Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

quarta-feira, 23 de março de 2011

Porquê Capuchinho?


O que você vai ser?
Você é jovem. Tem todo o futuro aberto à sua frente. O que você vai fazer com essa sua vida tão preciosa. Nós estamos querendo ajudá-lo a escolher um caminho. Falamos da possibilidade de você ser um missionário, uma pessoa consagrada a Deus. Pode até ser que o seu caminho não seja este, mas já foi para muitos jovens como você. Ainda está sendo. E, pelo menos, poderá ajudar você a escolher melhor, a confirmar melhor o que fazer de sua vida. Nós falamos de vocação para ser um frade capuchinho.
Por que um franciscano capuchinho?
Há muitos jeitos de ser um Frade, em ordens ou congregações muito diferentes. Os frades franciscanos seguem a proposta de vida de São Francisco de Assis. São Francisco e Santa Clara de Assis foram dois grandes santos que viveram oitocentos anos atrás e deixaram um bonito caminho espiritual que milhões de pessoas têm seguido até hoje. Na proposta franciscana, um dos aspectos mais importantes é levar extremamente a sério a vida em fraternidade, o amor entre os Irmãos e com todos os irmãos e irmãs deste mundo. Mas Francisco e Clara queriam principalmente seguir Jesus Cristo. Como Jesus Cristo tornaram-se pobres e penitentes. No fim, tornaram-se verdadeiramente "outros Cristos". Eles nos ensinam, com uma força especial, a descobrirmos Jesus Cristo dentro de nós mesmos e a nos transformarmos em bons filhos de Deus, como eles. Oitocentos anos atrás, São Francisco e Santa Clara fundaram três "ordens", os grupos de pessoas que seguiram seus passos no caminho de Deus. Um desses grupos para homens foi o dos frades franciscanos (OFM, OFMConv e OFMCap). Outro foi o das Irmãs Clarissas, para as mulheres que queria retirar-se para levar uma vida contemplativa. Outro admitia qualquer pessoa, mesmo as que queriam viver como casadas e trabalhando fora como todos os bons cristãos. Com o tempo, essas famílias se multiplicaram. Mesmo a Ordem Terceira, que era para pessoas leigas, acabou dando origem a muitas congregações religiosas, tanto de homens como de mulheres. Esses grupos surgiram desde o tempo de São Francisco, mas grande parte é dos séculos XIX e XX. São chamados de Terceira Ordem Regular. Quando colocamos um OFMCap, aí atrás, queríamos falar dos frades capuchinhos, um ramo dos franciscanos que se formou no século XVI, pouco depois do descobrimento do Brasil.
Missionários?
Missão quer dizer envio. Quer dizer que alguém nos mandou fazer alguma coisa importante. Muito importante. Ir buscar água ou comprar pão não é uma missão. Missionário é quem recebeu uma missão de Deus. Um dos sentidos comuns da palavra "missionário" é o de uma pessoa enviada para o meio de outro povo para anunciar a Boa Nova de Jesus Cristo. Mas, onde houver necessidade de Jesus Cristo há um campo de vida e de trabalho para todos os missionários e missionárias. Nós pensamos na Missão de Jesus, a que ele recebeu de Deus Pai, quando nasceu como um ser humano. A missão dele é vir anunciar o Amor, que é Deus, que é a "vida em plenitude". Já foram escritas páginas belíssimas da história das Missões por homens e mulheres que, por amor de Jesus Cristo, chegaram a dar a sua vida países estrangeiros ou no meio de culturas que não conheciam ou não aceitavam o Evangelho. Não só deram a sua vida morrendo como mártires, mas também vivendo integralmente muitos anos na doação aos mais necessitados, aos excluídos. Mas não pode ser missionário da Boa Nova quem não se deixou embeber totalmente por ela. Nós não somos carteiros do Evangelho, que levamos a mensagem em um envelope: somos testemunhas, que levamos Jesus vivo em nossas vidas.
Você quer ser um frade capuchinho?

