Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Vaticano: Bento XVI sublinha importância de vida «moralmente coerente»


Papa lembra que existência cristã só cresce quando é alimentada pela participação na missa e oração pessoal diária

Cidade do Vaticano, 09 Fev (Ecclesia) – Bento XVI fez hoje um apelo à oração diária dos católicos e à sua participação na missa dominical, salientando que a vida cristã e a evangelização dependem também de uma vida “moralmente coerente”.
“No meio das mil actividades e dos múltiplos estímulos que nos rodeiam, é necessário encontrar a cada dia momentos de recolhimento” diante de Deus, “para o escutar e falar com Ele”, acentuou o Papa durante a audiência geral realizada esta manhã no Vaticano.
Para Bento XVI, “a vida cristã não cresce se não é alimentada pela participação na Liturgia, de modo particular na santa missa dominical, e pela oração pessoal diária”.
O “ministério apostólico é incisivo e produz frutos de salvação nos corações” só quando o pregador está “estreitamente unido” a Cristo através da “fé no seu evangelho e na sua Igreja”.
O anúncio deve também assentar numa vida “moralmente coerente” e na “oração incessante”, sublinhou o Papa, acrescentando que estas orientações são válidas para todas as pessoas que queiram “viver com empenho e fidelidade a sua adesão a Cristo”.
A catequese desta quarta-feira foi dedicada a Pedro Canísio (1521-1597), jesuíta de cujos escritos se destacam três Catecismos compostos entre 1555 e 1558 “sob a forma de breves perguntas e respostas”.
Uma das características do ‘Segundo Apóstolo da Alemanha’ foi “saber compor harmoniosamente a fidelidade aos princípios dogmáticos com o respeito devido a cada pessoa, tanto que alguns descobrem nos seus ensinamentos os traços de uma primeira formulação do direito à liberdade religiosa”, recordou o Papa.
Marcado por uma “austera espiritualidade”, o religioso da Companhia de Jesus “estabeleceu nos países germânicos uma rede de comunidades da sua Ordem, especialmente colégios, que foram ponto de partida para a reforma católica”.


O santo nascido na cidade holandesa de Nimega interveio em 1562 no concílio realizado na cidade italiana de Trento, encontro de onde surgiu a chamada ‘contra-reforma’, uma reacção do catolicismo à ruptura face a Roma protagonizada por protestantes e anglicanos.

“Num momento histórico de fortes contrastes confessionais”, Pedro Canísio evitou “a aspereza e a retórica da ira – coisa bastante rara àquele tempo nas discussões entre cristãos, de uma e outra parte”, procurando ressaltar as “raízes espirituais” e a “revitalização de todo o corpo da Igreja”, lembrou Bento XVI.
Durante a sua intervenção, o Papa assinalou que Pedro Canísio ocupou-se “incansavelmente na adequada formação teológica dos sacerdotes, assim como da reforma religiosa e moral do povo por meio de uma série de iniciativas pastorais, entre as quais se incluem a assistência nos hospitais e prisões”.
Pedro Canísio morreu na Suíça, tendo sido canonizado e proclamado doutor da Igreja em 1925, pelo Papa Pio XI.
“Amados peregrinos de língua portuguesa, para todos a minha saudação amiga e encorajadora!”, disse o Papa pouco antes do encerramento da audiência.
“Antes de vós – prosseguiu – veio peregrino a Roma Pedro Canísio para invocar a intercessão dos Apóstolos São Pedro e São Paulo sobre a missão que lhe fora confiada na Alemanha, o seu campo de apostolado mais longo”.
“Como ele, todos nós, cristãos, somos enviados a evangelizar, mas para isso precisamos de permanecer unidos com Jesus e com a Igreja”, exortou Bento XVI.
Postar um comentário

Planeta Brasileiro