Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

segunda-feira, 19 de março de 2012

Assembleia reunirá mais de 300 bispos em sua 50º edição



Willieny Isaías/Canção Nova
Para o Bispo de Lorena, Dom Benedito Beni, a assembleia é o lugar da comunhão entre os bispos
Uma vez por ano, desde 1962, todos os bispos do Brasil se reúnem para discutir assuntos pastorais de ordem espiritual e temporal, e ainda problemas emergentes para a vida das pessoas e da sociedade, na perspectiva da evangelização. Este ano, a 50ª edição da Assembleia Geral dos Bispos do Brasil será realizada entre os dias 17 e 26 de abril, em Aparecida (SP).

A realização da primeira assembleia aconteceu 10 anos após a fundação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que teve como primeiro presidente Dom Helder Câmara e foi aprovada pelo Papa Pio XII. A presidência da CNBB é eleita a cada quatro anos.

Segundo o Estatuto Canônico da Conferência, todos os membros da CNBB são convocados para a Assembleia Geral. Também podem ser convidados os bispos eméritos e bispos não-membros da CNBB, de qualquer rito, em comunhão com a Santa Sé e tendo domicílio canônico no país.

Cerca de 60 bispos participaram da primeira assembleia brasileira. Neste ano, mais de 300 devem participar da 50ª assembleia. Um retrato do crescimento da Conferência Episcopal Brasileira, considerada a maior do mundo, com o total de 456 bispos (297 em atividade e 159 eméritos).

Tendo em vista este grande episcopado distribuído num extenso território, para o Bispo de Lorena, Dom Benedito Beni dos Santos, a importância principal da assembleia é a convivência entre os bispos.

"É um grande episcopado. O Brasil é um país de tamanho continental. Se os bispos não se reunissem todos os anos, por 10 dias, não haveria nenhum conhecimento entre os bispos”, salienta.

Esta convivência, como conta Dom Beni, é marcada pela espiritualidade e fraternidade. Todos os dias há a celebração da Santa Missa, a liturgia das horas e um dia deste encontro é dedicado a um retiro. “Durante o retiro um bispo se confessa com o outro e assim é a celebração do Sacramento da Penitência", explica Dom Beni.


Contribuição para a Igreja e para a sociedade

A partir de retiros e reflexões, ao longo dessa história de 50 anos, as assembleias contribuíram para edificação da Igreja e da sociedade brasileira.

Entre os principais temas discutidos durante os últimos anos, Dom Beni destaca a aprovação das diretrizes para a formação do clero no Brasil, o ministério dos presbíteros e ainda a ética na política.

“Fazemos sempre um estudo de um tema pastoral relevante para a Igreja no Brasil e depois são tratados os principais temas para a Igreja, como a relação com o governo e assim por diante”, explica Dom Beni.

O Bispo de Lorena, um dos bispos brasileiros de maior idade em exercício, esclarece que a Assembleia Geral é a instância decisória suprema da CNBB. Ela é realizada a cada ano, mas entre uma assembleia e outra, há o Conselho Permanente que toma as decisões referentes às ações pastorais no Brasil.

“A assembleia é a comunhão entre os bispos e trata de assuntos pastorais. Este ano, o tema será sobre o ministério da Palavra, reflexão baseada na Exortação Pós-sinodal Verbum Domini, escrita pelo Papa Bento XVI”, conta o Bispo de Lorena. 
Postar um comentário

Planeta Brasileiro