Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

domingo, 1 de maio de 2011


Roma celebra a beatificação de João Paulo II

Esquema especial de segurança foi montado para o evento, do qual participaram dezesseis chefes de Estado, além de representantes de 86 delegações estrangeiras

Mais de um milhão de pessoas invadiram Roma para assistir neste domingo, na Praça São Pedro, à cerimônia de beatificação de João Paulo II, que morreu há seis anos. A capital italiana se transformou para a ocasião, com centenas de cartazes em ônibus, ruas, praças e edifícios públicos com a inscrição "Beatus!" acompanhada da foto do pontífice polonês. Até os bilhetes de metrô e ônibus trazem o rosto do ex-papa. 
Por questões de segurança, apenas 100.000 pessoas estiveram na Praça São Pedro, onde ocorreu a cerimônia. Dividido em nove áreas, o local estava pronto para a beatificação desde quarta-feira. Muitos aplausos e gritos de "santo subito" ("santo já"), como no dia do funeral de João Paulo II, foram ouvidos.

Os números da beatificação

Curiosidades da celebração no Vaticano

  1. • 100.000 poloneses na plateia
  2. • Delegações oficiais de 87 países
  3. • 100 cardeais na celebração
  4. • 500 bispos
  5. • Coral com 710 membros
  6. • Decoração com 25.000 rosas
  7.  3.500 voluntários
  8. • 1 mihão de garrafas d'água vendidas
  9. • 400 banheiros químicos
Ao pronunciar a frase em latim que elevou o antecessor, com o qual colaborou durante 23 anos, à glória dos altares, Bento XVI usava a casula e a mitra de João Paulo II: "Concedemos que o venerado Servo de Deus João Paulo II, Papa, seja de agora em diante chamado beato", proclamou ele. Bento XVI também usou o cálice que João Paulo II utilizou nos últimos anos.
João Paulo II - A beatificação do papa polonês, que faleceu no dia 2 de abril de 2005, aos 84 anos, é o passo anterior à canonização e é realizada em tempo recorde, inferior aos cinco anos normalmente necessários para iniciar o processo. O novo beato, que está entre os papas que mais tempo ocuparam o trono de Pedro, transformou a face da Igreja em quase 27 anos de pontificado. 
Em sua homilia, Bento XVI - primeiro pontífice em vários séculos a proclamar beato seu antecessor - afirmou que João Paulo II "abriu a Cristo a sociedade, a cultura, os sistemas políticos e econômicos, invertendo com a força de um gigante, força que vinha de Deus, uma tendência que podia parecer irreversível", afirmou o Papa. "Ele ajudou os cristãos de todo o mundo a não ter medo de serem chamados de cristãos, de pertencer à Igreja, de falar do Evangelho."

Bento XVI também recordou que o papa polonês confrontou o marxismo de um ponto de vista cristão e foi uma voz importante na resistência ao comunismo. "Aquela carga de esperança que de certa maneira se deu ao marxismo e à ideologia do progresso, ele a reivindicou legitimamente para o cristianismo, restituindo a fisionomia autêntica da esperança", disse.
Cerimônia - As autoridades de Roma adotaram um esquema especial de segurança para o evento, do qual participaram dezesseis chefes de Estado, além de representantes de 86 delegações estrangeiras. Na lista de personalidades estão vários príncipes e reis, como os monarcas da Bélgica, Alberto e Paola, e os príncipes da Espanha, Letizia e Felipe. 
caixão de João Paulo II foi levado na última sexta-feira de sua sepultura nas grutas do Vaticano para a tumba de São Pedro, a poucos metros, para passar o domingo na nave principal da basílica vaticana, exposto durante a beatificação e para veneração dos fiéis. Segundo a Santa Sé, as portas da basílica ficarão abertas "até o último fiel". Na segunda-feira à noite, o caixão será colocado definitivamente na capela de São Sebastião, ao lado da onde está localizada a célebre estátua Pietà de Michelangelo, na ala direita da Basílica de São Pedro.
O culto litúrgico do novo beato será celebrado no dia 22 de outubro de cada ano, no aniversário do começo do pontificado de João Paulo II, em 1978. Para chegar à beatificação, foi suficiente provar que intercedeu na cura inexplicável para a ciência humana da freira francesa Marie Simon-Pierre, que sofria do Mal de Parkinson, o mesmo que devastou sua saúde. A freira, de 50 anos, enfermeira de profissão, assistirá à cerimônia.
Para que João Paulo II seja canonizado, será preciso provar que, segundo as regras da Igreja, ele intercedeu em um novo milagre. Milhares de pessoas enviaram a um site do Vaticano testemunhos de milagres alcançados por meio de orações, pedidos e invocações ao papa polonês. No total, 270 casos foram selecionados para serem estudados.
(Com agência France-Presse)
Postar um comentário

Planeta Brasileiro