quem reprensentaria então?
Danilo ? ou Magdália ? Talvéz Dom Marcel Lefebvre ou seria Orlando Fedeli ? Da mesma forma que Li críticas sobre pessoas defendendo Pe. Jonas com unhas e dentes, até mesmo sobre prováveis erros que desconheço, vi a Magdália e outros defendendo o Prof. Orlando Fedeli da mesma forma, até recebi um comentário em meu blog dizendo ser ele um "Fedelíssimo", não fidelíssimo, porque seria totalmente fiel somente a Fedeli e não ao Papa ou a qualquer outro. Erros encontramos em todo lugar.
Mas quando vier o que é perfeito...
Tudo será renovado....
Amem.
In Corde Jesu, Semper.

Ora, ora, ora. Novamente vemos que, segundo o autor dessas pérolas, qualquer opinião emitida por alguém que segue as críticas feitas por Dom Marcel ou pelo Prof. Orlando está automaticamente invalidado dentro da Igreja.
Reafirmo que concordo parcialmente com Dom Marcel, mas não sou um dos seus seguidores. O mesmo vale para o prof. Orlando Fedeli.
Às vezes faço algumas citações do prof. Fedeli, mas eu cito muitas coisas e até de fontes que algumas pessoas não gostam, como Dom Estevão (RIP). Dom Estevão faleceu em comunhão com a Igreja e eu o citei várias vezes nos artigos sobre a RCC. Isso torna minhas críticas válidas?
Foi justamente prevendo reações como essas que só citei pessoas que estão formalmente dentro da comunhão, para evitar que desconsiderassem o argumento devido ao seu autor.
Magdalia é mais próxima de ambos, mas isso também não invalida as críticas que ela faz. Por quê? Porque acima de Fedeli, Marcel ou dom Estevão está o Sucessor de Pedro. Se estivermos com ele, estaremos na barca segura preferida por Cristo.
Mas eu nunca assinei minhas postagens ou e-mails com o In Corde Jesu, Semper típico das postagens do prof. Orlando Fedeli... E agora? Outro nó?
Sobre a “palavra de um bispo”, referindo-se ainda à nota de Dom Alberto, eu discordo mesmo! Discordo como discordo das teses de Ario, Nestório, Melécio ou Fócio, todos membros da hierarquia eclesial do seu tempo e hereges. Dom Alberto não chega à heresia, mas defende algo que surgiu da e na heresia.

Contra-argumento 8 – Dominação Carismática

Eu não sabia que os Carismáticos já são maioria na Igreja a ponto de domina-la por completo, em minha cidade ainda somos minoria e praticamente não dominamos e nem somos dominados por ninguém, apenas convivemos fraternalmente auxiliando uns aos outros. Antes a RCC era perseguida, depois passou a ser tolerada, foi apoiada e até recomendada, mas esta história da RCC dominar a todos é um absurdo por completo.
Então deixe-me contar uma história verídica
Era uma vez a diocese de Piracicaba. Ela tinha um bispo e uma quantidade razoável de padres. Infelizmente a diocese era tomada pela Teologia da Libertação e não havia uma única paróquia que escapasse.
Na Paróquia de Nsa Aparecida, dessa diocese, havia um padre, o primeiro pároco da paróquia. Padre Joaquim era curto e grosso nas homilias, ia direto ao assunto.
Pe. Joaquim construiu com muito esforço o prédio da Matriz. É um prédio austero, simples e, até certo ponto, feio. Parece um templo protestante, mas comparando com outras igrejas o povo da paróquia até que tava no lucro.
No altar havia a toalha, tínhamos duas velas, como manda o missal, mas Pe. Joaquim não gostava muito da casula...
Com Pe. Joaquim não havia a “Equipe de liturgia”, ou melhor, havia, mas era limitada ao pessoal do coro. Toda a liturgia era organizada (não é a melhor palavra, mas serve) pelo Pe. Joaquim e não mudava muito. Na hora da doxologia, Pe. Joaquim parava, nos encarava e dizia bem alto e sem pudor “a parte vocês é só o amém”. Todo mundo respeitava.
Pe. Joaquim faleceu num acidente de carro.
Veio o atual pároco. Carismático.
A paróquia mudou, todo mundo ficou animado e entusiasmado. Começaram as encenações da equipe jovem, bem no meio da missa. Começaram os grandes atos na procissão de entrada, semelhantes aos da basílica de Aparecida (teve até barco no dia 12/10). A arquitetura da matriz mudou; atrás da cruz principal foram colocadas luzes e pedras. Ora ascende verde, ora amarelo... Legal!
Agora se canta “parabéns”, para os aniversariantes da semana, na missa. Começou uma equipe de dança litúrgica, mas não foi pra frente. Ganhamos bateria, chocalho e guitarra elétrica.
O povo estava eufórico.
Uma pequena equipe de carismáticos foi “convidada” a formar a “Equipe de Liturgia”. Estão lá até hoje, garantindo que as reformas que o novo pároco iniciou continuem assim. Os antigos membros do coro deixaram à igreja e percorrem 5 km para assistir a uma missa no centro da cidade.
Essa equipe “carismática” manda na missa. Não existe missal. O que ele vêem nas missas da Canção Nova às 20h, colocam em prática no dia seguinte. E ninguém pode contestar a legalidade desses atos. Quem questiona ou quem diz coisas do tipo “ah, a missa não poderia ser um pouco menos barulhenta” é removido.
Só que o tempo passa. E como o carismatismo é focado no humor das pessoas e não no sagrado de Deus, já está perdendo força. Nessa paróquia já se começa a ouvir frases impensáveis há três ou quatro anos; frases do tipo “no tempo do Pe. Joaquim é que era bom, não tinha bagunça”.
Essa é a história resumida da minha paróquia. Por isso meu bispo endereçou uma carta pedindo aos membros da RCC que não objetivem apenas o crescimento do seu próprio movimento, de forma sectária e proselitista.
Mesmo que os carismáticos não sejam (ainda) a maioria, eles conseguem se colocar em lugares estratégicos, notadamente a pastoral da liturgia das paróquias. Destrua a o culto e você destrói a fé. Houve uma explosão carismática na minha diocese graças aos padres jovens (- de 35 anos) e entusiasmados. Eles implantaram esse movimento aqui e o fortalecem colocando carismáticos como gerentes das suas paróquias. São minoria, mas poderosa. E aí de nós se abrirmos à boca!

