Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sábado, 9 de fevereiro de 2013

A tolerância zero na lei seca e o vinho da Missa - Artigo


Padre Roger Araújo
Da Redação


Canção Nova
Padre Roger Araújo - Comunidade Canção Nova
A mídia secular abriu uma discussão totalmente sem sentido sobre a questão da tolerância zero no consumo de bebidas alcoólicas e o vinho que o sacerdote utiliza nas celebrações das Missas.  Desde os primórdios da Igreja, a matéria valida para a celebração do mistério da Eucaristia é o pão e o vinho. Em outras palavras, não se pode celebrar a Santa Missa sem estes dois elementos. O pão precisa ser de trigo e o vinho de uva. Pode até ser redundante o que falo, mas é que se tem pão dos mais diversos tipos, sabores e gostos, e também já se fabrica de muitos outros elementos da natureza.
Acesse:
.: OUÇA: Entrevista com Dom Anuar sobre uso do 'suco de uva' durante as Missas, na diocese de Maringá
.: OUÇA: Canonista explica as condições para o uso do 'suco de uva' na Missa. Ouça!

O problema a ser levantado é outro: existem muitos sacerdotes que por motivos de saúde ou por alcoolismo que não podem consumir qualquer dose de álcool. Que procedimento deve ser adotado para que estes sacerdotes celebrem validamente a Santa Missa? O Vaticano autoriza, em casos excepcionais, que estes sacerdotes celebrem com um tipo de suco de uva especial, e vale a pena salientar que não se trata de qualquer suco de uva. Este suco de uva é produzido da mesma forma que se produz o vinho, porém, no seu resultado final não se acrescenta álcool. O resultado deste processo chama-se mosto. Ele é na verdade o vinho na sua etapa inicial.

A licença para celebrar a missa com mosto, em casos extraordinários, pode ser dada pelo próprio Bispo. Porém, nenhum sacerdote pode, por conta própria, decidir celebrar a Missa com este outro elemento. Ordinariamente, os elementos para a celebração da Eucaristia serão sempre o pão e o vVinho. Muitas vezes as pessoas gostam de inovar e colocar elementos novos na celebração. Mas, o pão e o vinho não é uma escolha do padre e nem recomendação da Igreja. Trata-se de fazer aquilo que Jesus fez, na última ceia, onde celebrou a primeira Missa com pão e vinho. Perpetuando o Seu Sacrifício, a Igreja sempre usará os mesmos elementos que Ele utilizou.

Nenhuma diocese do Brasil ou do mundo mudará a matéria da Eucaristia por causa de leis. A lei da tolerância zero no consumo de álcool é mais do que válida e necessária para combatermos um dos maiores desastres do nosso tempo: o elevado índice de acidentes em nossas estradas. Porém, o vinho consumido pelo padre na Missa nunca contribuiu para acidentes. O sacerdote precisa ser prudente na quantidade de vinho a ser consumido nas celebrações. Existem orientações claras e precisas sobre isso. Nós não podemos é ceder ao sensacionalismo da mídia que cria problemas onde eles não existem.
Postar um comentário

Planeta Brasileiro