Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

domingo, 22 de maio de 2011

Irmãos Comecemos


Esta frase, atribuída a São Francisco de Assis, deixa antever perfeitamente a sua atitude perante a vida. O passado, para ele, contava pouco, porque, além de o recordar como tempo perdido, estava fora do âmbito da criatividade.
O que realmente lhe interessava era o presente, que nos modela e define; dito de outra maneira, viver o presente é definitivo, porquanto é no tempo presente que encaixam as nossas opções para conseguirmos ser o que sonhamos. Daí o facto de estarmos sempre a começar, a decidir a rota do nosso caminho, o destino do nosso futuro.
Francisco entendeu a sua vida como uma resposta agradecida ao chamamento criador do Senhor. E a esse chamamento, sempre novo e renovador, que se escuta no presente, só na actualidade se lhe pode dar resposta. Por isso, procurou, dia a dia, a melhor forma de ser fiel a esse projecto que se manifestava como a vontade actualizada de Deus sobre a forma e o destino da sua vida.
O presente era para ele esse momento da graça em que podia esquecer o seu velho passado e modelar livremente o seu futuro de acordo com a novidade que o seguimento de Jesus lhe inspirava.
Por isso, não estranha que os seus contemporâneos tenham visto em Francisco esse homem novo que incarnava a frescura do Evangelho e despertava a necessidade de começar a viver o quotidiano de uma forma nova. Uma novidade que se caracterizava pelo abandono e pastoreio dos próprios desejos para caminhar com  entusiasmo  ao  encontro  de  Deus e  dos outros.
Mas, de Francisco, podia dizer-se que não só era o homem novo como também o homem do futuro, dado que nele se reflectia o ideal cristão, o que todos queriam e desejavam ser.
A novidade que Francisco apresenta ao homem do seu tempo, embora valorize o presente como fundamental, é que essa nova forma de viver também tem futuro, pelo que é a chave do entendimento entre os homens.
O novo modo de ter uma experiência de Deus e, por conseguinte, do ser humano -com a sua carga de dignidade e respeito - o mesmo que à natureza, da qual formamos parte, constitui a garantia de que não estávamos condenados a viver só o presente mas que temos vocação de futuro onde possamos projectar nossos sonhos e vê-los, um dia, plenamente realizados.
Francisco, como homem novo que tem futuro, convida-nos a começar todos os dias a nossa tarefa de viver o nosso projecto evangélico. Porque esperamos?
Frei Júlio Mico
Postar um comentário

Planeta Brasileiro