Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sábado, 23 de junho de 2012

Dom Leonardo acredita na educação para preservação ambiental



Arquivo
'Nós poderíamos dizer educar para ter uma verdadeira ética de relação com a natureza', enfatizou Dom Leonardo
Educar para preservar. Na opinião do secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Leonardo Steiner, este tema deveria ser o grande debate durante a Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável que foi realizada no Rio de Janeiro de 13 a 22 de junho. O bispo acredita que a educação seria uma alternativa que traria muitos benefícios à sociedade.

“Nós poderíamos dizer educar para ter uma verdadeira ética de relação com a natureza. Nós ganharíamos muito com isso. Se nós tivermos um olhar apenas de cifrão sobre a natureza, no futuro deixaremos de ter um olhar de admiração, de encantamento que é tão próprio da pessoa humana”, afirmou.

Neste sentido, a CNBB vê com preocupação os resultados da conferência que reuniu líderes de vários países do mundo. Segundo Dom Leonardo, foi muito positiva a participação de movimentos sociais durante o evento paralelo, a Cúpula dos Povos. Para ele, um debate de grupos diferentes dispostos a dialogar sobre o meio ambiente.

Por outro lado, Dom Leonardo, questiona resultados práticos nas discussões entre líderes mundiais. “Existe uma apreensão porque a Rio 92 foi muito significativa. Nós temos receio de que não apareçam metas a serem atingidas e a criação de um fundo necessário”.

O tema economia verde também preocupa. O assunto chegou a ser retirado do texto final, mas retornou depois de muito debate. “Mas nós precisamos pensar que tipo de economia é essa. Porque pensar em nossas matas, em nossos rios, para o nosso lucro não seria uma economia verde. Seria sobrepor a economia ao meio ambiente. Isso nos preocupa”, ponderou o secretário-geral.

Dom Leonardo também comentou as discussões sobre direitos reprodutivos das mulheres. Disse que a decisão de retirar o tema do texto final foi acertada. “Forçou-se a entrada de alguns desses assuntos, quase esquecendo elementos fundamentais que são elementos da nossa cultura”, disse. Um debate que, para ele, impõe direitos sobre a vida. “A vida vem em primeiro lugar, o direito vem depois. Nós queremos impor direitos àqueles que ainda não tiveram a oportunidade de vir à luz”.

O secretário-geral destacou ainda que cada pessoa não vive isoladamente. A relação em sociedade também é uma relação com o meio ambiente e na medida em que destruímos a natureza, estamos desestruturando as pessoas. “Esse cuidado próprio é da nossa responsabilidade. E para despertarmos para isso entra de novo uma tarefa fundamental: a educação”.
Postar um comentário

Planeta Brasileiro