Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sexta-feira, 25 de março de 2011

Celibato é "questão de radicalidade evangélica", diz Cardeal



O prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Mauro Piacenza
"O celibato é um dom do Senhor que o sacerdote é chamado a acolher e a viver em plenitude", destaca o prefeito daCongregação para o Clero, Cardeal Mauro Piacenza, em artigo que escreveu para a edição desta quinta-feira, 23, do jornal oficial do Vaticano L'Osservatore Romanocom o título "Questão de radicalidade evangélica".
"O celibato é questão de radicalidade evangélica. Pobreza, castidade e obediência não são conselhos reservados de modo exclusivo aos religiosos. São virtudes a se viver com intensa paixão missionária", defende.

Piacenza faz uma crítica às objeções que volta e meia surgem contra o celibato, especialmente as de que essa doutrina seria um resíduo pré-conciliar e mera lei eclesiástica. O Cardeal explica que nenhuma delas têm real fundamento, nem nos documentos do 
Concílio Vaticano II, nem no magistério pontifício. O exame dos textos explicita uma radical continuidade entre o magistério anterior e posterior ao Concílio.

"O ensinamento papal das últimas décadas concorda ao fundar o celibato sobre a realidade teológica do sacerdócio ministerial, sobre a configuração ontológica e sacramental ao Senhor, sobre a participação no seu único sacerdócio e sobre a imitatio Christi que esse implica", diz, explicando que apenas interpretações equivocadas poderiam conduzir a ver o celibato como um resíduo do passado do qual se libertar.

O prefeito da Congregação salienta ainda que o magistério pontifício incentiva a superar a redução do celibato a mera lei eclesiástica. "De fato, é lei somente porque é uma exigência intrínseca do sacerdócio e da configuração a Cristo que o Sacramento da Ordem determina. Nesse sentido, a formação ao celibato, além de todo o aspecto humano e espiritual, deve incluir uma sólida dimensão doutrinal, porque não se pode viver aquilo de que não se compreende a razão", ensina.


Desafios
Piacenza diz que o debate sobre o celibato não favorece a serenidade das jovens gerações no compreender um dado tão determinante da vida sacerdotal.

"Dou-me conta, obviamente, que, em um mundo secularizado é sempre mais difícil compreender as razões do celibato. Acredito, a esse respeito, que o motivado apoio ao celibato e a sua adequada valorização na Igreja e no mundo podem representar algumas das vias eficazes para superar a secularização".

O prefeito da Congregação vaticana justifica que as raízes teológicas do celibato encontram-se na nova identidade que é dada àquele ao qual é concedido o Sacramento da Ordem. "A centralidade da dimensão ontológica e sacramental e a consequente estrutural dimensão eucarística do sacerdócio representam os âmbitos de compreensão, desenvolvimento e fidelidade existencial ao celibato. A questão, portanto, diz respeito á qualidade da fé. Uma comunidade que não tivesse em grande estima o celibato, qual expectativa do Reino ou qual tensão eucarística poderia viver?", questiona.

Por fim, o Cardeal diz que não se pode deixar condicionar ou intimidar por quem não compreende o celibato e gostaria de modificar a disciplina da Igreja nessa questão, abrindo fissuras. "Pelo contrário, devemos recuperar a motivada consciência de que o nosso celibato desafia a mentalidade do mundo, colocando em crise o seu secularismo e o seu agnosticismo e gritando, nos séculos, que Deus existe e está presente", conclui.
Postar um comentário

Planeta Brasileiro