            Um ideal tão elevado como o de São Francisco precisou ser adaptado aos novos tempos e lugares. Os franciscanos foram adotando as formas dos outros institutos religiosos. Quando algum grupo percebia que, com isso podia estar sendo perdido o ideal de São Francisco, principalmente o da pobreza, começava um movimento novo de volta às origens. Foi o fermento de uma vitalidade muito grande para a Ordem. O grupo dos frades menores capuchinhos surgiu no século XVI, liderado por Frei Mateus de Báscio, na província italiana das Marcas. O nome veio por usarem um capuz comprido, como achavam que tinha sido o do tempo de São Francisco.O papa Clemente VII deu a primeira autorização para que pudessem existir. Quando foram perseguidos, uma sobrinha do Papa, Catarina Cibo, lembrou ao pontífice que os capuchinhos tinham sido beneméritos atendendo com verdadeiro heroísmo os doentes de uma peste que houve em 1523 em sua cidade de Camerino. Em 1525 juntaram-se a Frei Mateus de Báscio os irmãos Frei Ludovico e Frei Rafael de Fossombrone. Ficaram um tempo abrigados com os camaldulenses de Massácio. Depois, foram acolhidos pelo ministro geral dos franciscanos conventuais. O Papa Clemente VII aprovou os Capuchinhos pela bula "Religionis Zelus", de 3 de julho de 1528. A bula autorizava a levar vida eremítica, seguindo a Regra de São Francisco, a usar barba e o hábito com capuz comprido e a pregar ao povo. Em abril de 1529, em Albacina, um grupo de doze religiosos elegeu os superiores e redigiu as Constituições. A Ordem dos Frades Menores Capuchinhos cresceu muito e, hoje, está presente em todos os continentes, em cerca de noventa países. No mundo inteiro, são mais de dez mil frades.
Os Capuchinhos no Brasil
Os primeiros capuchinhos chegaram ao Brasil ainda no século XVII e eram franceses. Estabeleceram-se no Maranhão. Posteriormente vieram outros, que se estabeleceram na Bahia e no Rio de Janeiro. Até o fim do Império, tinham três conventos (Recife, Salvador e Rio) de onde se irradiavam por todo o país, em missões que ajudaram a formar a Igreja no Brasil. Foram fundadores de muitas cidades. Mas o governo colonial e o governo imperial não permitiram que se abrissem noviciados para brasileiros. Todos os frades vinham da Europa. No começo, eram franceses; depois, italianos de diversas províncias. Em 1889, chegaram de São Paulo os capuchinhos de Trento, na Itália, com a missão de começarem um noviciado para os brasileiros. Nessa época, diversas regiões do Brasil começaram a ser confiadas a Províncias da Europa. Pouco depois dos trentinos em São Paulo, chegaram frades franceses no Rio Grande do Sul, de Veneza no Paraná e Santa Catarina. Os de Milão ficaram com Ceará, Piauí, Maranhão e Pará. Frades das Marcas vieram para a Bahia e Sergipe. Os da Úmbria vieram para o Amazonas; de Siracusa para o Rio de Janeiro, Espírito Santo e parte de Minas Gerais. Minas Gerais também acolheu capuchinhos de Messina. Mais tarde vieram de Nápoles para o sul da Bahia. Os gaúchos começaram a trabalhar em Mato Grosso e Goiás. Quando falamos em Província, pensamos em um grupo grande de frades que moram e atuam em determinada região, vivendo em diversas fraternidades e com capacidade para manter-se com vocações locais. Quando falamos em Vice-províncias, pensamos em um grupo que está ficando pronto para ser Província. Elas dependem de uma outra Província. Grupos menores, que ainda estão começando a se estabelecer podem ser chamados de Missões ou Delegações. Com o tempo, foram tornando-se independentes as Províncias do Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná com Santa Catarina, Minas Gerais, Rio de Janeiro com o Espírito Santo, Centro Oeste com o Distrito Federal, Goiás e Mato Grosso do Sul, Bahia com Sergipe, Nordeste, reunindo Pernambuco, Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte, Ceará com Piauí, Maranhão com Pará e Amapá. Há uma vice-província no Amazonas e, em Rondônia e Mato Grosso, uma missão dos frades do Rio Grande do Sul. Os franciscanos capuchinhos cresceram muito em todo o Brasil, onde já contam com mais de mil e duzentos frades, respondendo por missões, paróquias, pregações e outros trabalhos.
O que fazem os frades

 Na realidade, os capuchinhos, como todos os franciscanos, não têm um trabalho específico: prestam ajuda à Igreja em qualquer setor necessário. De fato, não foram fundados para determinados trabalhos mas darem um testemunho, principalmente junto aos mais pobres e excluídos. Por isso, a Ordem tem frades que se destacaram como missionários, pregadores, professores, cientistas ou simples trabalhadores. Muitos frades tornaram-se santos canonizados, contando, por exemplo, com um Doutor da Igreja, como São Lourenço de Brindes, um porteiro de convento , como São Conrado de Parzaham, um missionário mártir, como São Fidélis de Sigmaringa, um místico com as chagas de Jesus, como São Pio de Pietralcina. São Francisco aceitava na Ordem tanto nobres quanto plebeus, tanto militares como professores, ou trabalhadores sem nenhuma qualificação. Alguns frades também podem tornar-se sacerdotes. Às vezes falamos de frades e de padres. Todos os capuchinhos são frades, palavra que quer dizer Irmãos. Padres, em geral, são os de uma diocese ou de uma ordem ou congregação religiosa que receberam o Sacramento da Ordem e celebram Missas, administram Sacramentos. Alguns frades, ordenados sacerdotes, também são padres.
Postar um comentário

Planeta Brasileiro