Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Bento XVI inclui ateus na reunião de Assis

CIDADE DO VATICANO, Santa Sé — O Papa Bento XVI vai incluir pela primeira vez, nesta quinta-feira, quatro ateus no encontro ecumênico de Assis, uma iniciativa original que leva sua marca e que torna concreta a prioridade de um diálogo entre fiéis e não crentes, entre "fé e razão".
A linguista francesa Julia Kristeva, o filósofo italiano Remo Bodei e o mexicano Guillermo Hurtado, o economista austríaco Walter Baier aceitaram o convite e vão se apresentar ao lado de bispos, pastores, imãs, rabinos e monges budistas, na cidade natal de São Francisco, por ocasião do 25º aniversário do encontro histórico organizado pelo Papa João Paulo II.
Julia Kristeva ficará encarregada de falar diante do Papa e dos demais religiosos.
O convite a personalidades ateias e ligadas à cultura será certamente mal recebido pelos cristãos fundamentalistas e expoentes de outras religiões, para quem essas quatro presenças desfiguram a dimensão estritamente religiosa da reunião em Assis.
"Isto vem dele, é sua marca pessoal", disse à AFP o sacerdote católico francés Laurent Mazas, do Conselho Pontifício da Cultura. A decisão surpreendeu, inclusive, diversos cardeais.
Em 2009, o Papa havia adiantado à Cúria sua prioridade: "o diálogo com as religiões deve se ajustar ao diálogo com aqueles para os quais a religião é coisa estranha, para quem Deus é desconhecido, e entre os que não querem permanecer sem Deus".
Em julho, o secretário de Estado, Tarcisio Bertone, uma pessoa próxima a Bento XVI, opinou que os questionamentos legítimos dos ateus ajudam os crentes.
"Estamos convencidos de que a posição de quem não crê pode desempenhar um papel saudável para a religião como tal, ajudando, por exemplo, a identificar possíveis desvios ou falsificações", havia dito, em alusão a seitas e fundamentalismos que ameaçam todas as religiões.
Durante sua visita à Alemanha, em setembro, Joseph Ratzinger havia feito um elogio surpreendente aos "agnósticos, que não encontram a paz", "mais próximos do reino de Deus que os considerados fiéis rotineiros".
Para Mazas, "o Papa deseja eliminar a fronteira entre os dois mundos, sair da oposição dialética, onde apenas são lançados anátemas recíprocos".
De seu discurso de 2009 nasceu outra faceta deste diálogo: o "Pátio dos Gentios", em referência ao "Atrium Gentium" onde, no antigo templo de Jerusalém, os não judeus podiam dialogar com os judeus.
Vários encontros do "Pátio dos Gentios" já foram realizados, como o de Paris, em março - uma reunião com a França laica que havia indignado os católicos convictos.
O Conselho Pontifício da Cultura já planejou outros encontros com realizações em Tirana (Albânia), Barcelona (Espanha), Palermo (Itália), Praga (República Checa), Milão (Itália) e Nova York (Estados Unidos).
O diálogo com os não fiéis, explicou o padre Mazas, responde ao temperamento do Papa: um professor que gosta do confronto de ideias e quer mostrar que nada relativo à fé se opõe à razão. No entanto, para ele, um diálogo sadio se apoia no reconhecimento das diferenças.
O cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho da Cultura, está consciente de que o diálogo com intelectuais, que simpatizam com o cristianismo, possui alcance limitado, porque está longe de alcançar a imensa "zona cinzenta" dos que ignoram a fé e dos que simplesmente são indiferentes".
Postar um comentário

Planeta Brasileiro