Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Poema - A última rosa por Carlos Estêvão


Alguns respingos de orvalho
Tanto solo pra alcançar
O amor é terreno fértil
Independe da semente a lançar

Guiado pela rosa dos ventos
Tantos jardins a me apontar
Sentimentos serenos, tão tenros
São força motriz aos cataventos

Enquanto tarda o tempo da colheita
É seiva bruta , é seiva elaborada
Que vão te suprir, te sustentar
Enquanto eu fico a esperar

Sob o céu, sob o sol
Sob o mais lindo olhar
Que meu coração conseguir fitar
A última rosá irá, enfim, desabrochar

Autor: Carlos Estêvão.

Postar um comentário

Planeta Brasileiro