Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

A inspiração originária da forma de vida de Santa Clara


Por Frei João Mannes, OFM

Na presente reflexão tem-se por objetivo fazer algumas considerações acerca do primeiro capítulo da Forma de Vida de Santa Clara, aprovada oficialmente pelo Papa Inocêncio IV, aos 09 de agosto de 1253, dois dias antes de sua morte.

A leitura do primeiro capítulo nos sugere destacar três aspectos fundamentais da Forma de Vida clariana: a origem, o conteúdo central e a obediência e reverência ao senhor Papa (Igreja romana) e ao bem-aventurado pai Francisco (Ordem).

O título do primeiro capítulo da Forma de Vida indica que o processo de conversão de Clara ao Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo tem início em Deus mesmo: “Em nome do Senhor começa a forma de vida das Irmãs Pobres”. Isto quer dizer que o Senhor fixou terna e afetuosamente sobre ela o Seu olhar e suscitou nela uma resposta, consciente e livre, de amor total a Ele (cf. 2In 19-20). Jesus Cristo acendeu nela o ardentíssimo desejo de deixar todas as vaidades desta terra e unir-se ao Cordeiro imaculado como sua digníssima esposa.

Clara reconhece que a sua vocação é, antes de tudo, uma especial graça de Deus, pois “quanto maior e mais perfeita, mais a Ele é devida” (TestC 2s). Por conseguinte, tinha consciência de que não estava nesta Vida por iniciativa particular, sua, nem pressionada por Francisco, mas porque o altíssimo Pai celestial, por sua misericórdia e graça, se dignou iluminar o seu coração para fazer penitência, segundo o exemplo e ensino do bem-aventurado pai Francisco (cf. TestC 24s; cf. RSC 6,1).

No princípio da Forma de Vida clariana estão, portanto, o “nome do Senhor” e o “altíssimo Pai celestial”. O Pai celestial manifestou-se, por excelência, na pessoa de Jesus Cristo, a quem deu o nome de “Senhor” porque “aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de servo por solidarismo com os homens. (…) e humilhou-se, feito obediente até a morte, até a morte da cruz” (Fl 2, 7-8). Paradoxalmente, o Senhor é aquele que incondicionalmente ama, serve e se humilha ao extremo. De modo que, ao iniciar a sua Forma de Vida invocando o “nome do Senhor”, Clara anuncia que o sentido fundamental de sua existência consiste em deixar-se impregnar e conduzir pelo “espírito do Senhor e seu santo modo de operar” (RB 10,9). O que importa para Clara é que o espírito de Deus e sua santa maneira de operar perpasse e inspire toda a sua vida, sem que nada seja excluído disso. De modo que o Senhor-Servo é a fonte inspiradora e modeladora e o fim do seu modo de vida.

Poder-se-ia dizer que a Forma de Vida clariana é, talvez, muito mais ponto de chegada do que ponto de partida. Ou melhor, no modo de vida de Clara coincidem o ponto de partida e o ponto de chegada. Pois, o princípio movente e a finalidade de sua existência é viver em comunhão com o Senhor que por amor a nós se fez pobre, a fim de nos enriquecer com sua pobreza (cf. 2Cor 8,9). A meta é que todos cheguem ao estado de homens perfeitos, que, na maturidade do seu desenvolvimento, é a plenitude de Cristo (cf. Ef 4,13).

Portanto, Clara não teve dúvidas quanto ao conteúdo central da Forma de Vida que voluntariamente professou: “observar o santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo”. O Evangelho não é letra morta, mas é a Pessoa de Jesus. É a Ele que Clara, totalmente vazia e livre, sem nada de próprio, desejou abraçar. Por isso, ao escrever a Santa Inês de Praga, exorta-a a colocar no Espelho (Jesus Cristo Pobre e Crucificado) toda a sua capacidade de compreender (a mente), toda a sua capacidade de amar (o coração) e toda a sua capacidade de viver em Deus (a alma): “Ponha a mente no espelho da eternidade, (…) e transforme-se, inteira, pela contemplação, na imagem da divindade” (3In 12-13).

E o terceiro elemento que se pretende destacar, à luz do primeiro capítulo da Forma de Vida, é a obediência e referência ao Papa (Igreja) e a São Francisco (Ordem). Quanto à obediência ao Papa constata-se que Clara não quis viver o ideal evangélico fora da Igreja, pois estava perfeitamente consciente de que a sua Forma de Vida estava sendo gerada pelo Senhor no seio da Igreja (cf. TestC 46). E, ao obedecer ao Papa, na verdade ela não obedeceu a um indivíduo ou a uma organização hierárquica, mas à autoridade de Jesus Cristo que ela vislumbra na pessoa do Papa e que instituiu a Igreja: “tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja” (Mt 16,18). Além disso, sabe-se que Clara e Francisco não teriam ouvido a mensagem do Evangelho caso este não tivesse sido anunciado por um ministro da Igreja. E em relação a Francisco, Clara voluntariamente prometeu obediência não ao ego de Francisco, mas ao Espírito que iluminou e plasmou a existência de ambos (cf. TestC 24s; RSC 6,1). Portanto, Clara obedeceu livremente à intuição originária da Igreja e da Ordem Franciscana.

Por fim, importa frisar que a vida religiosa, sob a inspiração de Clara e Francisco, já é sempre uma resposta a um chamado de Deus. É Deus que convoca à vida religiosa franciscana, e dos que se sentem convocados requer-se o contínuo e intenso esforço espiritual de responder adequadamente ao chamado. Pois, as muitas solicitações do complexo mundo em que se vive, tanto na ordem do ter, do poder, do saber, como na ordem do prazer, são provocações que podem afetar e ofuscar tanto a vocação quanto a decisão pessoal de viver o Evangelho de Jesus Cristo. Nenhuma pessoa, nenhum grupo pode se dizer imunizado do vírus do neoliberalismo.

Ademais, na atualidade, ou na era caracterizada como pós-modernidade, apregoa-se que não existe nenhuma decisão definitiva. De fato, a decisão íntima e pessoal de doar-se livre e responsavelmente aos irmãos e irmãs, a exemplo de Jesus Cristo e sob a inspiração de Francisco de Assis, deve ser continuamente retomada. A promessa de viver em comunhão com Aquele que “assumiu a condição de servo” (Fl 2,7) deve ser reassumida todos os dias para que se torne definitiva. Por isso, a exortação de Clara a Inês de Praga jamais deixará de ser atual e profética: “Olhe dentro desse espelho todos os dias, (…) e espelhe nele sem cessar o seu rosto” (4In 15-16). T
Postar um comentário

Planeta Brasileiro