Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

domingo, 22 de maio de 2011

Ter fé em Jesus significa segui-lo todos os dias, afirma Papa



AP
Fiéis reunidos na Praça São Pedro acompanham o Regina Coeli com o Papa Bento XVI
"A fé em Jesus significa segui-lo todos os dias, nas ações simples que compõem o nosso dia", destacou o Papa Bento XVI, neste domingo, 22, antes da oração do Regina Coeli, com os fiéis reunidos na Praça São Pedro, no Vaticano.

O Santo Padre destacou que é próprio do mistério de Deus agir de modo calmo. "Ele constrói lentamente na grande história da humanidade, a Sua história. Torna-se homem, mas de modo a permanecer ignorado por seus contemporâneos, e pelas forças influentes na história. Sofre e morre e, como o Ressuscitado, ele quer chegar à humanidade somente através da fé dos seus aos quais ele se manifesta. Ele sempre bate suavemente às portas de nossos corações, e se nós a Lhe abrimos, lentamente nos torna capazes de 'ver'”.

Santo Agostinho afirma - recordou o Papa - que "era necessário que Jesus dissesse: 'Eu sou o caminho, a verdade e a vida' (Jo 14:6), porque uma vez conhecido o caminho, era necessário conhecer a meta', e a meta é o Pai. Para os cristãos, para cada um de nós, portanto, o Caminho para o Pai é deixar-se guiar por Jesus, pela sua palavra de Verdade, e aceitar o dom de sua Vida".

Durante este quinto domingo da Páscoa, Bento XVI assegurou que crer em Deus e em Jesus não são dois atos separados, mas sim um “único ato de fé”.

“O Filho de Deus, através da sua encarnação, morte e ressurreição, nos libertou da escravidão do pecado para nos dar a liberdade dos filhos de Deus e nos fez conhecer a face de Deus que é amor: Deus pode ser visto, é visível em Cristo”.

Santa Teresa d’ Ávila escreve, - disse ainda o Papa - que “não devemos nos distanciar do que compõe todo o nosso bem e o nosso remédio, isto é da santíssima humanidade de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Portanto, somente acreditando em Cristo, permanecendo unidos a Ele, os discípulos, entre os quais também nós, podem continuar a sua ação permanente na história: “Em verdade, em verdade, vos digo - disse o Senhor – quem acredita em mim, fará as obras que eu faço” (Jo 14:12).

Após o Regina Coeli, o Santo Padre recordou a beatificação de Irmã Dulce, hoje, em Salvador (BA) e enviou a todos sua Benção Apostólica. 
Postar um comentário

Planeta Brasileiro