Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Missa de despedida de dom Lorenzo Baldisseri



A Catedral Metropolitana de Brasília lotou na manhã deste domingo, dia 5, em ocasião da Missa em Ação de Graças pelos trabalhos realizados por dom Lorenzo Baldisseri à frente da Nunciatura Apostólica do Brasil.

Dom Lorenzo foi o representante diplomático da Santa Sé em nosso país durante nove anos. Mas, no último dia 11, o religioso foi nomeado pelo Santo Padre, o papa Bento XVI, secretário da Congregação para os Bispos.

O Núncio irá substituir e assumir as funções de dom Manuel Monteiro que será criado cardeal na cerimônia do próximo dia 18, data na qual o ex-arcebispo de Brasília e atual prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, dom João Braz de Aviz, também receberá o cardinalato.

Durante a Celebração, diante de leigos, fiéis, embaixadores, autoridades políticas e religiosas de toda a parte do mundo, o Núncio demonstrou o apego ao país e, emocionado, agradeceu a Igreja e a nação Brasileira. “Nesta celebração, quero elevar louvores a Deus e a imensa gratidão pelos anos transcorridos no Brasil como Núncio Apostólico. Carregarei o Brasil em meu coração”, assegurou o religioso.

Os presentes demonstravam a reciprocidade no sentimento com intensos aplausos, sorrisos alegres e faixas com mensagens carinhosas em homenagem ao Núncio.

O arcebispo de Brasília (DF), dom Sérgio da Rocha, além de agradecer a dom Baldisseri “pelo bem realizado”, expressou publicamente as felicitações ao bispo pela nomeação. “Essa nova missão, recebida pelo papa Bento XVI, é sinal da confiança, do reconhecimento da competência e da larga experiência diplomática nas diversas regiões do mundo adquirida por dom Lorenzo ao longo de tantos anos”, afirmou dom Sérgio.

Já o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno, relatou sobre o desempenho, a dedicação e o papel de intermediário de comunicação entre a Santa Sé e o Governo do Brasil. “Esteve sempre à frente nas ocasiões em que se fazia necessária a presença do representante do Santo Padre, chefe do Estado da Cidade do Vaticano, junto ao governo brasileiro”.

Em certo momento, dom Damasceno chegou a reproduzir a definição de Núncio Apostólico proferida pelo papa Bento XVI, durante discurso na Escola de Diplomata no Vaticano, comparando a semelhança com as atitudes do novo Secretário da Congregação para os Bispos: “O Núncio é um sacerdote, um bispo, um homem que escolheu viver a serviço de uma palavra que não é a sua. De fato, é um servo da palavra de Deus. Foi investido, como cada sacerdote, de uma missão que não pode ser desempenhada a meio termo, mas precisa que ela seja, como toda a sua vida, uma ressonância da mensagem que lhe esta confiada, a do Evangelho”.

Além das funções diplomáticas, criações de dioceses, visitas às arquidioceses, presença nas reuniões e Assembleias do Episcopado Brasileiro, solicitude nas nomeações de bispos, pronunciamento em livros publicados, contribuição para a visita do papa Bento XVI e a escolha do Brasil como sede da Jornada Mundial da Juventude em 2013, e o emprenho a favor da unidade da Igreja foram algumas das atividades desempenhadas por dom Lorenzo, citadas por dom Sérgio.

Mas, entre essas iniciativas realizadas pelo bispo, de acordo com o Presidente da CNBB, a que mais teve destaque foi a conclusão do acordo do governo brasileiro e a Santa Sé, promulgada pelo presidente Luiz Inácio da Silva, em 11 de fevereiro de 2010.

O acordo estabeleceu o Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil. “O seu papel foi decisivo, histórico, de modo a se tornar, para nós, o legado que vai garantir, segundo suas próprias palavras, por ocasião da promulgação do tratado, a estabilidade tanto da continuidade de relações harmoniosa entre Brasília e a Santa Sé, quanto no esclarecimento de uma clara e adequada regulamentação da presença de contribuição da Igreja para o progresso, harmonia e o bem comum da sociedade brasileira”, esclareceu o cardeal Damasceno.

Ao final da celebração, antes da benção final, dom Lorenzo voltou a declarar o seu amor à nação brasileira, garantiu que voltará a este país sempre que puder e se dispôs a ajudar sempre que preciso, mesmo de longe.

Dom Lorenzo deve viajar para Roma nos próximos dias para assumir o Dicastério Romano. Mas antes, ele visitará as diversas arquidioceses do Brasil para se despedir pessoalmente dos membros da Igreja no país.
Fonte: CNBB

Postar um comentário

Planeta Brasileiro