Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Vocação: conhecer bem o que vai renunciar

Conteúdo enviado pelo internauta Maria Cecília dos Reis Silva
Chorando, Francisco, disse um dia a Jesus: “Amo o sol, amo as estrelas, amo Clara e as irmãs, amo o coração do homem, amo todas as coisas belas… Oh, meu Senhor, me deves perdoar, pois só a Ti eu deveria amar!”.
Sorrindo, Jesus, respondeu-lhe assim: “Amo o sol, amo as estrelas, amo Clara e as irmãs, amo o coração do homem, amo todas as coisas belas… Oh, meu Francisco, não deves mais chorar, porque eu amo aquilo que tu amas!”.
Foto: reprodução do filme "Clara e Francisco"
Esse é o trecho de uma canção italiana, que representa bem como a vocação primeira de todo ser humano é o amor. Ao mesmo tempo, ela representa nossos medos em relação ao querer de Deus para nós. Como podemos ver, é Ele quem planta em nós as sementes de nosso estado de vida, de nossos desejos, sonhos e planos, sejam eles o matrimônio ou o celibato, todos estamos a serviço do amor.
Às vezes, não temos autoconhecimento suficiente para saber o que, na verdade, queremos, mas a maturidade humana e espiritual trazem sempre consigo o nascer dessa “plantinha” chamada vocação.
“Deus inscreve a vocação na humanidade; em seguida, a capacidade e a responsabilidade do amor e da comunhão. Por isso, o amor é fundamental a todo ser humano”. (Familiaris consortio)
Todos os estados de vida pedem maturidade afetiva para sua escolha, e também maturidade para amar. A partir daí, poderemos nos perguntar qual será nossa forma de amar nesse mundo. Até a vinda definitiva de Jesus, como exercerei minha capacidade de amar?
Sacramento do Matrimônio
Todo sacramento é uma realidade terrena que aponta para a eternidade, e o matrimônio não é diferente. Ele existe na realidade terrena para nos apontar uma realidade celeste. Deus criou o homem e a mulher e não precisava ter dado a eles a possibilidade de participar de Seu poder criador, mas quis que cada casal assinalasse seu amor esponsal pelo ser humano.
O sacramento é uma graça extraordinária para a santificação de nossos afetos e de nossa sexualidade. Quanto mais amadurecermos o amor, mais ele se tornará oblativo. Na imaturidade, queremos receber amor; e quanto mais crescemos, mais nos preocupamos em amar de forma gratuita (amor autêntico). O sacramento do matrimônio deve nos santificar, fazer de nós pessoas melhores, maduras no amor, como vemos neste poema, cujo título é “Matrimônio”:
Há mulheres que dizem: “Meu marido, se quiser pescar, pesque, mas que limpe os peixes. Eu não”. A qualquer hora da noite, levanto-me, ajudo-o a escamar, abrir, retalhar e salgar. É tão bom só a gente sozinhos na cozinha, de vez em quando, os cotovelos se esbarram, ele fala coisas como “esse foi difícil”, “prateou no ar dando rabanadas” e faz o gesto com a mão. O silêncio, de quando nos vimos pela primeira vez, atravessa a cozinha como um rio profundo. Por fim, os peixes na travessa, vamos dormir. Coisas prateadas espocam: somos noivo e noiva. (Adélia Prado)
Celibato
“É preciso ter consciência realista não só do valor daquilo que se escolhe, mas também do valor daquilo que se renuncia.” (João Paulo II)
Na atualidade, a vivência do celibato é um grito de Deus em relação à desvalorização da sexualidade como dom. É um anúncio do mundo que há de vir. Como o matrimônio vem para revelar o amor entre o homem e Deus, o celibato também é uma realidade que revela a eternidade, na qual seremos um com Deus, não uma união parcial.
“Meu amado existe para mim e eu para o meu amado!” (Cântico dos Cânticos) Essa comunhão esponsal gera fecundidade como todo amor, mas, no celibato, a fecundidade é espiritual. O Espírito Santo gera, fecunda a vida nova. A união Eu+Jesus representa a esponsalidade do amor. O celibato trata-se de escolher uma particular participação no mistério da redenção do corpo, que marca a semelhança com Cristo. “O Verbo se fez carne”, Jesus foi celibatário para que pudéssemos experimentar a redenção do corpo.
O celibato é um chamado que aponta para a redenção do corpo. Cada um de nós é destinado – igualmente com o nosso corpo – à vida futura. A redenção total do corpo acontece na ressurreição final, mas, desde já, acontece a redenção parcial neste mundo; e os celibatários são setas vivas desse lindo mistério de Deus.
“Na ressurreição do corpo, nada mais acontecerá no homem que não seja ato do homem”, ou seja “um outro sistema de forças interiores”. O celibato é um testemunho de que cremos na ressurreição do corpo, ele aponta para a segunda vinda, a comunhão em Deus.


- See more at: http://destrave.cancaonova.com/vocacao-conhecer-bem-o-que-vai-renunciar/#sthash.YI9jdzbX.dpuf
Postar um comentário

Planeta Brasileiro