Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Vocacionados do Presente e do Futuro

A mensagem do Papa Bento XVI, por ocasião da 24ª Jornada Mundial da Juventude, celebrada em 05 de abril de 2009, apresenta elementos que ressaltam a vocação da juventude pós-moderna do Terceiro Milênio à esperança e ao futuro. “Uma esperança que alimenta sonhos, ideais e projetos de vida. Uma esperança que amadurece as opções”, escreveu Bento XVI.
No texto, o Papa destaca o Espírito Santo, capaz de renovar a vida dos jovens desafiados a ouvir o chamado e a se questionar: “que devemos fazer?” (cf. At 2,37). Destaca também a extraordinária conversão de Paulo, um jovem inquieto, de aproximadamente 25 anos, a caminho de Damasco, que “envolvido por uma luz misteriosa”, ouve o chamado pelo próprio nome: “Saul, Saul…” (At 9,4), e é transformado pela pessoa de Cristo Jesus. Após aquele encontro, sua vida mudou radicalmente e ele tornou-se o Apóstolo das Gentes. Paulo é um ícone vocacional para a juventude de hoje.
Que caminhos nossos jovens estão seguindo? Como concretizar um trabalho vocacional de interação com as pastorais de juventude e movimentos? Para o Serviço de Animação Vocacional (SAV) a necessidade dessa interação é urgente. Contudo, lembremos que a Igreja não deve ficar à espera da chegada dos jovens, mas deve ir até eles nas “várias praças” juvenis, um dos principais temas refletidos no 2º Congresso Vocacional do Brasil, realizado em Itaici, Indaiatuba (SP), em setembro de 2005. Antes ainda, o Ano Vocacional de 2003 já insistia na importância da animação vocacional junto aos jovens e o mundo universitário.
O SAV deve trabalhar em conjunto com outras pastorais e movimentos juvenis. Um serviço dinâmico e integrado com as Pastorais da Juventude, a Pastoral Familiar e Catequese, principalmente. Lemos no documento do Ano Vocacional: “Porque a juventude é o momento da decisão vocacional e da inclinação natural para a vida em grupo” (cf. n. 164). No âmbito paroquial, os grupos de jovens formam-se, em muitos casos, a partir da preparação para receber o sacramento do crisma. Nesse aspecto, o Documento 85 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Evangelização da Juventude, traz pistas de ação para ajudar o jovem a definir e elaborar seu projeto de vida aborda a “Catequese Crismal” e a formação integral dos jovens, o engajamento nas pastorais e comunidades, entre outros pontos (cf. n. 110 e 111).
Devemos olhar a juventude como a vocacionada “do presente e do futuro da Igreja”, como afirmaram os bispos, em Aparecida. Essa juventude vocacionada necessita ser amada pela Igreja, já dizia Dom José Mauro, de saudosa memória, época em que era o bispo responsável pela evangelização da juventude na CNBB. Ele afirmava que precisamos nos reencantar pela juventude.
Felizmente Dom Eduardo Pinheiro da Silva, o jovem bispo dos jovens, que continuou o trabalho de Dom José Mauro na CNBB, também é um apaixonado pela juventude. Na entrevista que concedeu à revista Rogate (cf. n. 257, nov. 2007), D. Eduardo destacou pontos essenciais sobre a necessidade do trabalho conjunto com a Pastoral Vocacional, revelando que o seu despertar vocacional aconteceu na vivência do grupo de jovens.

Postar um comentário

Planeta Brasileiro