Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sábado, 29 de janeiro de 2011

PAPA A SACERDOTES E SEMINARISTAS ETÍOPES: "TRILHEM COM DETERMINAÇÃO CAMINHO DA SANTIDADE"

Bento XVI recebeu em audiência na manhã deste sábado, na Sala dos Papas, no Vaticano, a "Comunidade do Colégio Etíope no Vaticano", por ocasião dos 150 anos da morte do padroeiro da mesma, São Justino De Jacobis.

O Papa recordou essa figura luminosa de evangelizador exortando sacerdotes e seminaristas a serem sinal de esperança para a Igreja e a contribuírem para a convivência pacífica das nações etíope e eritreia.

"Trilhem com determinação no caminho da santidade": foi a exortação do Santo Padre aos sacerdotes e seminaristas do referido Colégio. Uma instituição – ressaltou – que é "sinal dos antigos e profundos laços de comunhão que unem a Igreja na Etíope e na Eritreia à Sé Apostólica":

"Vocês são um sinal de esperança, especialmente para a Igreja em seus países de origem. Estou certo de que a experiência de comunhão vivida aqui em Roma os ajudará também a dar uma preciosa contribuição para o crescimento e para a pacífica convivência de suas amadas nações."

De fato, o Pontífice recordou a luminosa figura de São Justino De Jacobis, padroeiro do Colégio etíope, que dedicou toda a sua vida a serviço do povo abissínio, e em particular à formação dos padres etíopes:

"Justino intuiu com visão de futuro que a atenção ao contexto cultural deveria ser um caminho privilegiado no qual a graça do Senhor formaria novas gerações de cristãos. Aprendendo a língua local e favorecendo a multissecular tradição litúrgica do rito próprio daquelas comunidades, ele trabalhou também por uma eficaz obra ecumênica."

Bento XVI deteve-se sobre a atividade do Pontifício Colégio que ajuda os seminaristas "em seu compromisso de preparação teológica, espiritual e pastoral". Exortou os sacerdotes formados em Roma a "suscitarem em cada um o amor a Deus e à Igreja", uma vez retornados à comunidade de origem ou quando acompanham os compatriotas emigrados para o exterior. Seguindo o exemplo de São Justino – acrescentou – saibam que para vocês sacerdotes e seminaristas "é traçado o caminho da santidade":

"A santidade se coloca, portanto, no coração do próprio mistério eclesial e é a vocação a qual todos somos chamados. Os Santos não são um ornamento que reveste a Igreja a partir de fora, mas são como as flores de uma árvore que revelam a inexorável vitalidade da linfa que a percorre."

"Apesar do caráter próprio da vocação de cada um, não somos separados entre nós; somos, ao invés, solidários na comunhão interna de um único organismo espiritual – observou o Pontífice.

Cristo – disse ainda – "conquistou" a nossa vida. E, todavia, "não suprime as qualidades características da pessoa". Pelo contrário, "as eleva, as nobilita e, fazendo-as suas, as chama a servirem ao seu mistério e à sua obra" – concluiu Bento XVI. (RL)
Postar um comentário

Planeta Brasileiro