Contra-argumento 9 – Liberdade Religiosa


Em relação à excomunhão proposta por Danilo, sabemos que a Igreja hoje não ensina mais tal coisa, sei que é discutível este fato, mas a liberdade religiosa garante uma convivência harmônica entre as diversas denominações religiosas sem ficar promovendo guerra entre os filhos do mesmo Pai, “não gostou do termo” veja – “tenho outras ovelhas que não são deste aprisco, preciso conduzi-las também...”, ainda bem que o meu Pastor é Jesus, se não a resposta seria,
“tá machucada a ovelhinha, não dá recuperação, já esta morta mesmo, que morra logo...”


Que absurdo. Quanto à citação do internauta, novamente vemos a subjetividade da livre interpretação bíblica pregada pela RCC, com origem protestante. Até aqui, só negaria a influência protestante na RCC e o fato desta conduzir inevitavelmente ao protestantismo mais execrável, quem realmente é muito tolo! Os sinais são claros e o nosso irmão internauta pensa e age como protestante, embora afirme que com esse “novo pentecostes” chamado RCC são os protestantes que voltarão para a Igreja Católica. Quanta ilusão.
São 40 anos de RCC e quantas conversões mesmo? Se contarmos o fluxo inverso, da Igreja Católica para as denominações protestantes, então teremos que encarar a realidade e ver que a RCC contribuiu para o Brasil ser, hoje, o maior país neo-pentecostal do mundo! Em 15 ou, sendo otimista, 20 anos o catolicismo será de 30 à 40% da população. Na minha diocese, onde proliferam os carismáticos, já temos o maior índice de protestantes do interior, da ordem de 40% da população.
Vejam a citação completa:

João - Capítulo 10
Em verdade, em verdade vos digo: o que não entra pela porta no aprisco das ovelhas, mas sobe por outra parte, esse é ladrão e salteador. 2 Aquele, porém, que entra pela porta, esse é o pastor das ovelhas.3 Para este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, ele chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz para fora. 4 Depois de fazer sair todas as que lhe pertencem, vai adiante delas, e elas o seguem, porque lhe reconhecem a voz; 5 mas de modo nenhum seguirão o estranho; antes, fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos. 6 Jesus lhes propôs esta parábola, mas eles não compreenderam o sentido daquilo que lhes falava. 7 Jesus, pois, lhes afirmou de novo: Em verdade, em verdade vos digo: eu sou a porta das ovelhas. 8 Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não lhes deram ouvido. 9 Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem. 10 O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. 11 Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida pelas ovelhas. 12 O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, vê vir o lobo, abandona as ovelhas e foge; então, o lobo as arrebata e dispersa. 13 O mercenário foge, porque é mercenário e não tem cuidado com as ovelhas.14 Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, 15 assim como o Pai me conhece a mim, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. 16 Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor.


Essa passagem do “um só rebanho” tem sido tema de acaloradas discussões entre os ecumenistas. A verdade é uma só, Jesus é um só (por mais que o nosso internauta creia que ele mudou, já não sendo o mesmo ontem, nem hoje, muito menos sempre). As ovelhas fora do rebanho são aqueles tomadas de assalto, levadas pela heresia e dispersas da unidade com o bom pastor. São também aquelas que ainda não ouviram sua voz, não foram evangelizadas! São ovelhas feridas, mas que são chamadas constantemente pelo Bom Pastor.
A Igreja nunca ensinou que, em nome da tolerância religiosa, se tenha liberdade plena de pertencer à Igreja de Cristo e, depois de conhecê-la, deixá-la sem qualquer conseqüência. A Igreja é o Corpo Místico de Cristo e quem o deixa conscientemente deixa a salvação. Isso a Igreja sempre ensinou.
Por que, caro internauta, tanto medo da excomunhão? Se a Igreja não ensina mais que aderir ao erro protestante (heresia) é caso para tal...
Quem se torna protestante está sim em estado de excomunhão, caso contrário batistas, adventistas, luteranos e membros da IURD poderiam comungar a Eucaristia conosco.
E aqueles que, como o internauta, defendem idéias protestantes, mas estão dentro da Igreja? Deixo isso para os canonistas.

Para finalizar, o que nós, católicos normais, devemos fazer é rezar (em línguas conhecidas) e rezar muito. Na RCC há muito mais problema do que sugere a nossa vã filosofia. Rezemos por todos os membros da RCC; rezemos pelo Papa, para que ele tenha força nas reformas que tão bem farão à Igreja e que sepultarão a RCC de vez. Rezemos pelos cardeais, futuros papas, para continuem a proposta de Bento XVI.

Planeta Brasileiro