Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

"Não Perca de Vista seu Ponto de Partida"


ponto
Quem nos presenteou com tão sábio conselho? Quem, de forma tão concisa, nos alertou sobre o perigo da vaidade, que é mestra na arte de esconder, omitir, camuflar, exibir o que é falso, superficial, inconsistente!
Não perder de vista o ponto de partida nos reporta às origens, sem constrangimento. Permiti-nos avaliarmos nossa trajetória, humildemente, mas nunca envergonhados do nosso começo. Sugere publicamente reconhecermos, por exemplo, o valor daquele pai, simples pedreiro, ou qual seja sua profissão que à custa de muitos esforços nos conduziu até onde estamos; sugere cultivar, carinhosamente, a lembrança da modesta morada onde passamos nossa infância; dos amigos com quem compartilhávamos nossa vida; sugere reconhecermos que, tanto quanto os mestres da faculdade onde estudamos, aquela professorinha e aquela catequista têm o mesmo valor, pois estiveram conosco no nosso ponto de partida, ajudando-nos, como nossa mãe, a darmos os primeiros passos sem os quais jamais conseguiríamos prosseguir. O ponto de partida é tão importante que sem ele nenhum atleta ultrapassará gloriosamente a faixa de chegada. É por isso que Santa Clara de Assis nos convida a não perdê-lo de vista. Tê-lo sempre em mente nos permite estabelecer uma comparação entre o ontem – que geralmente foi cheio de sacrifícios e renúncias – e o agora; nos ajuda a planejar o amanhã com firmeza, coragem e prudência; aproxima-nos de Deus, Princípio e Fim, Pai Criador, Salvador e Santificador. O ponto de partida indica o quanto temos para caminhar. Ninguém vê a reta final, mas tem consciência da extensão da caminhada. Jesus nos diz: “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não serve para o Reino de Deus”. (Lc 9, 62).
O ponto de partida é o começo, sempre pequeno, porém nobre! É o nascimento biológico, é a primeira vez em tudo: por exemplo, na escola, simples alfabetizandos, cheios de dúvidas e dificuldades. Se nos voltarmos para aquela fase de nossa vida, compreenderemos melhor os que passam por esse estágio, seja na aprendizagem ou em qualquer outra situação, lembrados de que se hoje somos experientes, ontem de nada sabíamos. O Batismo é o ponto de partida do cristão. Com ele abrem-se os caminhos da vida cristã que deve ser percorrido na presença de Cristo. Como discípulos do Mestre, não percamos de vista esse marco fundamental que nos permitiu a adoção como filhos de Deus. Que trilha seguir? De que forma: lado a lado, passo a passo ou aos pulos, ignorando trajetos tortuosos, porém importantes no caminhar? Superando obstáculos ou pisoteando os outros para chegar primeiro? Se esqueço dos demais, achando que posso ir sozinho, já perdi de vista meu ponto de partida, que não é exclusivo. Quando parti, muitos partiram comigo.
Que pena tantos ainda acreditarem, na ostentação, na aparência, no engrandecimento ilusório, provindo do relacionamento com pessoas rotuladas de “importantes” e “poderosas”, esquecidas de que seu ponto de partida, que é o essencial, iguala-se aos demais.
Que Santa Clara de Assis (festejada no dia 11 de agosto) interceda por nós, para que nossa mente e nosso coração se abram cada vez mais à conscientização de que o ponto de partida de cada um é Deus, de onde viemos e para onde voltaremos.
Helena Moura
Helena Moura



Fonte: PasCom - Diocese de Caruaru 
Postar um comentário

Planeta Brasileiro