Sejam Bem-Vindos!

"É uma grandiosíssima calúnia dizer que tenho revoltas contra a Igreja. Eu nunca tive dúvidas sobre a Fé Católica, nunca disse nem escrevi, nem em cartas particulares, nem em jornais, nem em quaisquer outros escritos nenhuma proposição falsa, nem herética, nem duvidosa, nem coisa alguma contra o ensino da Igreja. Eu condeno tudo o que a Santa Igreja condena. Sigo tudo o que ela manda como Deus mesmo. Quem não ouvir e obedecer a Igreja deve ser tido como pagão e publicano. Fora da Igreja não há salvação."
Padre Cícero Romão Batista

segunda-feira, 27 de maio de 2013

O Amor de Deus por nós



"Tanto amou Deus o mundo, que lhe entregou o seu Filho Unigénito, a fim de que todo o que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna." (Jo 3,16)


Ouvimos muito dizer “Deus te ama” ou “Jesus te ama” ou “Deus é amor”, porém provavelmente não paramos para pensar na profundidade desse amor.

Este mundo foi criado e conservado pelo amor do Criador. Se Deus não nos amasse não existiríamos, Ele não teria criado o mundo.

O amor de Deus é pessoal e incondicional. Ele já nos amava antes de existirmos:

"Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado…" (Jr 1, 5)

O que é o ser humano? Não somos do tamanho de um grão de areia comparados com a imensidão do Universo. Neste sentido o Salmista se pergunta:

"Que é o homem, Senhor, para cuidardes dele, que é o filho do homem para que vos ocupeis dele?" (Sl 143,3)

Devemos nossa existência a esse Deus que nos ama e conserva nossa vida. Podemos pensar, por exemplo, na complexidade e na fragilidade do corpo humano, quantos mistérios o envolvem que a ciência ainda não conseguiu explicar? Como explicar o funcionamento do Cérebro Humano? Nem mesmo poderíamos respirar, se Deus não permitisse a cada segundo de nossas vidas que vivêssemos, acaso é o homem quem faz seu coração bater?

O mundo faz com que nos sintamos só mais um na multidão, mas Deus ama a cada um, de um modo muito especial e nos conhece pelo nome. Cada pessoa humana é única, por exemplo, cada pessoa tem um ADN único, uma impressão digital única e até uma frequência vocal única.

O amor de Deus é eterno (Is 54,8)

"Os montes podem mudar de lugar e as colinas podem abalar-se, mas o meu amor não mudará" (Is 54,10).

"Eu te amei com um amor eterno, por isso conservei por ti o amor" (Jr 31,3).

Quando Deus criou o mundo, toda a criação era perfeita. Foi “o primeiro e universal testemunho de seu amor Todo-Poderoso e de sua sabedoria” (Catecismo da Igreja Católica § 315). Criou homem e mulher:

"Deus criou o homem à sua imagem... homem e mulher ele os criou" (Gn 1,27)

Homem e mulher foram criados à semelhança de Deus, logo, com uma profunda vocação para o amor e para a comunhão com Ele. Assim o desejo de Deus está inscrito no coração do homem, fomos criados por Ele e para Ele, logo esse coração estará inquieto a procura de algo maior, de um sentido para sua vida e somente será plenamente feliz quando reconhecer e se abandonar ao amor de Deus.

Deus somente tinha uma razão para criar, por amor! A Criação era perfeita, porém quando o homem, no seu livre arbítrio, desobedeceu a Deus, o pecado entrou no mundo e com ele as tristezas, as dores, as misérias e a morte. “Na verdade, este mundo foi reduzido à servidão do pecado, mas Cristo crucificado e ressuscitado quebrou o poder do Maligno e libertou o mundo” (CIC § 421).


A vida de Jesus é revelação do amor de Deus
Durante toda a vida de Jesus Ele manifestou o Pai em seus actos, palavras, maneira de ser, de falar e de agir. Jesus pode dizer: "Quem me vê, vê o Pai" (Jo 14,9); e o Pai pode dizer: "Este é o meu Filho, o Eleito; ouvi-o" (Lc 9,35). O Verbo fez-se carne e até os mínimos detalhes de sua vida manifestam o amor de Deus por nós.

São mistérios que o homem não pode entender nem explicar, como por exemplo, a Santíssima Trindade, ou então, uma virgem conceber e dar a luz a uma criança sem nenhuma participação de um homem (por obra do Espírito Santo), isso é um absurdo até para a ciência actual.

Ele veio ao mundo para nos salvar: "ele foi castigado por nossos crimes, e esmagado por nossas iniquidades... pelas suas chagas fomos curados" (Is 53,5). Entregou-se por todos nós de livre vontade, por amor e fez a vontade do Pai que era resgatar a humanidade do pecado. "O Filho de Deus amou-me e entregou-se por mim" (Gl 2,20)

É o amor até o fim, até a morte e morte de Cruz, um sacrifício para expiação dos pecados de toda a humanidade. Nenhum homem, ainda que o mais santo, tinha condições de tomar sobre si os pecados de todos os homens, somente Jesus, sendo a Pessoa Divina do Filho poderia oferecer esse sacrifício redentor por todos.

A prova suprema do amor de Cristo pelos homens foi o sacrifício de sua própria vida "em remissão dos pecados" (Mt 26,28).

O Novo Mandamento
Jesus nos amou até o fim, manifestou o amor do Pai que Ele recebe. Sendo assim Ele nos dá um novo mandamento para que imitemos esse amor:

"Assim como o Pai me amou, também eu vos amei. Permanecei em meu amor" (Jo 15,9). E ainda: "Este é o meu preceito: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei" (Jo 15,12)

Esse é o primeiro e verdadeiro amor, o amor de Deus por nós!

"Pois estou persuadido de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potestades, nem as alturas, nem os abismos, nem outra qualquer criatura nos poderá separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, o Senhor" (Rom 8,38-39)
Postar um comentário

Planeta Brasileiro