Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

quinta-feira, 4 de julho de 2013

PROVINCIA DO NORDESTE DO BRASIL – 30 ANOS

Aos 29 de junho de 1983, em ato oficial presidido pelo Revmo. Pe. Ministro Geral, Frei Flávio Roberto Carraro, foi criada, sob a égide de Nossa senhora da Penha, a Província do Nordeste do Brasil. Foi um momento auspicioso e culminante de um longo processo, iniciado nos distantes idos de 1642, com os capuchinhos franceses, consolidado em 1929 com a presença amimadora dos Capuchinhos lucenses.

Os primeiros capuchinhos que chegaram a Pernambuco eram franceses. Chegados em 1642, trazidos pelo provincial Frei Severino de Morlais, provinham do Maranhão, onde haviam chegado em 1612. Alojaram-se em Olinda. Uma carta Régia do el-Rei Dom João IV, de 14 de julho de 1646 os incorpora à Província. Em Olinda ficaram mais ou menos até 1654. Neste ano, o General Francisco Barreto doou-lhes um edifício no Recife para se alojarem. Nesse mesmo local erigiram mais tarde a Basílica da Penha, cuja devoção já era conhecida.

Depois dos franceses, aqui chegaram os italianos. Foi criada então a prefeitura de Pernambuco. Cresceram a olhos vistos. Com verdadeiro zelo apostólico, pervagam o sertão nordestino, fundando cidades, colégios; construindo açudes e cemitérios, num trabalho verdadeiramente gigantesco. O século XIX conhece os grandes missionários capuchinhos: Frei Sebastião de Mélia, Frei Caetano de Messina, Frei Plácido de Messina, Frei Rosário de Nápolis, e outros que espalharam a Palavra de Deus por todo o Nordeste do Brasil. O Rol dos grandes missionários culmina com a figura do Bispo-mártir de Olinda, Dom Frei Vital Maria Gonçalves de Oliveira, primeiro bispo capuchinho do Brasil.

Em 1892 foi criada a Missão de Pernambuco, inicialmente entregue aos capuchinhos italianos de Milão. Depois, em 1897, foi confiada aos capuchinhos da Província de Nápolis, e mais tarde passou aos capuchinhos da Província de Lucca.

Os capuchinhos de Lucca marcam a sua presença no Nordeste a partir da década de 1929. Frei Félix de Olívola foi o primeiro superior da Missão de Pernambuco e marcou sua presença pela santidade de vida. Em 1935, iniciaram o seminário menor em Maceió-Al que logo começou a receber meninos de toda parte, possibilitando assim a formação de elementos autóctones para assumirem, um dia, a vida e atividade da Ordem aqui em nossas terras. Em 1937 foi fundada a Custódia Provincial de Pernambuco e o seu primeiro custódio Frei Teófilo de Virggolletta. Surgiram-se depois Frei Roberto de Terrinca, Frei Otávio de Terrinca e Frei Teodoro de bargecchia, Frei Cipriano. Nas décadas de quarenta e cinquenta o crescimento da Ordem em obras e construções é notável. Um convento em Recife, junto à Basílica da Penha; um convento em Caruaru, um salão em Maceió. As figuras capuchinhas dessa época: Frei Teodoro, Frei Tito, Frei Antonio de Terrinca e outros.

Ao lado de todos esses trabalhos, continuam as Missões com os Missionários Frei Damião de Bozzano e Frei Fernando de Massa, pregando em todos os lugares do imenso Nordeste, com verdadeiras multidões ao redor da Palavra de Deus. E assim a estrutura da nossa presença capuchinha No Nordeste depois de ter passado a Vice Província no início de dos anos 70 sentiu-se dotada de todas as condições para se tornar uma Província e assim formulou o pedido o então Vice-provincial Frei Severino Batista de França ao Ministro Geral da Ordem em 10 de maio de 1982: temos uma caminhada de dezesseis anos, cheia de fracassos e de vitórias, hoje caminhamos sem dependências de outras circunscrições, temos uma estrutura própria, com todas as casas de formação funcionando com um bom número de vocacionados. Esses fatos mostram que temos condições de assumir juridicamente o que já assumimos de fato. Enviamos os documentos pedindo a criação da Província sem a pretensão de precipitar os acontecimentos, apenas por acharmos que a criação da Província irá incentivar e consolidar a implantação da Ordem no Nordeste do Brasil. Aceitamos com humildade as decisões do Governo da Ordem, sejam quais forem.

No dia 29 de junho de 1983 estava entre nós o Ministro Geral da Ordem presidindo a cerimônia da elevação da Província do Nordeste do Brasil. Foi uma grande festa na Basílica da Penha. Na ocasião o Ministro Geral fez questão de lembrar que também, nestas dias, outras duas Províncias no Nordeste estariam sendo criadas. As Províncias irmãs do Ceará e Piauí e Bahia e Sergipe. E nós juntamos no convento de Caruaru neste último dia 29 de junho os frades das três Províncias com os seus respectivos provinciais e nos confraternizamos na alegria, na Paz e no Bem.

PARABENS - PROCEPI, PROBASE E PRONEB.

Frei Francisco de Assis Barreto – Ministro provincial da PRONEB
Postar um comentário

Planeta Brasileiro